São Paulo concentra metade dos casamentos gays do Brasil, diz IBGE

Crédito: Thinkstock Direito de imagem Thinkstock
Image caption Pela primeira vez, órgão analisou matrimônios entre pessoas do mesmo sexo; recasamentos aumentaram e divórcios diminuíram

Mulher, 35 anos, lésbica e casada em São Paulo. Segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), esse é o perfil típico do brasileiro que decidiu se casar no civil com outra pessoa do mesmo sexo no ano passado.

Foi a primeira vez que o órgão analisou casamentos homossexuais a partir de dados obtidos junto a cartórios de todo o país.

De acordo com a pesquisa Estatísticas de Registro Civil 2013, divulgada nesta terça-feira, foram realizados no ano passado 3.701 casamentos civis entre pessoas do mesmo sexo no país, dos quais 52% entre mulheres (1.926) e 48% (1.775) entre homens. O IBGE não contabiliza registros de união estável.

O Sudeste concentra a maior proporção de casamentos homossexuais (65,1%). São Paulo é o Estado onde houve a mais alta incidência desse tipo de enlace, com 80,8% do total da região e mais da metade do país (1.945 ou 52,5% do total nacional), seguido por Rio de Janeiro (211) e Minas Gerais (209), Santa Catarina (207) e Ceará (184).

A menor incidência foi observada no Acre, com apenas um único matrimônio homossexual (entre dois homens) no ano passado.

Já em relação à idade, os homens gays se casaram mais tarde do que as mulheres. Eles tinham em média 37 anos, contra 35 delas, informou o órgão.

Segundo o IBGE, houve predominância de casamentos entre pessoas solteiras, tanto entre casais masculinos (82,3%) quanto femininos (75,5%).

Leia mais: #SalaSocial: Expulsão de Burger King por beijo gay mobiliza redes sociais na Espanha

Legislação a favor

Em maio do ano passado, uma resolução do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou a todos os cartórios do país habilitar ou celebrar casamento civil entre homossexuais, além de converter união estável em casamento entre pessoas do mesmo sexo.

A determinação, sem possibilidade de recurso, foi tomada para uniformizar a interpretação sobre o tema, já que, na ocasião, nem todos os Estados reconheciam o casamento gay. Em São Paulo, a ordem já estava valendo desde fevereiro de 2013.

A determinação complementou o reconhecimento jurídico da união homoafetiva pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em maio de 2011, a partir da qual as relações entre pessoas de mesmo sexo foram equiparadas às uniões estáveis entre homens e mulheres.

"Depois dessas duas decisões, centenas casais homossexuais decidiram formalizar a união em cartório. A idade média do cônjuge, masculino (37 anos) ou feminino (35 anos), ao se casar também evidencia essa particularidade histórica. Muitos optaram pelo casamento civil para garantir ao parceiro ou à parceira os mesmos direitos dos casais heterossexuais, como transferência de bens e dependência no plano de saúde", afirmou à BBC Brasil o demógrafo Ennio Leite de Mello, do IBGE, um dos autores da pesquisa.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Sudeste concentra a maior proporção de casamentos homossexuais do país

Casamentos

Em 2013, de acordo com o IBGE, foram registrados mais de 1.052.477 de casamentos civis, alta de 1,1% em relação ao ano anterior.

Mais uma vez, os casamentos entre solteiros foram predominantes, mas a tendência vem diminuindo gradualmente: em 2003, do total de casamentos, 86,9% eram entre homens e mulheres solteiros; no ano passado, essa proporção caiu para 77%.

Por outro lado, subiram outros tipos de enlace, como mulheres solteiras com homens divorciados (de 5,8% para 9,4%) e de homens solteiros com mulheres divorciadas (2,8% para 5,8%).

Ainda de acordo com o IBGE, houve crescimento na proporção de recasamentos ─ ou seja, aqueles que casam, divorciam, e depois casam novamente ─ representando 23% do total das uniões formalizadas em 2013, contra 13,1% 2003.

O órgão também destacou que os brasileiros estão casando cada vez mais tarde. Em 2003, a idade média na data do casamento era de 28 anos para os homens e 25 anos para as mulheres. Dez anos depois, em 2013, foi de 30 anos para eles e 27 anos para elas.

Como resultado, as mulheres também estão tendo filhos mais velhas. No mesmo período, a proporção de nascimentos provenientes de mulheres com 20 a 24 anos diminuiu de 30,9% para 25,3%, enquanto que houve aumento de 14,5% para 19,4% entre aquelas de 30 a 34 anos.

"Isso é um reflexo do maior empoderamento da mulher, que hoje participa muito mais ativamente do mercado de trabalho, é mais independente e prioriza muitas vezes a carreira sobre a vontade de ter filhos", disse à BBC Brasil Cristiane Moutinho, gerente de estatísticas vitais e estimativas populacionais.

O IBGE alerta, contudo, que, apesar de a redução no número de nascimentos em mães de 15 a 19 anos (de 20% para 17,7%), o indicador permanece elevado.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Gays tem idade média na data do casamento maior do que heterossexuais, segundo IBGE

Divórcios

Na contramão dos casamentos, os divórcios mais uma vez caíram (4,9%). Em 2013, houve 16.679 divórcios a menos do que no ano anterior.

Segundo Mello, o menor número de divórcios pode ainda ser resultado da forte alta verificada em 2011, após a aprovação no ano anterior de uma lei que agilizou a separação dos casais brasileiros.

Houve queda também no tempo médio transcorrido entre a data do casamento e a sentença de divórcio de, em média, dois anos, entre 2008 e 2013.

No ano passado, acrescenta o IBGE, 86,3% dos divórcios concedidos no Brasil tiveram a responsabilidade dos filhos concedida às mulheres.

"A guarda compartilhada ainda é uma situação pouco observada no país, porém crescente, visto que o porcentual de divórcios que tiveram este desfecho no que diz respeito à guarda dos filhos menores foi de 6,8%", diz o levantamento.