Autoridades abatem 100 'microporcos' em 'Pântano de Gales'

Porco em balança
Image caption Autoridades britânicas alertam para as dificuldades de se manter um porco em casa

Autoridades do País de Gales abateram mais de cem "microporcos" – como é conhecida a variedade de suínos que se popularizou como animal de estimação de celebridades – depois que muitos teriam fugido de casa.

A administração local de Swansea afirmou que os animais representam um risco como vetores de doenças, mas há quem tema também ataques a crianças.

Um porta-voz da autoridade galesa disse que tentou-se encontrar os donos dos animais antes de sacrificá-los, mas não foi possível.

"Estes animais representam um grave risco a outros rebanhos da região, caso haja um surto de alguma doença. Por isso, não tivemos outra opção que não realizar o abate", disse.

As autoridades acreditam que até 300 "microporcos" possam ter ganhado a liberdade na região conhecida como "Pântano Galês".

Suspeita-se que os animais possam inclusive ter cruzado com espécies selvagens.

'Profissional autorizado'

Os animais foram executados a tiro por um "profissional autorizado e com total apoio dos fazendeiros locais".

"Também estamos mantendo contato com autoridades relevantes no governo de Gales."

Direito de imagem Getty
Image caption Mesmo os chamados 'microporcos' podem chegar a pesar 70kg e medir até 1,5 metro

Entre as celebridades que recentemente adotaram os microporcos como animais de estimação estão Victoria Beckham, Paris Hilton e o atleta olímpico britânico Tom Daley (saltos ornamentais).

Os animais são resultado de cruzas de porcos com estatura baixa, mas alguns podem atingir até 1,5 metro, pesando 70kg.

Por isso, alguns donos encontram dificuldades em mantê-los em casa e acabam libertando-os na natureza.

A sociedade britânica de proteção aos animais, RSPCA, afirmou que o abate destaca o problema de vender os animais como bichos de estimação.

"Embora estes porcos sejam anunciados como micro, as pessoas podem acabar não recebendo aquilo que imaginavam", disse um representante da RSPCA.

A organização alerta os interessados a comprarem micro ou miniporcos a avaliarem cuidadosamente se terão condições de "suprir as necessidades do suíno por toda a vida dele".

Além disso, a RSPCA informou que proprietários de porcos têm que respeitar uma série de regulamentações veterinárias e sanitárias, além de registrá-los.

"Os donos têm que saber que, mesmo no caso de bichos de estimação, porcos são considerados animais de criação aos olhos da lei", afirmou.