Em protesto, polícia de NY faz 'rebelião silenciosa'

Credito: Reuters Direito de imagem Reuters
Image caption Número de detenções realizadas pela polícia de NY caiu 66% após mortes de agentes

A polícia de Nova York experimentou em dezembro uma queda significativa em suas ações, e está aparentemente em um conflito tão grande com o seu chefe, o prefeito Bill de Blasio, que alguns dizem que a cidade vive uma rebelião em sua única força de segurança armada.

Na semana de 22 de dezembro, as multas por infração de trânsito caíram 94% em relação ao mesmo período de 2013. Notificações para que pessoas comparecessem a tribunais por delitos menos graves, como estar intoxicado em vias públicas, caíram no mesmo percentual. Multas por estacionamento irregular caíram 92%, e as detenções, em geral, diminuíram 66%.

A ação dos policiais foi descrita como uma "greve virtual" pelo The New York Post, que apresentou pela primeira vez as estatísticas - mais tarde confirmadas de forma independente pela BBC.

A causa imediata da queda, segundo o jornal, foi o assassinato de dois policiais -Rafael Ramos e Wenjian Liu-, cometidos por um homem armado que havia dito nas redes sociais, no mesmo dia, que foi motivado pelo abuso policial em Nova York e em Ferguson, no Missouri - onde a morte de um jovem negro por um policial branco provocou protestos.

Mas outros fatores parecem desempenhar um papel importante na situação, incluindo as relações conturbadas com o prefeito.

Clima antipolícia

Dias antes da morte de Liu e Ramos, Di Blasio questionou a decisão de um júri de não indiciar um policial envolvido no caso de Eric Garner, que morreu sufocado por uma chave-de-braço de um policial que tentava controlá-lo - a polícia afirma que ele resistia à prisão. O caso ocorreu em julho.

Líderes sindicais da polícia acusam De Blasio de promover um clima "antipolícia" com seus comentários e de ter permitido protestos de rua não autorizados na sequência da decisão do júri sobre Garner.

Direito de imagem AP
Image caption Sindicato diz que prefeito promoveu clima 'antipolícia' que aumentou tensão com população

Desde a morte dos dois agentes, a polícia de NY diz ter investigado cerca de 70 ameaças contra policiais - dez pessoas foram presas.

Na semana passada, o New York Post citou fontes policiais que afirmaram que as preocupações de segurança foram a principal razão para a diminuição na atividade policial.

"Mas eles acrescentaram que alguns agentes estavam diminuindo o ritmo de trabalho em protesto contra a reação de De Blasio no caso Eric Garner", escreveu o Post.

Outro jornal diário da cidade, o New York Daily News, descobriu que, nas delegacias onde os agentes mortos trabalhavam, só foi emitida uma citação penal nos sete dias após o ataque - na semana anterios, haviam sido apresentadas 626.

Sem "janelas quebradas"

A queda acentuada na atividade das forças de segurança provocou um misto de preocupações e esperança.

Os críticos têm utilizado a oportunidade para atacar a "teoria das janelas quebradas", que sustenta que crimes de menor potencial ofensivo precisam ser punidos de forma exemplar como forma de prevenir a ocorrência de grandes infrações.

Isso tem sido um princípio fundamental da polícia de Nova York desde que Rudolph Giuliani tornou-se prefeito, em 1994, mas tem sido criticado por punições desproporcionais aplicadas a minorias.

Alguns especialistas se perguntam se, com a atual queda, as pessoas começarão a perceber que os anteriormente altos níveis de atividade policial são desnecessárias para manter a segurança da cidade.

Direito de imagem AP
Image caption Di Blasio foi recebido com vaias no funeral de um dos policiais, mas situação foi revertida

Muitos destacam uma frase em particular publicada pelo Post: a polícia agora "faz vista grossa para crimes menores e só prende quando realmente é necessário" - o que evidenciaria o excesso de zelo normalmente exercido pela força.

"Bem, só podemos esperar que sindicato da NYPD (sigla do departamento de polícia de Nova York) e De Blasio resolvam suas diferenças em breve para que a polícia possa voltar a prender pessoas por outros motivos além de "ser realmente necessário", ironiza Scott Shackford, da revista Reason.

Estilo latino

No The New York Daily News, Harry Siegel disse que, embora a NYPD tenha "verdadeiras razões para estar chateada" com os esforços de De Blasio para expor policiais a processos judiciais, não deveriam ter lançado "esta profundamente perturbadora e sem precedentes rebelião policial".

Siegel compara a queda na atividade policial a uma tentativa de extorsão.

Mas, com a queda da taxa de criminalidade em 2014 e as ruas aparentemente tranquilas, mesmo durante a (in)ação dos agentes, o tiro pode sair pela culatra.

"É difícil manter uma chantagem desse tipo quando as pessoas não se sentem ameaçadas. E Nova York fechou 2014 com números baixos de mortes, estupro, furto qualificado e roubo. Por mais de 20 anos, o crime caiu porque a polícia dobrou e redobrou seus esforços. Chega um momento em que a quimio é mais mortal do que o câncer ", escreveu Siegel.

Outros vão ainda mais longe, classificando o movimento da polícia de ameaça à democracia com reminiscências de golpe de Estado latino-americano.

"A NYPD precisa lembrar que há uma cadeia de comando e que ele não estão no topo. O que a cidade de Nova York está experimentando agora equivale a nada menos do que uma rebelião", escreveu Ben Domenech, em The Federalist.

Este sábado, houve uma pausa na richa com o prefeito quando policiais o saudaram respeitosamente no funeral de Liu, em contraste marcante com as vaias com as quais ele foi recebido na semana passada, quando participou da cerimônia de homenagem a Ramos.

Na véspera, o comissário de polícia William Bratton pediu aos soldados para não repetirem aquelas cenas e absterem-se de fazer declarações políticas no "funeral de um herói".

E, embora Bratton tenha dito que não estava dando "uma ordem" ou "ameaças de ação disciplinar", seu pedido parece ter restaurado a ordem da cadeia de comando, pelo menos temporariamente.