Al Qaeda e Estado Islâmico chamam de 'heróis' autores de ataque na França

Crédito: AFP Direito de imagem AP
Image caption Fundada por Osama Bin Laden (morto em 2011), al-Qaeda lembrou que líder já havia desafiado aqueles que satirizaram Maomé

A Al-Qaeda e o autoproclamado Estado Islâmico parabenizaram os autores do atentado contra o semanário satírico Charlie Hebdo, chamando-os de 'heróis'.

"Os heróis jihadistas mataram 12 jornalistas que trabalhavam para a revista francesa Charlie Hebdo e feriram mais de outras dez pessoas, para vingar o profeta Maomé", afirmou um comunicado lido na rádio do Estado Islâmico, al-Bayan.

O comunicado foi uma menção a uma charge publicada na revista, em 2006, que retratava o profeta. Segundo o Corão, o livro sagrado dos muçulmanos, é proibida qualquer representação de Maomé.

O braço norte-africano da Al-Qaeda também comemorou o ataque à redação da revista, segundo o SITE Intelligence Group, uma organização que monitora atividades de grupos jihadistas.

Segundo especialistas, a Al-Qaeda também lembrou que Osama Bin Laden, fundador do grupo radical, já havia desafiado aqueles que satirizaram o profeta.

Leia mais: Dinamarquês que satirizou Maomé vive sob proteção e diz: 'Não me arrependo'