Impasse pode levar esquerda 'radical' a poder na Grécia

Alex Tsipras, líder da oposição grega Direito de imagem EPA
Image caption Jovem e carismático, Alex Tsipras fez da coalizão Syriza favorita para as eleições parlamentares de 25 de janeiro

Pela terceira vez, o Parlamento grego rejeitou a indicação do premiê, Antonis Samaras, à Presidência do país, provocando, assim, a convocação automática de novas eleições gerais para 25 de janeiro.

A perspectiva de novas eleições na Grécia causaram grande peocupação na União Europeia (UE) e entre investidores estrangeiros, dada a liderança, nas pesquisas de opinião, da frente de esquerda Syriza. O líder do partido, Alexis Tspiras, prometeu que "austeridade será história" se vencer a eleição.

O ministro das Finanças da Alemanha, Wolfgang Schaeuble, alertou que não havia alternativa ao plano de austeridade implementado pelo governo grego sob os auspícios da UE e do Fundo Monetário Internacional (FMI) para ajudar a reerguer a combalida economia do país.

Os juros pagos sobre títulos emitidos pelo governo subiram para 9% neste mês de dezembro, num sinal da incerteza dos investidores sobre o futuro da economia do país.

A Syriza cresceu no cenário político grego nos últimos dois anos justamente pela plataforma de oposição às medidas de austeridade impostas na Grécia.

Formada em 2004 e unindo grupos tão diversos como maoístas e verdes, a coalizão - cujo nome se traduz para Coalizão da Esquerda Radical - teve um desempenho eleitoral discreto nos seus primeiros anos de vida, nunca chegando a mais de 5% dos votos. Mas nas eleições parlamentares de 2012, arrebatou 27% e se consolidou com a segunda maior força política do país - atrás apenas do partido de centro-direita Nova Democracia, de Samaras.

Em maio de 2014, a Syriza foi a agremiação mais votada do país na escolha de deputados para o Parlamento Europeu e viu seu líder, Alexis Tsipras, consolidar sua posição de celebridade nacional.

Leia mais: Como o 'Robin Hood' da Grécia se tornou herói nacional

Aos 40 anos, Tsipras é um dos mais jovens líderes políticos da história grega. Com carisma e retórica confiante, ele tem convencido gregos mais céticos de que poderia ser uma alternativa viável - apesar da pecha de "radical" - no comando do país mais endividado da União Europeia.

Austeridade

Os pacotes de austeridade vinham sendo impostos desde 2010, quando o país esteve à beira da bancarrota. Após acordos de empréstimos do FMI e da UE , o governo anunciou cortes drásticos no orçamento público, congelamento de salários e a suspensão de bônus e horas extras.

Direito de imagem Reuters
Image caption Samaras viu na segunda-feira o parlamento grego recusar-se pela terceira vez a aceitar sua indicação para a presidência do país

A Syriza pegou carona no descontentamento popular, mas nos últimos meses ficou clara uma tentativa de adotar uma via mais moderada diante da possibilidade de a coalizão esquerdista chegar ao poder.

Leia mais: Grécia pode precisar de outros 10 bilhões de euros, diz ministro da Economia

Além de prometer manter a Grécia na zona do euro, a coalizão diz que não vai tomar decisões unilaterais no que diz respeito à dívida externa grega.

Direito de imagem AFP
Image caption Nos últimos anos, as medidas de austeridade provocaram insatisfação popular generalizada na Grécia

Mas Tsipras ao mesmo tempo já emitiu alertas e prometeu que os mercados também precisarão respeitar decisões de um eventual governo da Syriza. O líder também prometeu um aumento de gastos públicos e a reversão de algumas privatizações, além de revogar algumas leis de liberalização dos mercados aprovadas durante as negociações com o FMI e a UE.

"Os ricos e as elites têm motivos para ficarem preocupados", disse à BBC Nikos Samanidis, líder regional da Syriza na cidade de Tessalônica.

"Eles perderão seus privilégios. Nossa base eleitoral se expandiu, mas nossa natureza foi preservada por causa da crise. Nosso partido jamais perderá os laços com as ruas e com os movimentos sociais de onde veio".

Líder da Syriza desde 2008, Tsipras chama a atenção também por decisões como a de recusar a usar gravata - ele se elegeu deputado em 2009.

"A crise econômica e o colapso de partidos mais tradicionais na Grécia certamente ajudaram no crescimento da Syriza, mas foi Alex Tsipras quem realmente catapultou o partido. Ele é jovem e não tem medo. Pegou uma esquerda na defensiva e a transformou numa alternativa crível de governo", afirma o cientista político Christoforos Vernardakis, fundador do instituto de pesquisas VPRC.

Depois de batalhar publicamente pelo voto de desconfiança na administração de Samaras, a Syriza agora tem menos de um mês para convencer o eleitorado que é a melhor alternativa. E o lobby contrário não é fraco. Na semana passada, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, deu uma entrevista em que defendeu a manutenção do status quo político na Grécia.

Notícias relacionadas