Descoberta de Auschwitz foi surpresa, diz libertador ucraniano

Portão de Auschwitz Direito de imagem Getty
Image caption Estima-se que pelo menos 1,1 milhão de pessoas tenha morrido no campo de concentração de Auschwitz, libertado há 70 anos

Havia um cheiro tão forte que era impossível aturar por mais de cinco minutos. Meus soldados não conseguiam suportá-lo e me imploraram para que fôssemos embora. Mas tínhamos uma missão a cumprir".

Foi assim que Anatoly Shapiro, o primeiro oficial do Exército soviético a entrar em Auschwitz, o notório campo de concentração, descreveu suas primeiras impressões sobre o que encontrou em 27 de janeiro de 1945.

Há 70 anos, nos últimos estágios da Segunda Guerra Mundial, tropas soviéticas avançaram até Auschwitz-Birkenau, um complexo de campos de extermínio localizado em território polonês.

Direito de imagem Creative Commons
Image caption O major ucraniano Anatoly Shapiro liderou o pelotão do exército soviético que libertou Auschwitz, mas o que encontraram chocou

Shapiro, então com 32 anos, foi quem abriu os portões do campo principal. O batalhão que comandava libertou os primeiros 500 prisioneiros.

Leia mais: O judeu que recebeu uma oferta de emprego dos nazistas

Numa entrevista ao jornal New York Daily News em 2005, meses antes de sua morte, o oficial ucraniano e judeu descreveu o horror que presenciou.

Sobreviventes

"Não tínhamos a menor ideia da existência daquele campo. Nossos superiores não disseram coisa alguma sobre ele", disse Shapiro na entrevista ao jornal americano.

Direito de imagem AP
Image caption Cerca de 300 sobreviventes de Auschwitz compareceram a uma cerimônia para marcar o aniversário da libertação

"Entramos ao amanhecer de 27 de janeiro. Vimos algumas pessoas de pé em roupas listradas - eles não pareciam humanos. Eram pele e osso, somente esqueletos".

"Quando dissemos a eles que o Exército soviético os havia libertado, eles sequer reagiram. Não conseguiam falar ou mesmo mexer a cabeça".

"Não tinham calçados. Seus pé estavam envoltos em trapos. Era janeiro e a neve estava começando a derreter. Até hoje não sei como conseguiram sobreviver".

Mulheres e crianças

Numa outra entrevista, à Rádio Nacional de Israel, Shapiro forneceu mais detalhes sobre o que ele e seus homens encontraram nos alojamentos dos prisioneiros.

"Quando chegamos ao primeiro pavilhão, estava escrito que era para mulheres. Entramos e vimos uma cena horrível".

Direito de imagem US Holocaust Memorial Museum
Image caption Não há número oficial, mas se estima que apenas mil de 15 mil crianças enviadas a Auschwitz sobreviveram

"Mulheres desnudas e mortas jaziam perto da porta. Suas roupas tinham sido removidas pelas sobreviventes. Havia sangue e excrementos pelo chão".

Leia mais: Palcos de massacres viram destino popular de turistas

A história era semelhante nos alojamentos infantis.

"Havia apenas duas crianças vivas. E elas começaram a gritar 'Não somos judias! Não somos judias'. Elas eram judias, mas estavam com medo de serem levadas para as câmaras de gás. Nosso médicos as tiraram dos alojamentos para serem limpas e alimentadas".

Mortes acidentais

Mas Shapiro contou que as tentativas de ajudar os prisioneiros de Auschwitz nem sempre era bem sucedidas.

Direito de imagem AFP Getty
Image caption O major Shapiro disse que a existência do campo não havia sido comunicada às tropas

"Abrimos as cozinhas e preparamos refeições leves. Algumas das pessoas morreram porque seus estômagos não podiam mais funcionar normalmente".

"Estávamos furiosos e nossa ira estava especialmente voltada para os alemães (capturados durante a batalha na região de Auschwitz). Os soldados queriam matar todos. Tivemos que explicar que nem todos os alemães era fascistas e nem todos responsáveis pelas atrocidades cometidas pelos nazistas".

Escondendo provas

Shapiro também explicou que os alemães tinham destruído tudo conectado a experimentos com seres humanos que fizeram em Auschwitz. Incluindo pacientes.

"Em 18 de janeiro, os alemães reuniram todas as pessoas que conseguiram e as obrigaram a marchar nuas e famintas para um outro campo de concentração. Nossos serviços de inteligência estimaram que eram 10 mil pessoas. Nenhuma delas sobreviveu. Todas morreram na estrada".

Leia mais: Descendentes de vítimas do Holocausto repetem tatuagens de Auschwitz

"Vi os fornos e as máquinas de matar. As cinzas (dos mortos) eram espalhadas pelo vento".

"Se pudesse enviar uma mensagem para as próximas gerações, ela seria que não permitissem novamente o que aconteceu".

Acredita-se que um milhão e meio de pessoas morreram apenas em Auschwitz, executadas ou vitimadas por fome, doenças ou exaustão pelos trabalhos forçados.

Shapiro recebeu diversas condecorações durante a guerra e em 2006 ganhou uma homenagem póstuma quando o então presidente ucraniano, Viktor Yushenko, nomeou o ex-comandante com a mais alta honraria do país.

O oficial emigrou para os Estados Unidos em 1992.

Shapiro foi enterrado no cemitério judaico Beth Moses, nos arredores de Nova York.

Notícias relacionadas