'Os cubanos não têm sentimentos antiamericanos'

Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Anúncio de reaproximação teve reação positiva em Havana

Manifestações espontâneas de alegria, surpresa, entusiasmo e ceticismo. A maior mudança nas relações entre Estados Unidos e Cuba em mais de 50 anos causou reações apaixonadas na ilha.

A BBC Mundo, serviço em espanhol da BBC, pediu a autores do blog Voces desde Cuba (Vozes de Cuba) que relatassem como eles viveram na ilha o dia histórico em que os líderes dos dois países anunciaram a reaproximação.

Yuris Nórido: um dia histórico

Poucas vezes uma notícia surpreendeu tanto o povo cubano. Milhões de cidadãos foram à TV para ouvir o presidente Raúl Castro, ao meio-dia.

A imprensa nacional tinha acabado de anunciar o pronunciamento do líder, informando que o tema seria as relações com os Estados Unidos.

Mas muitos cubanos com acesso total à internet já sabiam muito mais: Alan Gross tinha sido libertado e - a maior surpresa - os três cubanos que seguiam presos nos EUA também deixariam a cadeia.

Os rumores se espalharam, apesar do silêncio inexplicável da mídia nacional. Felizmente, graças ao sinal aberto da Telesur, muitos espectadores puderam ouvir, além do discurso do presidente Castro, ao presidente Obama.

Leia mais: O que é o plano para a reaproximação entre EUA e Cuba

A reação foi imediata. Nas ruas de Havana, havia satisfação. Esse é o grande tema, que chama atenção de todos. Em táxis, pontos de ônibus, no trabalho, filas, parques...

Não é para menos: trata-se da mudança mais importante na política dos Estados Unidos em relação a Cuba nos últimos 50 anos, resultado de negociações entre os dois governos.

Ainda é cedo para se ter uma ideia clara das mudanças específicas que esta decisão vai promover.

Obama tomou decisões importantes que, obviamente, marcam uma mudança. Por exemplo: mais viagens entre os dois países e aumento da quantidade de dinheiro que pode ser enviado a partir do Estados Unidos são, sem dúvida, medidas que irão influenciar positivamente a vida de grande parte da população.

Há outros pontos importantes: a possível saída de Cuba da lista dos EUA de países que apoiam o terrorismo, uma inclusão que tem razões mais políticas do que práticas.

Direito de imagem AFP
Image caption Anúncio foi acompanhado por cubanos, e muitos foram surpreendidos

E o retorno a Cuba de Antonio Guerrero, Ramón Labañino e Gerardo Hernández marca o fim de uma mobilização nacional, que contou com demonstrações de solidariedade de todo o mundo.

A maioria das pessoas, agora, reagiu com alegria e esperança. Com o passar dos dias se descobrirá o real alcance das medidas, mas é possível sentir o otimismo.

Ao contrário do que pensam pessoas pouco informadas sobre a realidade da ilha, cubanos não têm sentimentos antiamericanos, apesar do longo enfrentamento entre os dois governos, desencontros, declarações oficiais e efeitos práticos de medidas econômicas.

As pessoas imaginavam que as relações entre os dois países mudariam para melhor, em algum momento. Poucos esperavam que, aparentemente, seria da noite para o dia.

Regina Coyula: libertações

Não deixei de ficar surpresa, mas também não fui pega desprevenida. Havia conversado sobre isso com amigos que me chamaram de louca, para quem (o americano libertado Alan) Gross e os três não eram moeda de troca, que sem direitos humanos não haveria relações.

Eu os respeitava, mas lembrei que política é preparada com ingredientes sutis que não aparecem nas notícias - muito menos nas notícias do Granma - mas havia indícios e foi por esses indícios que a notícia do ano me surpreendeu pouco.

Agora, com Gross nos EUA e os três em Cuba, começa a implementação das conversas. Não acho que todo mundo esteja feliz, seja dentro do governo ou na dissidência.

Leia mais: O americano que foi chave na reaproximação com Cuba

Mas a economia, como sabemos, é muito pragmática, os investidores americanos medem o risco em números e não em violações de direitos humanos.

Direito de imagem Reuters
Image caption Anúncio de Obama e Raúl pode pôr fim a hostilidades de mais de 50 países

O governo cubano, por sua vez, tem de normalizar as relações com seu vizinho do norte e aguarda ansioso por capital. A Zona Especial de Desenvolvimento Mariel (ZEDM) finalmente cumprirá a função para a qual foi concebida.

Caberá à sociedade civil aproveitar esta conjuntura indiscutivelmente favorável para aprofundar a luta para estabelecer um verdadeiro Estado de direito.

Já eu quero acreditar que o dia de 17 de dezembro de 2014 abre uma nova etapa na longa viagem de Cuba para inserir-se entre os países modernos e democráticos.

Alejandro Rodríguez: a grande mudança começou

Em Camagüey, uma das principais cidades da ilha, a notícia da progressão para o restabelecimento das relações diplomáticas e a troca de prisioneiros teve um efeito comparável aos acontecimentos mais importantes da história do país.

Nós cubanos não estamos acostumados às notícias e menos ainda às de alto impacto: houve, então, quem chorou e quem não acreditava.

Houve até mesmo pequenas manifestações espontâneas de alegria popular, um cenário pouco comum.

Leia mais: Normalização das relações no curto prazo é improvável

Embora nenhum dos anúncios signifique, de fato, o fim da política tradicional de Washington com Havana - o embargo - ou das tradicionais respostas de Havana, todos interpretaram o anúncio como o início do fim das hostilidades entre os dois países.

Isto é algo muito esperado por aqueles que nasceram no meio de uma antiga guerra que não pedimos nem queremos.

Ninguém sabe ao certo o que vai mudar a partir de agora para os cubanos, especialmente para os mais pobres, mas as pessoas sabem que uma grande mudança começou, que pode guiar Cuba para o século atual.

Notícias relacionadas