Eleição grega testa recuperação pós-crise

O líder do Syriza, Alexis Tsipras | Foto: AP Direito de imagem AP
Image caption Syriza, coalizão de esquerda, cresceu em popularidade, mas ainda não deve ter maioria no Parlamento

A Grécia vai às urnas neste domingo para uma eleição parlamentar que pode ter alterar a relação do país com a União Europeia.

O pleito, convocado pelo atual premiê, Antonis Samaras, depois de o Parlamento bloquear três vezes o nome de seu indicação para a Presidência grega, é visto por analistas como uma espécie de "referendo da austeridade".

E a julgar pelas pesquisas de opinião, uma parcela substancial dos gregos quer dar um basta às duras medidas econômicas impostas ao país por organismos internacionais como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a União Europeia (UE).

Leia mais: Impasse pode levar esquerda 'radical' a poder na Grécia

Um reflexo disso é o favoritismo, apontado pelas pesquisas, da coalizão de esquerda Syriza, que vinha crescendo em popularidade graças a um plataforma contrária ao programa de austeridade e que defende a renegociação do pacote negociado com o FMI e a UE.

As pesquisas, entretanto, indicam que a frente não vai obter maioria absoluta das cadeiras do Parlamento.

Como é a eleição grega?

Os 300 membros do Parlamento unicameral são eleitos por um sistema que combina maioria simples com representação proporcional. O partido com mais votos recebe 50 cadeiras como bônus, mas precisa de 151 para formar um governo de maioria.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Boa parte dos gregos rejeita medidas de austeridade impostas pelo FMI e pela UE

Para entrar no Parlamento, um partido precisa no mínimo de 3% dos votos válidos.

Leia mais: Conheça os dois líderes que dominam o cenário político na Grécia

A idade mínima para votar é 18 e mais de 9,8 milhões de gregos fazem parte do eleitorado. Apesar do grande número de gregos expatriados, quem mora fora do país não tem direito a voto.

Por que a economia domina a agenda?

A Grécia pediu empréstimos da ordem de 240 milhões de euros do FMI e da UE para salvar uma economia seriamente afetada pela crise econômica de 2008. Depois de seis anos de medidas de austeridade e uma severa recessão, o desemprego permanece alto (22,5%) e o índice chega a 50% entre gregos de 25 a 35 anos.

A criação de novos impostos complicou ainda mais a situação da classe média grega.

A Grécia pode sair da UE?

Apesar da plataforma anti-austeridade, o Syriza afirma que não defende uma saída da Grécia da União Europeia ou mesmo que o país deixe de usar a moeda única do bloco, o euro.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption A depender do resultado das eleições, Grécia pode ser obrigada a deixar a zona do euro

Porém, o líder do partido, Alexis Tsipras, de 40 anos, reafirmou nos últimos dias sua intenção de renegociar os termos da dívida grega e acabar com algumas medidas de austeridade - hipótese rejeitada por diversos líderes europeus.

Leia mais: Por que a Grécia volta a assustar a Europa?

A Grécia pode ser pressionada a deixar o euro se o Banco Central Europeu decidir não comprar títulos da dívida grega como parte de um programa de afrouxamento quantitativo (quantitative easing), sabendo que o próximo governo pensa em reestruturar a dívida.

Mas se o Syriza causa preocupação fora da Grécia, a visão do eleitorado doméstico é bem diferente. O partido tem registrado de 28% a 35% da preferência do eleitorado, enquanto o principal concorrente, a Nova Democracia, o partido do atual governo, conta com apoio variando entre 25% e 30%.

O Syriza vai conseguir formar um governo?

Mesmo que vença as eleições, é improvável que o partido consiga a maioria absoluta das cadeiras. Precisará formar uma coalizão.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Partidos menores podem unir forças com o Syriza para um possível governo

Diversos pequenos partidos poderiam se interessar em unir forças, incluindo o Pasok (socialista), de grande força política no passado mas que hoje está cotado para conseguir apenas 5% dos votos. O Pasok certamente exigiria de Tsipras garantias de uma renegociação da dívida grega.

O Movimento dos Socialistas Democráticos, uma dissidência do Pasok, é outra opção de parceiro.

Há também o To Potami (O Rio, em grego), partido de centro formado no ano passado pelo jornalista Stavros Theodorakis como uma alternativa à política partidária tradicional.

Embora seja de centro-direita e tenha pouco em comum ideologicamente com o Syriza, o partido Gregos Independentes, formado por ex-integrantes da Nova Democracia, também tem uma orientação anti-austeridade e poderia se aliar aos esquerdistas.

Quem mais poderá ser primeiro-ministro?

Direito de imagem BBC World Service
Image caption O atual premiê, Antonis Samaras, também terá dificuldade para formar um governo

O principal rival de Alex Tsipras é o atual premiê, Antonis Samaras. Mas sem o bônus de 50 cadeiras dado ao partido com a maioria dos votos, seria difícil para ele conseguir formar um governo.

Samaras defendeu a política econômica de seu governo como necessária para a recuperação do país. E tem apostado no receio entre parte da população de que o Syriza possa isolar o país do resto da Europa.

Notícias relacionadas