Educação e Economia: Candidatos respondem aos leitores da BBC Brasil

Candidatos à presidência no debate da Band / Crédito: AFP Getty Direito de imagem AFP Getty
Image caption BBC Brasil enviou perguntas dos leitores aos 11 candidatos à presidência - seis deles responderam.

Como parte da cobertura especial das eleições de 2014, a BBC Brasil usou as redes sociais para convidar seus leitores a apontar quais, em sua opinião, serão os principais desafios do próximo presidente da República e a fazer perguntas aos candidatos ao cargo máximo do Executivo.

A iniciativa – parte do projeto #salasocial, que utiliza as redes virtuais em busca de histórias originais – deu origem a uma série de reportagens e suscitou debates nas páginas da BBC Brasil no Facebook, Twitter e Google+.

Leitores também enviaram questões aos candidatos, que foram selecionadas pela equipe da BBC Brasil e enviadas às assessorias do presidenciáveis.

Dentre os 11 postulantes, oito responderam: Aécio Neves (PSDB), Eduardo Jorge (PV), José Maria Eymael (PSDC), Luciana Genro (PSOL), Marina Silva (PSB), Mauro Iasi (PCB), Pastor Everaldo (PSC) e Zé Maria (PSTU).

Não se manifestaram os candidatos Dilma Rousseff (PT), Levy Fidelix (PRTB) e Rui Pimenta (PCO).

Confira agora as respostas dos candidados às perguntas dos leitores da BBC Brasil sobre temas de Economia e Educação.

1 - A leitora Marcela Reis, assim como outros internautas, relatou, via Facebook, casos de professores que, como ela, sofreram agressões verbais e até violência física de alunos na escola. Como você pensa em tratar esse problema da violência nas escolas públicas?

Aécio Neves (PSDB): A primeira coisa a ser feita é separar as escolas que se encontram em áreas de alta violência daquelas que enfrentam problemas menos graves e tratá-las de forma distinta. Defendemos a realização de programas que envolvam toda a comunidade, difundindo valores e conhecimento que ajudem a construção de uma sociedade melhor. Entre os programas que defendemos está o Escolas pela Paz, que será implantado para ensinar os jovens a lidar com regras no ambiente escolar, bem como com situações de conflitos.

Direito de imagem AP
Image caption Candidato do PSDB, Aecio Neves promete lançar programa para diminuir violência nas escolas.

Eduardo Jorge (PV): Em especial, nosso programa quer valorizar o professor. Definir cronograma para a implantação da educação integral em todo o país. Trazer os pais/tutores para participar no cotidiano da escola, acompanhando e participando da solução dos problemas mais comuns à comunidade escolar. Incluir em todas as políticas públicas a mediação de conflito como ferramenta de construção de novas realidades; apoiar a aprovação e a regulação da mediação de conflitos no país pelo Congresso Nacional.

Eymael (PSDC): Com melhor qualificação dos professores e melhorias na infraestrutura das escolas.

Luciana Genro (PSOL): Devemos promover uma cultura de paz e tolerância, entrosar a escola com as demandas da comunidade, discutir as causas da violência que vem, em grande parte, de fora da escola. Nas periferias o problema é mais recorrente, já que o ambiente escolar é prejudicado pela violência do narcotráfico e da polícia, que atinge os jovens desde muito cedo em algumas comunidades. Nosso governo será parceiro dos Estados e municípios para que possamos oferecer escolas seguras e tranquilas para professores, funcionários e estudantes.

Marina Silva (PSB): A melhoria da educação relaciona-se diretamente com a valorização e o preparo dos profissionais que nela atuam. Nossas propostas são: valorizar os profissionais da educação; criar itinerários pedagógicos e culturais para integrar estudantes, profissionais da educação, famílias e organizações da sociedade civil com atividades que valorizem o professor e promovam a ampliação de conhecimentos; oferecer condições de trabalho adequadas e reposicionar a escola como espaço de trabalho colaborativo e criativo, local de escuta e diálogo; desenvolver um programa nacional de combate ao assédio moral e à violência contra os professores da rede oficial de ensino.

Mauro Iasi (PCB): O governo do Poder Popular garantirá uma escola pública de qualidade e de tempo integral, com a valorização dos profissionais, através da melhoria substancial dos salários, fim das contratações temporárias e terceirizações, jornada de trabalho composta de 50% do tempo em sala de aula e de 50% de horas-atividade; equiparação do piso salarial com as demais categorias que possuam o mesmo nível de formação; formação presencial dos professores, que deve ser considerada responsabilidade pública; redução do número de alunos por sala de aula.

Direito de imagem AFP
Image caption O candidato do PV, Eduardo Jorge, diz que, se eleito, priorizará as áreas de educação, saúde, transportes e moradia.

Pastor Everaldo (PSC): Precisamos entender que esse tipo de violência ocorre em virtude da destruição dos valores mais caros ao país: falta de respeito à autoridade, falta de educação e civilidade, quebra da unidade familiar com filhos sendo criados pelo mundo e não pela família, entre outros problemas que demonstram de maneira evidente o processo de degeneração das estruturas tradicionais da sociedade brasileira. Precisamos atacar a conseqUência, que é a agressão sofrida pelos professores, mas também a causa, que é a quebra da estrutura familiar.

Zé Maria (PSTU): Essa violência é em primeiro lugar reflexo da violência que assistimos em nossa sociedade, mas também impulsionada pelo quadro de precarização da educação pública. São salas superlotadas, professores e funcionários mal pagos e desrespeitados em seus direitos, falta de estrutura e equipamentos, ou seja, toda uma situação que faz com que aquele ambiente não seja um ambiente de estudo, de acesso ao conhecimento e ao lazer. Para reverter isso, o PSTU defende a estatização do ensino privado e investir o equivalente a 10% do PIB em educação.

Leia na BBC Brasil: 'Continuei dando aula com olho sangrando', diz professor atingido por azulejo

2 - Muitos leitores jovens ouvidos pela BBC Brasil manifestaram uma preocupação em comum: de que forma a atual situação econômica pode afetar a educação no país? Um deles foi Lucas Diego, que enviou sua pergunta via Twitter: "Sabemos da possível recessão econômica. Isso compromete os investimentos no Fies, no Prouni e na implantação de universidades?"

Aécio Neves: O nosso compromisso é manter os programas que apresentam bons resultados e investir para aperfeiçoá-los. O orçamento da educação deve aumentar para 10% do PIB até 2019, permitindo a manutenção dos investimentos na área.

Direito de imagem Divulgacao
Image caption Para Eymael, do PSDC, educação e a formação universitária não devem estar à mercê das flutuações econômicas.

Eduardo Jorge: Não há uma tendência inequívoca de que a economia entre em recessão. Possivelmente tenhamos baixo crescimento nos próximos anos. O governante deve eleger prioridades e, em nosso caso, os serviços públicos voltados à população em áreas básicas – educação, saúde, transportes, moradia etc. – terão prioridade absoluta.

Eymael: Não deve. Nunca a educação e a formação universitária devem estar à mercê das flutuações desse ou daquele momento econômico. A educação é tudo de que um país precisa para se sobressair e superar a qualquer tipo de recessão.

Luciana Genro: Em nossa visão isso não pode acontecer. Não podemos mais tolerar que a economia do Brasil siga amarrada aos interesses dos bancos às custas de perdas sociais. Medidas concretas, como a taxação de grandes fortunas e a auditoria da dívida pública, vão garantir que os recursos públicos sejam utilizados para melhorar áreas de interesse imediato da população, como é o caso da educação. Em nosso governo, os direitos sociais são a plataforma principal.

Marina Silva: Entendemos que é preciso aumentar os investimentos na educação brasileira e já nos comprometemos a destinar 10% do PIB à área. Vamos ampliar o número de vagas no Ensino Superior. Planejamos também incentivar a articulação entre o ensino médio e o superior, de modo a criar políticas para diminuir a evasão dessas modalidades de ensino. Fortalecer as políticas de inclusão no Ensino Superior, tanto as relativas a cotas como as relacionadas ao Fies e ao Prouni, é outro item fundamental.

Mauro Iasi: O PCB defende a imediata aplicação de 10% do PIB para a educação pública, sem desvios para a iniciativa privada. Desta maneira, será possível avançar no sentido do acesso universal ao ensino superior público, sem necessidade de que sejam mantidos programas como o Fies e o Prouni, verdadeiros planos de financiamento das grandes empresas privadas que lucram com os serviços de educação, transformada em mera mercadoria.

Direito de imagem Divulgacao
Image caption A candidata Luciana Genro, do PSOL, diz que taxação de grandes fortunas e auditoria da dívida trarão mais recursos para educação.

Pastor Everaldo: O investimento em Fies e Prouni são extremamente econômicos para o governo brasileiro. Um estudante bolsista do Prouni custa muito menos para o governo que um estudante em universidade pública. Portanto, o Prouni será nosso modelo prioritário de expansão do ensino superior, e vamos ainda mais longe, pois é nosso projeto aplicar a lógica do Prouni também nos ensinos médio e fundamental.

Zé Maria: De fato, a situação é preocupante. Se você pegar os discursos e os programas dos três principais candidatos aí, você vai ver que a receita que todos eles defendem caso eleitos é uma só: ajuste fiscal e cortes no orçamento. Isso para liberar mais recursos para o pagamento da dívida interna e externa aos banqueiros. Para resolver esse problema é necessário priorizar a educação estatizar o ensino privado e investir 10% do PIB na educação pública.

3 - Italo Oliveira (via Facebook): "Estudo em uma escola técnica federal, de qualidade muito boa e estrutura muito melhor que a de muitas escolas estaduais e municipais, com nível altíssimo de professores. Aumentar o número dessas escolas seria benéfico ou com grande oferta e procura poderá haver um sucateamento dessa mesma rede dentro de alguns anos?"

Aécio Neves: Com uma boa gestão e os investimentos certos é possível aumentar o número de escolas técnicas – aumentando também o número de pessoas qualificadas no país - sem diminuir a qualidade do ensino; é uma questão de vontade política. Ítalo, para você ter uma ideia de como isso é possível, podemos pegar o exemplo bem-sucedido das Etecs e Fatecs em São Paulo, que são escolas públicas, de muita qualidade, que formam profissionais que são absorvidos diretamente pelo mercado de trabalho, e que têm sido constantemente expandidas pelo governo de São Paulo.

Eduardo Jorge: É preciso, sim, aumentar a oferta dos chamados cursos técnicos, mas observando não só as vocações locais, mas garantindo a possibilidade de acesso ao ensino universitário. É equivocada a ideia de que massificar o acesso às políticas públicas gera, por natureza, seu sucateamento. A título de exemplo, a alimentação escolar, instituída ainda nos anos 1940 como política assistencial, é hoje o maior programa de alimentação escolar do mundo.

Direito de imagem Reproducao
Image caption Candidato do PCB, Mauro Iasi, defende a estatização de setores econômicos como mineração e produção de energia.

Eymael: A educação já sente, com o descaso que o atual governo dispensa a ela, o seu sucateamento. Valorizar a educação e guarnecê-la de todos os requisitos necessários para que ela venha a ser a grande motivadora de um Brasil com igualdade de oportunidades é a nossa meta.

Luciana Genro: Aumentar o número de instituições públicas de qualidade, em todos os níveis, é sem dúvida nenhuma um enorme benefício. Para isso, é preciso assumir o papel do Estado na garantia do direito a educação, rompendo com o modelo privatista, que transformou a educação nacional, em especial o Ensino Superior, num grande mercado e que expandiu o acesso através de programas que terceirizaram para o setor privado o atendimento, abrindo mão da qualidade.

Marina Silva: No que diz respeito à formação técnica, vamos articular conteúdos do Ensino Médio com os de educação profissional e promover a ampliação das escolas técnicas em níveis médio e superior; avaliar e incrementar o Pronatec, estimulando a oferta cursos profissionalizantes adequados ao desenvolvimento do país; estender para todo o país o Programa "Ganhe o Mundo", que oferece cursos de língua e intercâmbios internacionais a alunos do Ensino Médio das escolas públicas; além de prover as escolas de espaços e equipamentos necessários à experimentação e à inovação: laboratórios de ciências, computadores com internet e outros.

Mauro Iasi: No ensino superior público, incluídas aí as escolas de formação técnica, o PCB participa ativamente da luta para garantir a expansão da educação pública, gratuita e de qualidade visando à universalidade do acesso, como uma instituição de ‘não-mercado’ voltada para a formação crítica necessária à formação de profissionais capazes de se apropriar do pensamento científico, sujeitos ativos no processo de transformação social, sem deixar de lado a formação profissional em si.

Pastor Everaldo: Não há como fugir da lei de oferta e demanda, e a massificação de um determinado produto ou serviço tende a torná-lo padronizado e de menor qualidade. No entanto, podemos contornar essa tendência com a criação de planos de metas e meritocracia na sua gestão, além do estímulo à presença das famílias dos estudantes na escola, fiscalizando a gestão de ensino dos seus filhos, entre outras medidas relevantes. O aumento da prestação do serviço educacional técnico é um compromisso da nossa campanha firmado no nosso plano de governo.

Direito de imagem Reuters
Image caption O candidato do PSC, pastor Everaldo, promete reformas políticas, legislativas e administrativas que garantam a máxima ampliação de empregos.

Zé Maria: Aumentar o número de vagas e escolas é uma necessidade urgente que precisa ser feito elevando os investimentos em educação e estatizando o ensino privado. Se aumentar as vagas através de canetadas para capitalizar nas eleições, como vemos muitas vezes, a qualidade vai piorar. O PSTU defende que seja investido o equivalente a 10% do PIB exclusivamente em educação pública, imediatamente.

Leia também na BBC Brasil: Ex-entregador de folhetos vê curso técnico como escada para medicina

4 - Dois leitores da BBC Brasil, Clau Pirath e Felipe César Oliveira, fizeram, via Facebook, perguntas na mesma linha. Ambos querem saber como o próximo presidente pode assegurar que técnicos já formados conseguirão empregos, como garantir que haverá vagas para todos.

Aécio Neves: Vamos revitalizar a economia brasileira, fazer com que o Brasil volte a crescer, incentivando obras de infraestrutura que serão feitas por meio de parcerias público-privadas. Esses investimentos farão com que o Brasil se torne um país mais competitivo, fazendo com que o setor produtivo cresça e empregue mais.

Eduardo Jorge: Uma de nossas propostas é reduzir a jornada de trabalho sem reduzir o salário. Isso propiciará que mais brasileiros tenham oportunidade de trabalho e também mais tempo para suas famílias. Propomos reduzir a jornada de trabalho para 40 horas semanais e começar uma transição para chegarmos a 30 horas semanais – trabalharmos menos para que todos trabalhem – sem redução salarial. O impacto positivo sobre a vida é imediato.

Direito de imagem Divulgacao
Image caption O candidato do PSTU, Zé Maria, promete mudar a política econômica atual que, em sua visão, privilegia bancos.

Eymael: Obsessão pelo desenvolvimento tem que ser ao principal meta do próximo Presidente da República. Assim, gerar crescimento e, consequentemente, assegurar empregos para uma juventude ávida pelo seu futuro é ponto de honra em nosso plano de governo.

Luciana Genro: Em primeiro lugar, defender o emprego. Por outro lado, como política mais geral, vemos como essencial a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de salário para ampliar o emprego, limitando ao mesmo tempo a realização de jornada de trabalho extraordinária, a adoção da Convenção 158 da OIT e o fim da rotatividade no emprego. Concomitantemente, com a revisão da política de endividamento público, também os bancos se verão na obrigação de emprestar ao setor produtivo e às pessoas a juros baixos.

Marina Silva: A melhor receita para gerar empregos é promover o crescimento econômico. Criar um ambiente que favoreça os investidores a voltar a investir no Brasil é nosso compromisso com o país.

Mauro Iasi: A ampliação da oferta de empregos aos trabalhadores brasileiros depende de um conjunto de medidas urgentes e necessárias: redução da jornada de trabalho; moratória da dívida pública; investimento prioritário na Educação, Saúde e Moradia; reestatização das empresas privatizadas nos últimos governos; estatização de setores econômicos fundamentais como a mineração, a produção e distribuição de energia, os transportes essenciais, as siderúrgicas, a construção naval e de aviões, a indústria de bens de capital em setores chaves, etc.

Pastor Everaldo: Um governo nunca tem como garantir que fornecerá empregos para todos, e os únicos que garantiram isso ao longo da história trouxeram como custo uma máquina burocratizada, violenta e corrupta. Mas podemos garantir que apresentaremos reformas políticas, legislativas e administrativas que garantam a máxima ampliação da oferta de empregos, através de medidas de desburocratização e apoio à criação de empresas, redução de tributos e incentivo à exportação de produtos e serviços brasileiros, entre outras medidas.

Zé Maria: Se mudarmos essa política econômica atual que privilegia os bancos e empresas e implementarmos uma política econômica voltada aos interesses dos trabalhadores e da grande maioria da população, vamos precisar formar mais técnicos em praticamente todas as áreas. A reforma agrária é uma necessidade premente e, para fazermos isso, não é só necessário expropriar o latifúndio e distribuir a terra. O governo tem que apoiar as famílias, tanto com crédito e subsídio quanto com apoio técnico especializado.

Direito de imagem Ag Brasil
Image caption A votação para a presidência da República acontece no próximo domingo, 5 de outubro