Tiros são disparados no Parlamento, em memorial e em shopping no Canadá

AP Direito de imagem AP
Image caption O incidente ocorreu horas depois do país elevar o nível de risco de terrorismo de baixo para médio

Vários tiros foram ouvidos dentro e fora do Parlamento do Canadá, na capital Ottawa, no leste do país, na manhã desta quarta-feira.

A polícia de Ottawa confirmou que também houve um tiroteio em um shopping center próximo deste área da cidade.

Testemunhas disseram ter visto um atirador realizando disparos com um rifle no Memorial de Guerra Nacional de Ottawa pouco antes das 10h do horário local.

Depois, ele correu em direção aos prédios do governo, onde mais tiros foram ouvidos.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Segundo disse o parlamentar Marc Garneau à BBC, há indícios de que havia mais de um atirador envolvido no tiroteio no Parlamento.

A emissora CBC também informa que a Polícia de Ottawa está em busca de múltiplos suspeitos.

Um guarda do Parlamento ficou ferido. O governo confirmou que um soldado que havia sido alvejado pelo atirador morreu.

Segundo uma mensagem publicada pelo diretor de comunicações do governo no Twitter, o premiê canadense, Stephen Harper, deixou a área em segurança.

Segundo a CBC e diversos parlamentares canadenses, o atirador foi morto, mas essa informação ainda não foi confirmada por autoridades.

Todos os edifícios do governo estão fechados e isolados, além de uma universidade próxima ao Parlamento.

Direito de imagem Reuters
Image caption A área do Parlamento foi isolada pela Polícia de Ottawa

Risco de atentado

O incidente ocorreu horas depois do país elevar seu nível de risco de terrorismo de baixo para médio.

Segundo autoridades, isso ocorreu porque foi detectado na internet um aumento de interações entre membros de grupos extremistas, como o Estado Islâmico e a Al-Qaeda.

Neste mês, o Canadá anunciou planos de se unir aos ataques aéreos liderados pelos Estados Unidos contra o "Estado Islâmico" no Iraque.

Um porta-voz do Ministério de Segurança Pública acrescentou que o nível de risco mais elevado "significava que um indivíduo ou um grupo no Canadá ou no exterior tinha a intenção e capacidade de cometer um ato terrorista".

Direito de imagem Reuters
Image caption Soldado foi morto nesta semana por um militante procurado pelas autoridades

Na segunda-feira, um muçulmano convertido foi morto pela Polícia da província de Quebec, também na região leste do Canadá, depois de bater deliberadamente em dois soldados, matando um deles e deixando o outro ferido.

O homem era um dos 90 militantes extremistas que estão sendo procurados pelas autoridades canadenses.

De acordo com o correspondente de segurança da BBC, Frank Gardner, nenhum grupo extremista assumiu a autoria dos atos desta quarta-feira até o momento.

"O Canadá não será vítima do terror nem será intimidado", disse o ministro de Emprego e Desenvolvimento Social, Jason Kenney, em sua conta no Twitter.

Notícias relacionadas