Farc vão libertar general e outros quatro reféns, dizem mediadores

Crédito: AP Direito de imagem BBC World Service
Image caption Informação foi divulgada por representantes de Cuba e Noruega envolvidos em negociações de paz entre grupo guerrilheiro e governo colombiano

Cinco pessoas atualmente em poder das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), incluindo o general do Exército Rubén Darío Alzate, serão libertados o "mais breve possível", afirmaram nesta quarta-feira representantes de países encarregados das negociações de paz entre o grupo guerrilheiro e o governo colombiano.

"As partes chegaram a um acordo sobre as condições para a libertação", informaram em Havana os representantes de Cuba e Noruega. Eles condicionaram a soltura, no entanto, a algumas exigências, como a participação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha.

Além de Alzate e das duas pessoas capturadas junto com ele no departamento de Chocó (a advogada Gloria Urrego e o cabo Jorge Rodríguez), seriam soltos os soldados Tapela Paulo César Rivera e Andrés Díaz Franco Jhonatan, também sequestrados há alguns dias no departamento de Arauca.

O general Alzate foi raptado no último domingo durante uma viagem em que viajava como civil e sem escolta, em uma área rural nos arredores da capital do departamento de Quibdo Quibdo, no noroeste do país.

Por causa do sequestro, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, suspendeu as negociações de paz que vinham sendo realizadas com as Farc em Cuba.

Leia mais: Sequestro de general ameaça processo de paz na Colômbia?

Direito de imagem AFP
Image caption General Alzate havia sido sequestro no último domingo

Sem data específica

Segundo o correspondente da BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, na Colômbia, Arturo Wallace, as condições para a libertação dos reféns devem incluir a suspensão temporária de ações militares em algumas áreas de Choco e Arauca, a fim de facilitar a entrega dos reféns aos militares.

"Não foram mencionadas datas específicas, mas a libertação deve ocorrer ainda este fim de semana", afirmou Wallace.

"Esta é, sem dúvida, uma boa notícia para as famílias dos reféns, mas também para o processo de paz, que havia sido suspenso após o sequestro do general Alzate", acrescentou o jornalista.