Jihadista britânico que fingiu a própria morte admite crimes de 'terrorismo'

Direito de imagem Other
Image caption Imran Khawaja (centro) sempre aparecia mascarado nos vídeos

Um britânico que viajou à Síria para abraçar o extremismo islâmico e forjou sua própria morte para voltar em segredo à Europa admitiu sua culpa em quatro acusações de terrorismo no Reino Unido.

Segundo a polícia, Imran Khawaja, 27, do oeste de Londres, é um dos mais perigosos jihadistas britânicos a retornar do país árabe em guerra civil. Ele pode ser condenado à prisão perpétua, ainda que suas atividades na Síria continuem sendo um mistério.

Khawaja deixou o Reino Unido em janeiro do ano passado, usando o nome de Abu Daigham al-Britani. Após atravessar território curdo e chegar à zona de guerra síria, ele começou a postar vídeos e fotos de sua jihad pessoal.

Sempre mascarado, acabou virando um dos combatentes britânicos mais conhecidos online.

Em um dos vídeos, ele explica como um outro combatente estava de volta à batalha após levar um tiro, "graças à vontade de Alá".

Convocatórias

Khawaja era membro da Rayat al Tawheed, que significa Bandeira da Unidade. O grupo de combatentes, filiado ao grupo autodenominado "Estado Islâmico", incluía diversos cidadãos britânicos e passou mais de um ano passando mensagens convocatórias a simpatizantes e possíveis recrutas no país europeu.

Leia mais: Ameaça na Bélgica reflete mudança no perfil de jihadistas

O jihadista produziu campanhas por doações, diários em vídeo relatando seu cotidiano e "tours" dos quartéis-generais dos combatentes.

Shiraz Maher, do Centro Internacional de Estudos do Radicalismo (ICSR, na sigla em inglês), da universidade Kings College London, tem tentado identificar combatentes estrangeiros na Síria e no Iraque.

"O grupo do qual Khawaja fazia parte na Síria era bastante dinâmico", diz Maher.

"Eles claramente tinham pessoas com habilidades de programação (de computador) - conseguiam fazer propagandas bem produzidas e pôsteres que atraíam jovens muçulmanos britânicos. Eles conseguiram usar as mesmas âncoras culturais que essas pessoas conhecem. Falavam com eles como se fossem amigos. A Rayat al Tawheed ajudou muito nos estágios iniciais do conflito retratando a ideia do voluntariado ao jihadismo como algo glamouroso, aventureiro e nobre."

Mas a guerra da Rayat não era simplesmente nobre ou glamourosa. Parte de seu material online mostrava cenas aterrorizantes de morte. Uma delas mostrava as mãos ensanguentadas de um homem, com a legenda: "Minha primeira vez".

Outra imagem chocante incluía o próprio Imran Khawaja segurando uma sacola com uma cabeça dentro - supostamente de um soldado do Exército sírio.

Volta para casa

Direito de imagem Other
Image caption Em um dos vídeos, ele aparece carregando uma cabeça

Enquanto isso, o serviço secreto britânico MI5 observava Khawaja à distância. Até que, em junho passado, ele decidiu voltar para casa. O motivo por trás dessa decisão não está claro.

Seu primo, o taxista Tahir Bhatti, concordou em ajudá-lo no regresso, já que a família queria vê-lo em segurança.

Khawaja primeiro pediu ao primo uma arma e dinheiro; Bhatti não deu. Porém o primo - que admitiu o crime de ter auxiliado um criminoso - dirigiu para a Bulgária para buscar o parente.

O combatente começava a tentar encobrir seus passos. Khawaja fingiu sua própria morte com um obituário online, segundo o qual ele havia morrido em combate. O anúncio pedia a Alá que lhe concedesse a mais alta posição no paraíso.

Leia mais: Novos militantes seguem Al-Qaeda como 'torcedores', diz autor de livro

Ele tentou então retornar ao Reino Unido secretamente. Ambos foram pegos pela polícia ao chegar a Dover, na costa da Inglaterra.

"Imran Khawaja não é um adolescente vulnerável atraído para a Síria", disse Richard Walton, chefe da unidade de contraterrorismo da polícia de Londres.

"É um homem que escolheu o caminho do terrorismo, que escolheu ir à Síria para ser treinado em um campo terrorista. Não sabemos por que ele voltou nem o que planejava, mas sabemos como ele disfarçou sua entrada e fingiu sua própria morte. É um homem perigoso."

Imran Khawaja ficou detido em uma unidade especial para suspeitos de terrorismo na prisão de segurança máxima de Belmarsh, em Londres.

Ele admitiu quatro crimes: preparar atos de terrorismo, comparecer a treinamento para terrorismo, fazer treinamento para terrorismo e portar armas com propósito terrorista.

A admissão ocorreu no mês passado, mas só pôde ser divulgada pela imprensa nesta terça-feira, por ordem judicial. Sua sentença será anunciada no mês que vem.