Xeque árabe quer comprar fusca de Mujica por US$1 milhão

AP Direito de imagem AP
Image caption Por seu estilo de vida simples, Mujica já foi chamado de 'presidente mais pobre do mundo'

Um xeque árabe ofereceu US$1 milhão (o equivalente a R$2,5 milhões) para comprar o Fusca azul 1987 usado pelo presidente do Uruguai, José Mujica.

Mujica é conhecido por seus hábitos simples, entre eles dirigir ele próprio o modelo da Volkswagen.

O xeque fez a oferta enquanto Mujica participava de uma reunião de líderes em Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia.

Leia mais: Mujica legaliza maconha e diz que 'viver é experimentar'

Sua identidade não foi revelada e ele não foi o único a fazer uma oferta pelo carro do presidente uruguaio.

O embaixador do México no Uruguai, Felipe Enríquez, ofereceu dez caminhões em troca do veículo.

Diante do interesse gerado pela notícia, veiculada pelo jornal uruguaio Búsqueda, Mujica disse que aceitará uma das duas ofertas, mas não revelou qual.

'Sem apego'

Direito de imagem AFP
Image caption Mujica abriu mão da residência presidencial para seguir vivendo em um sítio

O presidente uruguaio explicou que tem dois Fuscas: um azul claro, o objeto de desejo do xeque, e um outro azul escuro.

O modelo azul claro foi um presente de amigos, porque o outro "estava meio velho", segundo Mujica.

"Não tenho apego a eles", disse ele ao site Subrayado.

No entanto, o mesmo não pode ser dito de sua cadela Manuela, segundo afirmou Mujica.

"Se me fazem uma oferta por ela, a coisa muda de figura", disse ele.

Leia mais: 'Estilo Mujica' marca campanhas na eleição presidencial no Uruguai

Mujica disse que, se vender seu fusca, aplicará o dinheiro no Plan Juntos, um programa do governo de construção de casas para os mais pobres.

Ele acredita que recebe as ofertas porque os seres humanos "têm fetiches e precisam de símbolos materiais".

Mujica está prestes a concluir seu governo e já foi chamado de "presidente mais pobre do mundo" devido a seu estilo de vida modesto.

Desde que assumiu a presidência, em 2010, ele continuou a dirigir seu velho Fusca e a viver em um sítio em Montevidéu, em vez de morar na residência oficial reservada aos presidentes do país.

Notícias relacionadas