BC europeu lança pacote para estimular economia; entenda

(EPA) Direito de imagem EPA
Image caption Objetivo do pacote de estímulo à economia do BCE é debelar deflação e recessão da zona do euro

O Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta quinta-feira um pacote de estímulos para a economia da zona do euro. O objetivo é evitar a deflação e a recessão do bloco.

Leia mais: Riqueza de 1% deve ultrapassar a dos outros 99% até 2016, alerta ONG

Ao contrário dos bancos centrais dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, o BCE vinha resistindo até agora a colocar em prática um programa de compra de títulos públicos. Esse processo é conhecido como quantitative easing, ou "afrouxamento quantitativo".

O que é o afrouxamento quantitativo?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption BCE espera turbinar consumo com novas medidas

Governos e bancos centrais de todo o mundo buscam o crescimento da economia de seus respectivos países. Mas isso tem de ser equilibrado, ou como dizem os economistas, "sustentável".

O país não pode crescer de forma desordenada a ponto de gerar inflação, com uma subida generalizada de preços, ou crescer muito pouco a ponto a ponto de gerar deflação, ou uma queda generalizada de preços. O objetivo é alcançar o padrão "Economia Cachinhos Dourados", ou seja, uma economia nem muito "quente" nem muito "fria".

Leia mais: Por que a desigualdade extrema prejudica os ricos?

Uma das principais ferramentas que governos e autoridades monetárias têm para controlar o crescimento é subir ou baixar juros. Quando eles estão baixos, incentivam pessoas e empresas a gastar dinheiro, em vez de poupá-lo.

Isso porque o crédito fica mais barato, facilitando a tomada de empréstimo, e, por consequência, a maior circulação de dinheiro na economia.

Mas, quando os juros estão muito baixos, próximos a zero, sem uma contrapartida no consumo, os bancos centrais precisam adotar táticas diferentes para estimular a economia – como injetar dinheiro diretamente no sistema.

Esse processo é conhecido como quantitative easing (QE) ou afrouxamento quantitativo.

Por esse mecanismo, o banco central compra ativos, normalmente títulos públicos, com o dinheiro que a própria autoridade monetária emitiu.

O banco central usa, então, esse "novo" dinheiro para comprar os títulos de investidores como bancos ou fundos de pensão, o que aumenta a liquidez do sistema financeiro, encorajando instituições financeiras a emprestar mais para empresas e indivíduos.

O objetivo é que, com mais dinheiro no bolso, empresas e indivíduos invistam e gastem mais, acelerando o crescimento da economia.

Por que a decisão do BCE só aconteceu agora?

O crescimento nos 19 países que formam atualmente a zona do euro perdeu força nos últimos meses, enquanto muitos deles já se encontram em recessão (quando há dois trimestres consecutivos de queda).

Além disso, a Europa está enfrentando o espectro da deflação – quando os preços caem – depois da inflação chegar perto de zero em dezembro.

Assim como a inflação, a deflação preocupa os economistas, porque pode se tornar rapidamente uma espiral difícil de ser domada.

O problema da deflação ocorre quando os consumidores acabam adiando as compras na esperança de que os preços continuem a cair, o que freia ainda mais o crescimento.

No início deste mês, o Banco Mundial alertou que a zona do euro corria o risco de cair em uma estagnação permanente.

A autoridade monetária vinha sendo pressionada já há algum tempo para tomar medidas, mas enfrentava resistência política intensa, da Alemanha em particular.

No entanto, o sentimento geral é de que uma ação do BCE não poderia mais ser adiada.

Outros bancos centrais já recorreram ao QE?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Banco Central do Japão já recorreu ao afrouxamento quantitativo

Tanto o Banco da Inglaterra quanto o o Banco Central dos Estados Unidos, o Federal Reserve (Fed), já recorreram ao afrouxamento quantitativo para estimular a economia logo após a crise financeira de 2008.

O mecanismo foi implementado pela primeira vez pelo banco central japonês para tentar encerrar um período de deflação após uma turbulência financeira de 1990.

Não existe consenso se a iniciativa teve o efeito esperado de estimular a economia japonesa.

O afrouxamento quantitativo já funcionou em outro lugar?

O Banco da Inglaterra calcula que os estimados 200 bilhões de libras (R$ 770 bilhões, em valores atuais) em títulos que comprou entre março e novembro de 2009 ajudou a elevar o crescimento econômico anual do Reino Unido em 1,5% a 2%.

Segundo a autoridade monetária, os efeitos do programa foram "economicamente significativos".

Nos Estados Unidos, quando o mecanismo foi implementado em 2008, o Fed comprou títulos públicos e privados no valor de US$ 3,7 trilhões (R$ 9,5 trilhões), aumentando em oito vezes o tamanho desses investimentos em seu portfólio.

O banco central americano informou em novembro que encerraria o programa de compra de ativos, porque suas metas de inflação e de redução da taxa de desemprego estavam em vias de ser alcançadas.

No entanto, persistem preocupações sobre o impacto a longo prazo da taxa de inflação americana, que está em níveis historicamente baixos.

Como o mecanismo funcionará na zona do euro?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Eleições na Grécia lançam dúvidas sobre futuro do euro

Ninguém ainda sabe, mas o efeito mais significativo da ação do BCE será trazer confiança aos mercados.

Com as eleições gregas no domingo, o programa de compra de títulos do banco central europeu elevará a confiança nos integrantes mais problemáticos do bloco e amortizará o impacto sobre outros países de uma possível derrocada da Grécia.

Depois de cinco anos de austeridade fiscal, muitos institutos de pesquisa dizem que os gregos devem rejeitar o corte de custos imposto pela União Europeia e votar no partido Coligação de Esquerda Radical, conhecido como Syriza, que se opõe ao pacote de contenção de despesas.

A ideia é de que se o BCE está comprando títulos de países como a Itália ─ assim como de outros membros mais fortes do bloco, como a Alemanha, por exemplo ─ investidores têm poucos motivos para se apressar a vender os títulos que detêm, mesmo se a situação econômica da Grécia piorar.

Quem sai perdendo?

O afrouxamento quantitativo eleva o valor dos títulos públicos e reduz a remuneração paga aos investidores.

Em outras palavras: os investidores terão de pagar mais dinheiro para obter o mesmo rendimento.

Notícias relacionadas