Andar de bicicleta causa impotência? Veja 5 mitos sobre o ciclismo

Ciclistas (Thinkstock) Direito de imagem Thinkstock
Image caption Número de pessoas que usa bicicleta como meio de transporte tem aumentado na América Latina

As bicicletas têm se multiplicado pelo mundo - e junto com elas as lendas sobre seus benefícios e desvantagens.

Nos Estados Unidos, por exemplo, o número de pessoas que usam bicicleta para ir ao trabalho cresceu 60% na última década, segundo dados do censo em junho.

Na América Latina, cidades como São Paulo, Cidade do México e Bogotá começaram a implantar sistemas de bicicletas públicas, ciclovias e ciclofaixas, numa tendência que se repete por todo o continente.

A BBC responde a cinco dos principais mitos que se espalham por fóruns de ciclistas na internet.

Emagrece?

Andar de bicicleta é uma atividade aeróbica, o tipo de exercício adequado a quem quer emagrecer. A questão é que a perda de peso depende de quantas calorias são perdidas e quantas são consumidas.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption A perda de peso varia de acordo com a velocidade e a dieta feita pelo ciclista

Um estudo divulgado pela publicação científica British Medical Journal revelou que homens e mulheres que chegam ao trabalho de maneira ativa (de bicicleta, correndo ou caminhando) possuem um índice de massa corporal e percentual de gordura corporal significativamente menor daqueles que usaram outra forma de transporte.

Leia mais: Ciclovias e nova cultura fizeram Sydney duplicar ciclistas em quatro anos

Uma pessoa que pesa 58kg, por exemplo, pode queimar entre 170 e 250 calorias se pedalar em um ritmo relaxado. Esse número pode chegar a mais de 400 se a velocidade for moderada, ou superior a 700 calorias se o ritmo for maior.

Ou seja, andar de bicicleta pode ajudar a perder peso, mas depende da velocidade e da dieta feita para complementar o desgaste físico.

Prejudica o sexo?

Fertilidade, impotência, dormência... Um dos maiores mitos em relação à bicicleta está nos efeitos na vida sexual dos usuários, tanto de mulheres como de homens.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Um dos maiores mitos em relação à bicicleta está sobre o impacto na vida sexual dos usuários

No caso das mulheres, há dois anos foi publicado um estudo que questionava se a posição na bicicleta poderia causar adomercimento e perda de sensibilidade na área genital.

O estudo da Escola de Medicina da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, referia-se à altura do guidão em relação ao assento. Se fosse menor, produzia uma pressão maior sobre o períneo e uma sensação menor no assoalho pélvico, entre o ânus e a vagina.

Mas pesquisadores explicaram que essa condição poderia ser alterada com uma mudança na posição do guidão, e que este havia sido um estudo pequeno, com um grupo reduzido de mulheres, e que seriam necessárias novas pesquisas com mulheres que usam a bicileta como meio de transporte.

Leia mais: Mar de bikes ilustra falta de vagas em paraíso de ciclistas

Em relação aos homens, há diversos estudos mostrando que o ciclismo pode causar distúrbios genitais e disfunção erétil. Mas as últimas pesquisas, em que foram analisados mais de 5 mil ciclistas, não encontraram associação com o tempo gasto na bicileta e infertilidade.

Ajuda a reduzir os níveis de poluição?

É evidente que o aumento do uso de bicicletas como meio de transporte reduz o uso de veículos nas cidades.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Uso maior de bicicletas diminui a poluição causada por veículos, mas os ciclistas podem inalar de 2 a 5 vezes mais partículas poluentes

No entanto, essa estatística não favorece diretamente os ciclistas - eles podem inalar de 2 a 5 vezes mais partículas poluentes do que aqueles que viajam de carro.

Estudos do pesquisador Luc Int Panis, do Instituto de Pesquisas Tecnológicas Flamengo, e do professor Jonathan Grigg, da Escola de Medicina de Londres, apontam que a causa é a rápida respiração profunda daqueles que andam de bicicleta.

Isso faz com que você respire mais partículas ultrafinas que estão no ar, que chegam a ser de centenas de milhares em um centímetro cúbico nas horas de maior tráfego.

É ruim para os joelhos?

Depende da posição. Especialistas recomendam que as pessoas pesquisem sobre o tamanho adequado e a postura correta sobre a bicicleta.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Especialistas dizem que usuários devem mesclar ciclismo com outros exercícios

A ação repetitiva de pedalar pode causar grande desconforto se o movimento não for fluído, o que se consegue ajustando o banco a uma altura adequada. Também é aconselhável começar a pedalar em um ritmo moderado e aumentar a intensidade gradualmente.

Andar de bicicleta é um exercício de baixo impacto e, por isso, é frequentemente recomendado no tratamento de reabilitação de pessoas que sofreram lesões. Mas especialistas em medicina esportiva recomendam mesclar o uso da bicicleta com outros tipos de maior impacto, como corrida.

O objetivo é desenvolver músculos diferentes e evitar problemas em outras partes do corpo, como articulações e ossos.

Com capacete ou sem capacete?

O medalhista olímpico britânico Chris Boardman divulgou sua lista de prioridades para ciclistas no qual excluiu o uso de capacete.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Uso do capacete gera debate acalorado entre ciclistas

"O problema que desanima as pessoas é que você está tão seguro em uma bicicleta como à pé. Estatisticamente, é mais seguro do que estar em seu próprio banheiro. Não há nada de errado com os capacetes, mas se apenas 0,5% das pessoas usam-no na Holanda, que é um dos países mais seguros, deve ser por uma razão", disse Boardman à BBC.

Esta posição gerou uma série de críticas e Boardman - que integra uma campanha do governo britânico para estimular o uso das bicicletas - defendeu sua posição, destacando mais os benefícios alcançados pelo exercício do que os riscos de não se usar o capacete.

No entanto, o Instituto de Seguros dos Estados Unidos para Segurança nas Estradas informou que a maioria das 722 mortes registradas entre ciclistas em 2012 foi de pessoas que não usavam capacetes.

Segundo o instituto, os capacetes também reduziram os riscos de lesões no cérebro em 85%.

Notícias relacionadas