Perfil: Sequestrador de Sydney se comparava a Julian Assange

Man Haron Monis (EPA) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Man Haron Monis havia sido condenado por mandar cartas ofensivas a familiares de soldados mortos

O homem que manteve cerca de 17 pessoas reféns por cerca de 17 horas em um café em Sydney foi identificado pela polícia australiana como Man Haron Monis, um autoproclamado clérigo muçulmano nascido no Irã que se refugiou na Austrália em 1996.

Monis foi morto - junto com outros dois reféns - durante a operação policial de resgate dentro do café.

Ele já era conhecido das autoridades do país e estava solto sob fiança, acusado de ter sido cúmplice no assassinato de sua ex-mulher.

Monis, 50 anos, também era acusado em mais de 40 casos de agressões e "indecência" sexual, relacionadas à época que ele supostamente atuou como um autoproclamado "curador espiritual" usando magia negra, segundo o jornal Sydney Morning Herald.

E, além disso, havia sido condenado a 300 horas de serviço comunitário pelo envio de cartas ofensivas e ameaçadoras a famílias de soldados australianos mortos em combate no Afeganistão.

Ação solitária

Durante a tomada de reféns no Lindt Cafe, em Martin Place, Sydney - que começou na manhã desta segunda (horário local) e só terminou à noite - há relatos de que uma de suas exigências tenha sido a de receber uma bandeira oficial do autodenominado "Estado Islâmico", grupo extremista que tenta controlar parte do Iraque e da Síria.

Leia mais: Polícia confirma morte de dois reféns e sequestrador em Sydney

No entanto, não há laços conhecidos entre Monis e grupos jihadistas. Analistas acreditam que ele provavelmente agia sozinho.

"Parece ter sido a ação de um ator solitário, talvez não muito bem planejada e preparada", disse à BBC Anne Aly, chefe do programa de pesquisa de contraterrorismo da Universidade Curtin, na Austrália.

Direito de imagem EPA
Image caption Suspeito foi morto durante operação policial de resgate

O serviço de monitoramento da BBC tampouco encontrou referências de apoiadores do Estado Islâmico associando sua causa à ação de Monis.

Nascido no Irã, Monis também era conhecido como xeque Haron e Mohammad Hassan Manteghi, escreveu em seu site que havia deixado de ser muçulmano xiita.

Ele negava as acusações criminais contra ele, alegando que elas tinham motivação política. E comparou as acusações de abuso sexual que recaíam sobre ele ao caso de Julian Assange, fundador do site de vazamento de documentos oficiais Wikileaks (Assange é réu em um caso de abuso sexual na Suécia, o qual nega).

O advogado Manny Conditsis, que representou Monis quando este foi acusado de cumplicidade na morte da ex-mulher, disse que Monis era um homem isolado.

Leia mais: Australianos criam campanha contra islamofobia no Twitter

"Sua ideologia é tão forte que ofuscava seu bom senso e sua objetividade", afirmou o advogado à emissora Australian Broadcasting Corp. "Foi algo aleatório, não um ato articulado de terrorismo. Trata-se de um indivíduo com problemas fazendo algo ultrajante."

Mais de 40 comunidades islâmicas australianas condenaram as ações de Monis, alegando que ele um indivíduo "que representa ninguém a não ser si mesmo".

Notícias relacionadas