Temas espinhosos desafiam Dilma no G20, dizem analistas

Credito: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Com economia fraca, analistas veem posição de Dilma no G20 como delicada

Em sua primeira viagem internacional desde a apertada vitória nas eleições de outubro, a presidente Dilma Rousseff passará por um teste de personalidade na reunião dos líderes dos principais países industrializados e emergentes do mundo, o G20, durante este fim de semana, em Brisbane (Austrália).

Além de chegar à Austrália num momento em que o Brasil lida com problemas internos significativos - em especial a desaceleração da economia -, Dilma terá que gerenciar expectativas ligadas tanto à pauta de discussões quanto a uma "saia justa" diplomática.

Enquanto o escândalo da Petrobras ainda repercute na mídia estrangeira, Dilma participará de uma reunião em que o combate à corrupção será um dos temas em destaque. Da presidente também se espera algum comentário sobre a crise provocada pela intervenção da Rússia na Ucrânia.

Analistas ouvidos pela BBC Brasil também acreditam que Brisbane dará à Dilma uma chance de sair da "sombra" do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cenário internacional.

"Dilma precisa demonstrar firmeza. Ainda não a vimos fazer declarações sobre posições importantes que o Brasil precisa tomar em relação aos problemas globais. É natural que tenha havido um certo silêncio por força das distrações domésticas, mas se existe um momento apropriado para ela mostrar suas intenções é agora", diz o cientista político canadense John Kirton, da Universidade de Toronto e diretor do G20 Research Group, rede de analistas especializados nas atividades do grupo.

Kirton acrescenta que não vê na presidente o mesmo comprometimento de Lula com o fórum global.

"Lula deixou uma marca no G20. Ele era um dos líderes mais amados e fez muito esforço para que o G20 se transformasse num foro mais relevante, passando também pelo trabalho que fez para os brasileiros. Dilma tem um perfil mais tecnocrático e deixou a impressão de que o G20 pode não ser o local mais adequado para seus talentos."

Economia com pés de barro

A pauta da reunião em Brisbane terá entre os pontos principais a proposta de adoção de medidas econômicas que nos próximos cinco anos garantam um aumento de 2% no Produto Interno Bruto (PIB) combinado dos membros do G20.

O compromisso seria bem-vindo para o Brasil, que segundo projeções de diversos organismos internacionais deverá registrar crescimento eoncômico inferior a 0,4% em 2014. Isto representaria o pior índice desde 2009, quando houve retração de 0,2%, influenciada pela crise financeira mundial.

Os analistas, porém, criticam a falta de maiores informações sobre as medidas econômicas que a presidente pretende implantar no segundo mandato. Um das variáveis é quem será o ocupante do Ministério da Fazenda - o atual titular da pasta, Guido Mantega, foi "demitido" pela presidente durante a campanha eleitoral.

Leia mais: Cinco desafios econômicos do novo governo

Direito de imagem Reuters
Image caption Substituto do ministro da Fazenda, Guido Mantega, ainda não foi anunciado

"Dilma está numa posição delicada por conta dos problemas domésticos. Sua vitória foi boa por uma questão de continuidade, mas é inegável que a presidente recebeu um mandato mais fraco", diz Irene Mia, chefe da Divisão de América Latina e Caribe da Economist Intelligence Unit.

"Depois de falar em corte de juros na campanha, o governo elevou as taxas. O Brasil ainda não disse como pretende lidar com a queda no crescimento e a alta da inflação."

Kirton também chama atenção para outro ponto ligado à participação brasileira no G20: o mais recente estudo de avaliação publicado por seu grupo mostra que o Brasil cumpriu apenas 66% das 281 metas estabelecidas no último encontro de líderes, em São Petersburgo (Rússia).

Se não representa uma diferença acentuada em relação à média geral dos países do grupo (de 71%), é uma queda acentuada em relação a 2011, quando o país exibiu 80% de cumprimento das metas.

"Um dos piores desempenhos do Brasil, por exemplo, foi na questão da redução dos custos para o envio internacional de dinheiro por imigrantes. A mensagem que isso passa é que o Brasil talvez não seja mais um defensor das nações mais pobres depois da saída de Lula", critica.

Leia mais: Dilma deixou a desejar no diálogo com a sociedade, diz ministro

Política delicada

Direito de imagem AFP
Image caption Em reunião com líderes mundiais, especialistas cobram posicionamento do Brasil sobre a crise entre Rússia e Ucrânia

Os dois especialistas veem também um desafio no campo da política internacional: o posicionamento em relação à questão ucraniana. Mais especificamente, a anexação de territórios ucranianos separatistas pró-Moscou por Vladimir Putin.

"Há uma grande expectativa sobre como os outros países do grupo dos BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) vão se pronunciar sobre os eventos na Ucrânia. O Brasil será questionado a responder se é mais fiel aos BRIC ou aos G20. E a resposta terá que vir de Dilma", afirma Kirton.

Mia não espera uma mudança radical de posição da presidente, cujos pronunciamentos em relação à crise na Ucrânia foram marcados pela cautela.

"A postura do Brasil tem sido marcada por um certo silêncio em relação à Rússia. E historicamente o Brasil defende os interesses do G20. A situação agora é diferente e será interessante ver como Dilma vai se posicionar."

Notícias relacionadas