Indonésia: piloto pediu para elevar altitude de avião em último contato

Getty Direito de imagem Getty
Image caption Avião despareceu no último domingo em voo entre Surabaya e Cingapura

O piloto do voo QZ8501 da AirAsia pediu permissão para elevar a altitude do avião em seu último contato com o controle de tráfego aéreo, segundo autoridades da Indonésia.

Ele foi autorizado a realizar a manobra entre dois e três minutos depois, mas não respondeu.

Leia mais: Voo QZ8501: Como são as buscas pelo avião desaparecido

O Airbus A320-200 com 162 pessoas a bordo desapareceu no último domingo depois de deixar Surabaya em direção a Cingapura.

A Indonésia pediu a ajuda dos Estados Unidos nas buscas pela aeronave, que foram retomadas na manhã desta terça-feira no país.

Agora, os esforços cobrem uma área que vai muito além da rota original do avião.

Países da região do mar de Java, na Ásia, assim como os Estados Unidos, a França e a Austrália participam das buscas.

'Sem resposta'

Image caption Capitão do avião desaparecido tinha 20,5 mil horas de voo no currículo

Na segunda-feira à noite, a operadora estatal AirNav relevou a última comunicação feita pelo piloto do QZ8501 com o controle de tráfego aéreo do aeroporto de Surabaya.

O avião havia deixado a cidade às 5h35 do horário local no último domingo e era esperado às 8h30 em Cingapura.

Wisnu Darjono, diretor de segurança da AirNav, disse que o capitão Iriyanto, de 53 anos, pediu permissão para virar à esquerda para evitar uma tempestade às 6h12.

O pedido foi imediatamente aceito, e o avião mudou de rota.

Segundo a AirNav, o piloto pediu, então, para elevar do avião dos 9.800 metros de altitude em que se encontrava para 11.500 metros, mas não explicou o motivo.

Leia mais: Conheça a AirAsia, empresa de avião desaparecido com 162 pessoas na Indonésia

"Levamos de dois a três minutos para nos comunicarmos com Cingapura", disse Darjono.

"Mas, quando informamos o piloto que seu pedido havia sido aprovado, às 6h14, não recebemos resposta."

O desaparecimento do avião foi oficialmente declarado às 7h55 do horário local.

Não está claro o que ocorreu depois, mas um relatório sugere que aeronave pode ter tentado subir em meio à tempestade.

Ex-pilotos dizem que esta manobra poderia levar a uma redução da estabilidade do avião.

O capitão Iriyanto tinha uma experiência acumulada de mais de 20,5 mil horas de voo, das quais 7 mil foram realizadas na Ásia. O copiloto era o francês Remi Emmanuel Plesel.

Buscas

Direito de imagem AP
Image caption Parentes esperam por notícias de passageiros do voo da AirAsia

Dezenas de aviões e embarcações investigarão uma área que vai muito além da rota original do voo.

Bambang Soelistyo, diretor da agência de resgate e buscas da Indonésia, disse suspeitar que a aeronave caiu no mar, mas não exibiu provas disso.

A Força Aérea da Indonésia disse estar avaliando de um rastro de óleo encontrado próximo à ilha Belitung era causado por combustível de avião ou de um navio.

Austrália, França, Estados Unidos, Malásia e Cingapura se uniram aos esforços liderados pela Indonésia.

Leia mais: Relembre outros dez misteriosos desastres aéreos

O irmão de Intan, de 28 anos, estava no voo QZ8501. Ela disse que esperava que a Indonésia pedisse ajuda para achar o avião.

"Não digam que temos tecnologia sofisticada. Apenas peçam auxílio a outros países que têm mais capacidade", ela afirmou à agência de notícias AFP.

O avião da AirAsia foi entregue à companhia em 2008 e voo 13,6 mil vezes, num total de 23 mil horas. Sua última manutenção foi feita em novembro.

As aeronaves da AirAsia ainda não tinham se envolvido em nenhum acidente fatal.

Notícias relacionadas