Médica de família 'dirige Chevette e namora Creisom' em apostila para concurso

Atendimento em Posto de Saúde da Família em Novo Gama (GO) | Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil Direito de imagem ABr
Image caption Médicos de família e comunidade estão no centro de programas de governo e propostas para a saúde

"Ao ouvir as histórias dos amigos, você ficava triste: os dermatologistas, todos bem de vida (...); o pessoal da cirurgia plástica chegando de carro importado e você caladinha, envergonhada de estar em um fim de mundo, dirigindo seu Chevette hatch, ano 87, com três calotas, e namorando Creisom, motorista da ambulância do seu município...".

Esta é a descrição de um hipotético encontro de colegas de Medicina que aparece em uma apostila do Medcurso, o principal curso preparatório para concursos médicos no Brasil. A situação descrita acima introduz uma série de perguntas sobre a atenção básica de saúde. A "motorista do Chevette", que aparece envergonhada, é uma médica que optou por atuar em um Posto de Saúde da Família (PSF) em uma cidade do interior. O material do curso preparatório chega a dizer ainda que líderes de esquerda como Hugo Chávez e Evo Morales seriam os "heróis" dos médicos que trabalham com atenção básica.

Leia mais: Enfraquecido, programa de saúde da família é unanimidade entre candidatos

A apostila ilustra a imagem que médicos de família e comunidade - que atuam majoritariamente no SUS e em postos de saúde - têm entres os profissionais de Medicina no Brasil. Apesar de estarem no centro de programas de governo - como o Mais Médicos - e das propostas de candidatos à Presidência para a saúde, os médicos de família são ainda uma especialidade pouco conhecida da população e pouco procurada dentro das escolas de Medicina: dos cerca de 390 mil médicos no país, apenas cerca de 4 mil são médicos de família, cerca de 1% do total.

Profissionais que optaram pela especialidade relatam sofrer preconceito entre professores e colegas, apesar da importância da categoria no atendimento aos problemas de saúde mais básicos que afetam os brasileiros. "Sou formado há 12 anos e aconteceu em vários momentos em encontros de turma de me perguntarem quando farei uma especialidade de verdade", disse Rodrigo Lima, diretor da Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade, à BBC Brasil.

"Eu já tive muitos alunos que chegaram a relatar: 'Eu tenho vontade de ser médico de família, mas não sei como minha família encararia isso, não sei se vou conseguir convencê-los'. Para um aluno de 20 anos é difícil resistir à pressão de ter que ter o carro do ano, ser muito bem sucedido financeiramente. É o ideal que a sociedade tem do que é ser médico."

Leia mais: 'Nunca fui tão bem tratada', diz mineira que largou plano por SUS

Desvalorização

O Programa de Saúde da Família - criado durante o governo Fernando Henrique Cardoso – tem o objetivo de oferecer atendimento primário de saúde, que procure prevenir e resolver a maior parte dos problemas em determinado território sem a necessidade de encaminhamento para hospitais especializados. A estratégia foi ampliada durante os governos do PT.

Nos postos de saúde e unidades básicas, uma equipe de médicos, enfermeiros e agentes comunitários deve acompanhar até quatro mil pessoas – desde crianças até idosos. O bom funcionamento do modelo, que também é adotado por países como Inglaterra, Canadá e Austrália, ajudaria a evitar a superlotação de emergências e hospitais, um dos principais gargalos do atendimento médico no país.

Na prática, no entanto, os profissionais relatam unidades com demanda mais alta do que o previsto, condições precárias de trabalho, falta de materiais básicos para o atendimento e dificuldade de completar as equipes médicas.

"Os Postos de Saúde e Unidades Básicas de Saúde hoje não dão conta da demanda por uma série de razões. Então o que temos hoje é uma rede enorme de serviços que não conseguem resolver os problemas e cria nas pessoas a ideia de que 'o postinho não resolve, o melhor é o hospital'", diz Rodrigo Lima.

Leia mais: 'Atendo cinco mil pessoas. É difícil', diz médica de Recife

Direito de imagem Arquivo pessoal
Image caption Apostila de curso preparatório fala em "vergonha" de médicos de família

Além do Mais Médicos, que contratou profissionais brasileiros e estrangeiros para complementar equipes de saúde da família em todo o país, a formação de profissionais dispostos a atuar na atenção básica também foi alvo de diversas estratégias durante os governos Lula e Dilma. Entre elas, a mudança no currículo de Medicina – que passou a exigir que os alunos frequentem postos de saúde desde o início do curso, e o estímulo à abertura de mais programas de residência da especialidade no país.

Muitos desses programas, no entanto, não conseguem preencher boa parte das vagas, segundo a SBMFC. Para os médicos, é um sinal de que os estudantes precisam de mais estímulo para seguirem a carreira. O salário é considerado um dos fatores que desestimula os médicos - eles ganham em média R$ 8 mil, contando com bonificações oferecidas pelas prefeituras para complementar os salários.

"Nos últimos anos, o governo teve iniciativas que foram interessantes, mas não suficientes. Se você não botar dinheiro no bolso do cara para que ele pague as contas, ele não vai ficar", disse Paulo Klingelhoefer de Sá, médico de família e coordenador do curso de Medicina da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP), à BBC Brasil.

"Os alunos falam isso na minha cara. Eu os coloco na atenção primária desde o começo do curso. Eles acham muito legal, ficam com pena da população, mas escolhem outro caminho. Escolhem fazer oftamologia, radiologia, dermatologia. Dizem que medicina da família é coisa para pobre."

Os três candidatos melhor colocados nas pesquisas sobre a disputa pela Presidência, Dilma Rousseff, Marina Silva e Aécio Neves, mencionam a "ampliação" da Estratégia de Saúde da Família em seus programas de governo e a "valorização" dos profissionais de saúde que atuam no serviço público. Dois deles, Marina e Aécio, falam especificamente da criação de uma carreira para médicos no SUS.

Leia mais: Projeto pioneiro de médico usa escolas como postos de saúde

A BBC Brasil também ouviu a opinião de leitores pelo Facebook. A questão gerou um debate acalorado sobre os aspectos positivos e negativos do atendimento básico no sistema de saúde público.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Leitores da BBC Brasil se dividiram entre elogios e críticas ao sistema de saúde público

'De esquerda'

Segundo relatos colhidos pela BBC Brasil (leia abaixo) os médicos de família costumam ser vistos – até mesmo pelos pacientes - como profissionais de qualidade inferior, discriminados por receberem salários mais baixos em relação aos colegas e por serem considerados "de esquerda".

Nas situações criadas para as perguntas sobre saúde da família, a apostila do Medcurso chega a dizer que "ideias de Evo Morales e Hugo Chávez" atraíram a personagem que começa a trabalhar em um Posto de Saúde da Família.

"Achamos que não valia a pena nos pronunciarmos publicamente sobre a apostila, mas ela contribui com esse estigma social de que o médico de família é um médico inferior, que 'não presta para nenhuma especialidade'. Isso é de uma ignorância incrível", diz Rodrigo Lima.

"Nesse cenário desfavorável nas faculdades, os alunos que se aproximam da área geralmente são os que se incomodam mais com a questão da desigualdade social, algo que costuma ser associado à esquerda. Mas isso também não é regra, conheço muitos médicos de família que são de direita". afirma.

Até a publicação desta reportagem, o Medgrupo, que produz as apostilas do Medcurso, não havia respondido ao pedido de resposta da BBC Brasil.

Confira alguns depoimentos de médicos de família:

Rodrigo Oliveira, PE

Direito de imagem Arquivo pessoal

A medicina de família e comunidade é uma especialidade pouco divulgada até hoje. Eu não tinha nenhum professor que fosse médico de família. Quando entrei na faculdade a reforma curricular já tinha acontecido, mas pouquíssimos professores aderiram. Alguns até se recusaram a dar aulas. Eles diziam que não concordavam com a ideia de "formar médico para trabalhar no posto".

Dentro da faculdade de Medicina a gente percebia o quanto a profissão tinha status. Muitos colegas meus se espelhavam nesses professores, que eram reconhecidos como médicos especialistas.

Eu tinha um professor de anatomia que era neurocirurgião e dizia em sala de aula que tínhamos que aprender para não nos tornarmos "médicos de posto de saúde". Trabalhar em posto de saúde é visto como coisa de gente que não quis estudar para fazer uma residência mais concorrida.

Acho que há preconceito, sim. No Brasil, esta é a especialidade que trabalha com a periferia. Não há um médico de família famoso. É uma especialidade que não paga tão bem como as outras pagam. Dentro da sociedade e das famílias, a medicina de família e comunidade não é vista como algo que dê status para o médico.

Quando eu disse a minha família que optei por essa especialidade foi difícil para eles entenderem. Eles diziam que eu não ia ganhar dinheiro e que eu ficaria desempregado, porque ainda achavam que era só um programa de governo e poderia acabar.

Percebo hoje que os alunos de medicina têm um maior interesse pela especialidade, mas não por causa do estímulo dos professores. Apenas pelo aumento da prática na faculdade.

Natália Ferreira, MG

Direito de imagem Arquivo pessoal

Da minha turma de 40 pessoas, só duas, contando comigo, seguiram a carreira (de médico de família). Sempre fomos discriminadas por causa disso, a medicina de família e comunidade é a prima pobre das residências. O médico de família é "aquele que não ganha dinheiro, que cuida de pobre e que não gosta de estudar". As pessoas acham que quem não conseguiu passar em outra residência, faz Medicina de Família.

Havia muita chacota dos colegas, dos professores. Diziam: "você não quer ganhar dinheiro, quer ficar pobre para sempre? Gosta de trabalhar com pobre?". Muitas pessoas não entendiam a residência como necessária para essa especialidade.

Até hoje a comunidade médica me olha de lado quando digo que sou médica da família. Fui acompanhar a cesárea de uma parente em Uberlândia e o obstetra me perguntou o que eu fazia. Eu disse que era médica de família e ele perguntou se eu não queria fazer residência em nada. Eu expliquei que já tinha residência em medicina de família e comunidade e ele me disse: "mas ninguém precisa de residência para trabalhar no postinho, você não quer ser médica de verdade?".

Acaba acontecendo um distanciamento de outros colegas médicos, porque as conversas, as prioridades, a atenção ao paciente é diferente. Eu gosto de ter vínculo, de conhecer o paciente, de ir às casas deles. E para muitos dos meus colegas não é assim. Muitos escolhem algumas especialidades porque não é preciso ter tanto contato com o paciente. O médico também escolhe muito a especialidade pela qualidade de vida que ela oferece, por ter acesso a alguns privilégios que a categoria médica tem.

Fabricio Brazão, PA

Direito de imagem Arquivo pessoal

Para minha família foi impactante eu dizer que queria fazer medicina da família e comunidade, porque ninguém sabia direito o que era, qual era a rotina do profissional. Todo mundo está muito acostumado com as divisões em áreas, então me perguntavam que tipo de gente eu iria atender. Durante a minha residência ainda perguntavam: "mas tu atende paciente? Tu trata doença?".

Achavam que eu estava me capacitando para uma carreira de gestão. Até meu tio, que é clínico e ultrassonografista, ainda tem dúvidas sobre o que é o trabalho.

Acho que a imagem histórica do que é médico - que é o especialista, aclamado pela população - acaba afastando as pessoas da medicina de família. Eu observava muito nos estudantes a visão do médico como um profissional liberal: me formo numa instituição pública, trabalho um pouco para ganhar essa experiência e vou abrir meu consultório.

Já a medicina de família e comunidade tem como grande - quase único - campo de trabalho o SUS. E isso desencoraja muitos dos nossos colegas por conta da pouca consolidação das unidades – há algumas mal funcionantes, com pouca estrutura e profissionais que não cumprem carga horária - e falta de um plano de carreira.

Murilo Marcos, SC

O bullying universitário também existiu para mim e isso passou a me abalar menos quando tive mais certeza do que eu queria. No meio do curso eu sofri muito por isso, ser diferente da maioria é difícil. Mas eu procurava estar mais perto das pessoas que pensavam parecido.

Meu irmão, que também é médico, me chamava de "estrela vermelha", porque eu vinha com histórias de mudar o mundo e ele estava no caminho da cirurgia. Mas um dia ele me veio me perguntar o que poderia fazer para mudar um pouco a realidade dos pacientes dele – muitos tinham câncer de pulmão e ele não podia fazer nada.

O grande nó é a visão que se tem da Medicina. Por mais que a gente tenha políticas e evidências de que o caminho da medicina de família é eficiente, as pessoas que participam da formação dos médicos não são médicos de família.

Meu pai tem uma história bem diferente da minha e era bastante crítico em relação a eu não querer trabalhar em um hospital. Minha mãe foi a pessoa com quem eu mais discuti sobre o que quero fazer da vida, por causa do que ela achava que era trabalhar em um posto, no interior, com unidades mal estruturadas. Meus pais me perguntavam: "O médico que tem um carro velho, tu quer ser isso mesmo?". Tempos depois, ela disse pra mim: "Murilo, eu já te aceito uns 80%".

Frederico Miranda, RJ

Direito de imagem Arquivo pessoal

Eu sempre quis fazer medicina de família de comunidade. Na própria graduação a gente tinha opções de estágios alternativos em unidades da família e eu sempre gostei desse modelo de ajudar a população mais carente. Os médicos geralmente estão muito mais voltados para hospitais, procedimentos técnicos.

Sempre ouvi "você é maluco, não faz isso não, não dá dinheiro". Também dizem que o médico de família não é um médico bom, que não tem preparo. De fato há muitos médicos despreparados para lidar com as pessoas atuando nas Unidades de Saúde da Família. Se fosse obrigatório fazer a residência para atuar na atenção básica, isso ajudaria a acabar com essa imagem.

Diego Bonfim, BA

Havia resistência dos professores e dos colegas. No caso dos professores, há muito a fala de que o médico de família não tem capacidade técnica, não ganha bem, que pode ganhar mais, que os casos são muito simples. Isso se reflete nos colegas. Alguns diziam que era "desperdício" que eu fizesse medicina de família, porque eu era bom aluno. De forma geral, era visto como algo para pessoas em começo de carreira e em fim de carreira.

No início, quando comecei a trabalhar na cidade de Cachoeira, alguns pacientes me falavam "obrigada doutor, tudo de bom, espero que tudo dê certo para você, que algum dia você tenha sua clínica, consiga trabalhar num hospital, saia daqui desse postinho".

Eu achava que os estudantes de Medicina tinham que ser de esquerda para querer fazer medicina de família e comunidade, porque no Nordeste as coisas são um pouco assim, essa ligação é maior. Mas quando fiz residência em Ribeirão Preto (SP), percebi que no eixo Sul-Sudeste é diferente, que é muito comum que pessoas não ligadas à esquerda também sejam médicos de família.

Notícias relacionadas