Hong Kong é palco de protestos pró-democracia; entenda

Direito de imagem EPA
Image caption Ativistas ocupam o centro financeiro do país pedindo mais democracia

Hong Kong vive dias de tensão. A disputa é pela forma como será escolhido o próximo líder da ilha chinesa. E o movimento "Occupy Central" cobra um protagonismo que incomoda as autoridades centrais em Pequim.

As eleições estão marcadas para 2017, mas no final do mês passado o governo chinês emitiu uma resolução limitando a postulação de candidatos.

Ativistas pró-democracia saíram às ruas do território nas últimas semanas para se manifestar e planejam ocupar o distrito financeiro da cidade como protesto.

Neste fim de semana, a polícia usou bombas de gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes que entraram na sede do governo.

Quer entender o que está por trás da insatisfação? Preparamos um guia:

O que quer o movimento "Occupy Central"?

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

O movimento, cujo nome completo pode ser traduzido por Ocupe Central com Paz e Amor, prega a desobediência civil, em defesa da democracia em Hong Kong.

Os ativistas pedem uma reforma política e eleições democráticas que cumpram normas internacionais. Eles planejam para esta semana uma ocupação não-violenta no distrito financeiro local em resposta à decisão do governo chinês contra a realização de eleições abertas em 2017.

O grupo usa o mesmo nome do movimento "Occupy Wall Street", lançado nos EUA em 2011 para protestar contra a desigualdade social.

Hong Kong está sob domínio chinês. Os protestos podem fazer alguma diferença?

Até os organizadores do movimento admitem que é pouco provável que consigam influenciar o governo central da China.

Mas os protestos podem ter um papel importante em Hong Kong: ali, as pessoas têm liberdade de expressão, mas não podem eleger diretamente seus governantes.

Leia também: Dez preocupações sobre Hong Kong que tiram o sono de líderes chineses

Muitos veem o direito de protestar nas ruas como uma forma de forçar mudanças, e alguns protestos foram bem-sucedidos, forçando a revogação de uma polêmica lei de segurança nacional e de aulas de "educação patriótica" nas escolas.

No entanto, as demandas do "Occupy Central", que giram em torno da representação democrática, são mais sensíveis, porque se relacionam à forma como a ilha é governada e podem ser vistas como um desafio direto à autoridade exercida por Pequim.

Pode haver mais violência?

Os organizadores insistem que o protesto será não-violento, e Hong Kong tem tradição de manifestações pacíficas e bem-organizadas.

Leia também: 'Surda' a protestos, China contempla risco de descontrole em Hong Kong

Mas a polarização da política na ilha se refletiu em protestos mais combativos nos últimos anos, com enfrentamentos entre manifestantes pró-democracia e os que apoiam o governo central chinês. E críticos alegam que os organizadores do "Occupy" podem não ser capazes de controlar a multidão.

Na sexta-feira, um protesto estudantil invadiu a sede do governo da cidade, e o grupo foi expulso pela polícia no dia seguinte.

Como se dividem as opiniões em Hong Kong?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Limitação imposta por Pequim às eleições aumentou a insatisfação de manifestantes pró-democracia

As manifestações atuais pró e contra a influência de Pequim têm reunido milhares de pessoas, mas as que são favoráveis ao governo são menos comuns - e, segundo a imprensa local, repletas de pessoas que foram pagas para estarem lá.

Mas Hong Kong é uma cidade com visão empresarial, e muitos temem que enfrentamentos com Pequim prejudiquem os negócios na ilha.

Em contrapartida, um número significativo de pessoas anseia por mais democracia e expressou seu desgosto pela decisão chinesa de limitar os candidatos políticos.

Quem são as peças-chave dos protestos?

Os principais apoiadores do movimento são Benny Tai, professor de direito, Chan Kin-man, professor de sociologia, e Chu Yiu-ming, representante eclesiástico.

Eles são considerados figuras moderadas do movimento pró-democracia.

O "Occupy Central" também é apoiado por partidos políticos e por grupos estudantis.

A decisão de Pequim de restringir as candidaturas políticas fez com que aumentasse o apoio popular ao Occupy, já que muitos viram as restrições como antidemocráticas e inaceitáveis.

Direito de imagem Getty
Image caption Grupo tem apoio popular, mas críticos temem que ele prejudique os negócios na ilha

No outro espectro, autoridades de Pequim e grupos empresariais tendem a ser contrários ao Occupy.

O que pensa a China?

O Partido Comunista chinês não quer que um movimento popular seja visto como uma ameaça a sua autoridade. E Pequim se preocupa com as crescentes tensões políticas e com o sentimento anti-China em Hong Kong.

A imprensa estatal do país acusa "forças externas" de se intrometerem em assuntos de Hong Kong e de fomentar "sentimentos separatistas" na ilha.

O presidente Xi Jinping, no poder desde 2013, parece ter adotado uma abordagem mais dura contra a dissidência, e especula-se se Pequim fará alguma ofensiva contra o "Occupy Central" caso considere insuficientes as ações das autoridades locais.

Mas acredita-se que o envolvimento direto do governo central seria um último recurso, tendo em conta as possíveis repercussões internacionais e impactos nos negócios.

Notícias relacionadas