Mulheres avançam pouco no Congresso e perdem governos estaduais

thinkstock Direito de imagem Thinkstock
Image caption Mulheres serão apenas 10% dos deputados e 13,6% dos senadores no novo Congresso eleito para 2015

As três candidatas à Presidência da República receberam mais de 67 milhões de votos, o equivalente a 64,5% dos votos válidos na eleição de domingo.

Dilma Rousseff (PT), Marina Silva (PSB) e Luciana Genro (PSOL) ficaram respectivamente em primeiro, terceiro e quarto lugar, em uma disputa com mais oito homens.

O bom desempenho na corrida presidencial, no entanto, não se repete nos demais pleitos.

No caso do Congresso Nacional, os brasileiros elegeram apenas 51 deputadas federais mulheres, o que representa 9,9% dos 513 eleitos para a Câmara. O número representa apenas uma pequena melhora em relação a 2010 (45 eleitas). Dos 27 novos senadores, cinco (18,5%) são do sexo feminino. Com isso, serão 11 mulheres senadoras no próximo ano, ou 13,6% do total de 81.

Nas eleições para governador, as vitórias masculinas foram ainda mais predominantes. Entre os 13 eleitos no primeiro turno, nenhum é mulher.

Outros 14 governadores ainda serão escolhidos no segundo turno, mas apenas em Roraima há uma candidata na disputa.

E a única mulher ainda com chances de se tornar governadora é uma candidata de última hora que está concorrendo porque teve que substituir o marido, considerado "ficha suja" pela legislação eleitoral.

Suely Campos (PP) entrou na disputa em setembro deste ano, a menos de dois meses da eleição, depois que o candidato Neudo Campos (PP) teve o registro de candidatura negado duas vezes pelo Tribunal Regional Eleitoral de Roraima (TRE-RR).

É certo, portanto, que haverá uma redução no número de governadoras no próximo ano. Atualmente, há duas no cargo: Roseana Sarney (PMDB-MA) e Rosalba Ciarlini (DEM-RN). Nenhuma delas estava concorrendo dessa vez.

Cotas

Do total de 176 candidatos ao cargo de governador nesta eleição, apenas 11,4% eram mulheres.

A legislação atual exige que no mínimo 30% do total de candidatos aos cargos de deputado estadual e federal sejam do sexo feminino.

O número de eleitas, porém, não chega a esse percentual. Feministas ativistas e acadêmicas ouvidas pela BBC Brasil dizem que as candidaturas femininas recebem menos apoio dos partidos e, por isso, acabam sendo menos competitivas.

Direito de imagem AP
Image caption Mulheres são 52% dos eleitores do país, mas têm ainda espaço pequeno na política nacional

Proporcionalmente, a região Norte foi a que elegeu mais mulheres para a Câmara dos Deputados. Elas são 15 dos 65 deputados eleitos pelos Estados da região, ou seja, 23% do total. Já a região Sul é a que apresenta percentual mais baixo de deputadas federais eleitas (6,5%), seguida de perto pelo Nordeste (6,6%). Os índices para o Sudeste e o Centro-Oeste são, respectivamente, 9,5% e 9,8%.

No caso do Senado, a nova eleição aumentará a bancada feminina em apenas uma parlamentar. Dos 27 novos senadores, cinco são mulheres: Kátia Abreu (PMDB-TO) e Maria do Carmo Alves (DEM-SE) foram reeleitas. Duas atuais deputadas vão substituir senadoras. Rose de Freitas (PMDB-ES) entrará no lugar de Ana Rita (PT-ES), enquanto Fátima Bezerra (PT-RN) ocupará o posto de Ivonete Dantas (PMDB-RN).

A quinta eleita é Simone Tebet (PMDB-MS), que é filha de Ramez Tebet, senador de dois mandatos e presidente do Senado entre 2001 e 2003. Com isso, serão 11 mulheres no Senado, apenas 13,6% dos 81 senadores.

Clube do bolinha

"Candidatas como Marina e Dilma têm trajetórias extraordinárias e são a expressão máxima da exceção. São candidatas que têm forte apoio político, o que não acontece normalmente", observa a diretora do Instituto Patrícia Galvão, Jacira Melo.

"Há muitas mulheres que são lideranças em suas comunidades, mas esse tipo de liderança não é valorizada nos partidos. É o grupo do bolinha. Os convites para candidaturas são feitos em cima da hora apenas para cumprir cota", acrescenta.

A socióloga feminista Maria Betânia Ávila destaca a importância de já termos uma mulher na presidência para inspirar outras lideranças femininas. "Isso altera a percepção das mulheres. Mostra que a possibilidade existe, apesar da profunda desigualdade e discriminação da nossa sociedade".

Ela ressalta, porém, que isso não é suficiente para alavancar a participação da mulher na política porque "os partidos são profundamente patriarcais". A socióloga defende uma reforma política que amplie o espaço da mulher.

Sônia Coelho, coordenadora da Marcha Mundial das Mulheres, também considera fundamental essa reforma. Ela destaca a importância do financiamento público de campanhas, já que o financiamento privado tem favorecido os homens.

"As candidatas não têm acesso a financiamento e não conseguem concorrer em pé de igualdade", afirma.

Ela também defende o voto em lista para deputado, com alternância entre homens e mulheres. Nesse sistema, o eleitor vota no partido, que decide a ordem dos candidatos que serão eleitos.

Notícias relacionadas