Enfermeiro com tara canibal é condenado na Inglaterra

Direito de imagem PA
Image caption Durante as conversas na Internet, Dale Bolinger descrevia relações sexuais que queria manter com jovem e como a mataria

Um enfermeiro com fetiche canibal que sonhou em decapitar e depois comer uma adolescente foi condenado a nove anos de prisão na Inglaterra.

Dale Bolinger, de 58 anos, comprou um machado um dia antes de sair com uma suposta jovem que ele havia conhecido em um bate-papo na Internet.

Em julho deste ano, Bolinger foi considerado culpado por aliciamento sexual ao tentar se encontrar com uma menor de idade.

Durante as conversas na Internet, o enfermeiro descrevia as relações sexuais que queria manter com a suposta jovem e como a mataria.

Segundo o tribunal, Bolinger conversava com alguém que acreditava ser uma menina mexicana de 14 anos chamada "Eva" ou que outras vezes dizia ter 16 anos e se apresentava como "Nada".

Ele tentou encontrar a suposta jovem na estação internacional de trem de Ashford no dia 18 de setembro de 2012, mas ela não apareceu.

Bolinger afirmou à polícia que estava interessado em crianças como "comida" e que tinha um CD contendo imagens de uma menina com uma maçã na boca sendo "servida" em uma bandeja.

O enfermeiro confessou que tinha pensamentos canibais desde os seis anos de idade, mas alegou que a tara era pura "fantasia".

No tribunal, a juíza Adele Williams descreveu o comportamento de Bolinger como "repugnante, chocante e perigoso".

Bolinger, que trabalhou como enfermeiro em um hospital em Margate, no sudeste da Inglaterra, admitiu ser culpado por outros dez crimes, incluindo administrar veneno ou substância nociva a uma pessoa.

Em julho de 2010, ele foi acusado de colocar um pano embebido da substância sobre a boca de uma amiga.

O enfermeiro, que foi casado por 34 anos e tem três filhos, também assumiu ter produzido fotos falsas e indecentes de crianças e ter publicado artigos obscenos.

Além da prisão, Bolinger, que nasceu nos Estados Unidos, também não poderá acessar a Internet sem permissão.

A Polícia de Kent atuou juntamente com o FBI (a polícia federal americana) e outros órgãos de segurança nos Estados Unidos para chegar à identidade do enfermeiro.

O detetive responsável pelas investigações, Tim Smith, disse que Bolinger usava nomes diferentes para esconder sua identidade verdadeira em salas de bate-papo online.

Entre seus pseudônimos, estava "Meatmarketman" ("vendedor de carnes", em tradução livre).

"Não tenho dúvida de que Bolinger representa um grande perigo à sociedade", afirmou Smith.