Mulher que esteve com suspeito de ebola diz que ficou em 'pânico'

Crédito: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Surto de ebola é o pior da história e já matou quase 4 mil pessoas

A autônoma Bruna Rezende, de 24 anos, ficou em pânico com a suspeita de ebola no Paraná. Na manhã de quinta-feira, ela esteve na mesma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Cascavel onde foi atendido um paciente com suspeita de ter contraído o vírus.

Leia mais: Entenda o que é o ebola e como ocorre o contágio

"Quando eu fiquei sabendo (da suspeita), fiquei em pânico. Eu e meus pais sentamos do lado do rapaz, bem perto mesmo, porque a UPA é pequena. Fiquei nervosa principalmente por causa do meu pai, que foi tratado lá", disse Bruna à BBC Brasil.

Direito de imagem Arquivo pessoal
Image caption Segundo secretaria, Bruna não corre risco

Ela conta que saiu da unidade por volta das 12h15, pouco depois que o homem, que tem 47 anos e é da Guiné, chegou ao local. Ela diz que havia cerca de 50 pessoas na sala de espera.

A UPA foi fechada por volta das 18h30, e quem estava no local não pôde sair.

A Secretaria de Saúde do Paraná diz que a medida foi preventiva e que as pessoas que, assim como Bruna, passaram pela unidade de saúde antes disso, não correm risco de contaminação, já que estiveram no mesmo ambiente que o paciente por pouco tempo.

Os pacientes que ficaram no hospital tomaram banho e receberam roupas novas antes de serem liberados.

O ebola é transmitido por contato com fluidos corporais como sangue, vômito e fezes. O paciente com suspeita de contaminação não estava vomitando ou com hemorragia quando chegou à UPA, mas somente em estado febril.

Segundo Bruna, ele não tossia e aparentemente estava bem de saúde.

Leia mais: Vírus do ebola chegou à Europa em garrafa térmica em 1976

Suspeita

O homem procurou o hospital após ter tido febre na quarta-feira e na quinta-feira de manhã. Ele chegou ao Brasil no dia 19 de setembro, pelo Marrocos. Como os sintomas do ebola podem aparecer até 21 dias após a contaminação, ele foi isolado de forma preventiva.

Segundo Bruna, o homem estava acompanhado por um rapaz mais jovem e recebeu um atendimento inicial rapidamente. "Nos chamou a atenção porque vimos que ele foi atendido antes de muita gente. Acredito que isso aconteceu porque, na triagem, ele contou de onde ele vinha", disse.

Leia mais: Em dez segundos, veja como o ebola age no corpo humano

"Ele foi atendido depois de uma meia hora esperando. Depois que ele entrou, vi apenas o rapaz que estava com ele sair do consultório e voltar para a sala de espera. Pelo que vi, ele ficou lá."

Ela conta que a princípio achou que os dois eram do Haiti, já que Cascavel abriga muitos haitianos em busca de emprego.

O marido de Bruna, Lucas Dias Rezende, que levou a mulher e os sogros à UPA, disse que ele e sua família estavam muito preocupados, porque não sabiam o que fazer quando souberam da suspeita. "Quando vi na TV a notícia, fiquei em pânico. A gente costuma tomar banho depois de passar no hospital, mas não sabia o que fazer com as nossas roupas, por exemplo."

* Colaborou Luiza Bandeira, da BBC Brasil em Londres

Notícias relacionadas