Menstruação – o último tabu das mulheres esportistas?

Heather Watson durante partida no Aberto da Austrália (Getty) Direito de imagem Getty
Image caption Tenista britânica disse que se sentiu mal durante partida do Aberto da Austrália

O impacto do ciclo menstrual no desempenho das atletas é o "último tabu" do esporte, opina a ex-tenista britânica (e ex-número 1 do país) Annabel Croft.

Ela declarou à BBC Radio 5 que as mulheres "sofrem em silêncio".

O comentário se referia à derrota, na primeira rodada do Aberto da Austrália, na terça-feira, da também britânica Heather Watson, que admitiu que não se sentiu bem durante a partida.

"Acho que é apenas uma dessas coisas que eu sinto, coisas de menina", disse Watson à BBC Sport.

Leia mais: 'Me sentia suja' - o tabu de menstruar na Índia

A jogadora de 22 anos contou que sentiu tontura, náusea e falta de energia na partida, que perdeu por 6-4 e 6-0 para a búlgara Tsvetana Pironkova.

Ela pediu ajuda médica no final do primeiro set e estava visivelmente abatida nos últimos sete games, vencidos por Pironkova.

Após a derrota, Watson afirmou que "se sente assim às vezes".

'Corajosa'

"Vou ao médico depois, para ver se há algo que eu possa fazer para me ajudar em momentos como este no futuro."

Leia mais: Londres 2012: Com controle hormonal, atletas do Brasil evitam TPM e menstruação nas Olimpíadas

Annabel Croft descreveu os comentários de Watson como "corajosos" e afirmou que as mulheres "se identificam totalmente" com esses sintomas.

"Os problemas mensais das mulheres são um dos temas que são varridos para baixo do tapete, um grande segredo. Para as mulheres, ter de lidar com eles já é difícil o bastante, mas tentar jogar um esporte de alto nível em um dos momentos mais cruciais do calendário (esportivo) é uma falta de sorte", afirmou a ex-atleta.

"Acho que as mulheres sofrem em silêncio quanto a isso. É um tema que sempre foi tabu."

Watson disputou o primeiro Grand Slam da temporada, em Melbourne, pouco depois de ter conquistado seu segundo título da WTA, na semana passada, e estando em 38º lugar no ranking feminino.

"É muito frustrante, especialmente no momento em que eu realmente quero toda a minha energia e estar em 100% (da forma)", disse Watson. "Mas acontece. É uma pena e uma droga."