Prefeito de Nova York rebate críticas sobre meganevasca que não ocorreu

(Reuters) Direito de imagem BBC World Service
Image caption Nevasca que atingiu Nova York foi menor do que prevista por especialistas

O prefeito de Nova York, Bill de Blasio, rebateu nesta terça-feira as críticas de que teria exagerado nas previsões sobre a proporção da meganevasca que atingiu o nordeste dos Estados Unidos.

"Nós fomos precavidos", disse de Blasio.

Nos últimos dois dias, diante da perspectiva de uma tempestade de neve classificada por autoridades como "a maior da história", moradores da cidade correram aos supermercados para estocar comida.

No entanto, a dimensão do fenômeno climático foi inferior à indicada pelos meteorologistas, que rebaixaram o nível de alerta. Uma proibição ao transporte também foi suspensa.

Já em outras cidades do nordeste dos Estados Unidos, como Massachusetts, a neve chegou a 60 cm, após fortes nevascas.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Maine foi um dos Estados americanos mais atingidos por tempestade de neve

Alertas foram mantidos para o litoral, de Long Island até o Estado americano do Maine.

Em entrevista à CNN, de Blasio afirmou: "Foi melhor se precaver do que depois se arrepender".

"Fizemos tudo o que foi necessário para manter todos seguros", acrescentou.

Os alertas para a cidade de Nova York e o Estado de Nova Jersey foram suspensos, e alguns transportes públicos voltaram a funcionar na metrópole.

Um adolescente morreu em um acidente com um trenó em Long Island, um das partes mais afetadas do Estado de Nova York.

Na segunda-feira, alguns Estados do nordeste americano declararam estado de emergência e meteorologistas previram até 90 cm de neve. Posteriormente, autoridades revisaram a previsão, mas os níveis de emergência foram mantidos.

Boston impôs uma proibição a viagens, e os sistemas de metrô de Nova York e Boston foram suspensos.

A maior tempestade de neve foi registrada em Connecticut e em Massachusetts, onde a neve chegou a 52 cm e 67 cm de altura, respectivamente, comparada a 13 cm no Central Park de Nova York.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Moradores aproveitaram para praticar esportes de neve após nevasca atingir Nova York

Milhares de pessoas estão sem energia elétrica em Massachusetts, segundo a imprensa local.

O National Weather Service (NWS, ou Serviço Meteorológico Nacional) ainda alerta sobre condições potencialmente fatais na costa de Nova Inglaterra, região que engloba seis Estados no extremo nordeste do país, à medida que a tempestade avança rumo ao norte para o Canadá.

"O vento está muito forte; é difícil de ver muito além da nossa janela", diz Christie Craigheard, moradora de New Hampshire, outra área fortemente afetada.

Em outros desdobramentos:

  • 7,5 mil voos foram cancelados na Costa Leste
  • Escolas permanecem fechadas
  • O transporte público deve voltar ao normal nesta quarta-feira em Nova York

'Vida ou morte'

Direito de imagem BBC World Service
Image caption No Estado americano do Massachusetts, neve chegou a 60 cm de altura

O NWS havia previamente alertado sobre a aproximação de uma "nevasca potencialmente histórica" no nordeste americano.

Mas a tempestade foi menos severa do que se esperava na manhã desta terça-feira.

Meteorologistas esperam que a neve e os ventos fortes continuem nesta terça-feira.

"Em áreas próximas à costa...os ventos devem chegar a 120 km/h", informou o NWS.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Cerca de 7,5 mil voos foram cancelados devido à tempestade de neve que atingiu nordeste dos Estados Unidos

O governador do Estado de Nova York, Andrew Cuomo, recomendou moradores a não viajar a menos que fosse estritamente necessário.

"As estradas ainda estão perigosas. Há gelo sob a neve em muitas áreas. Se você não tiver de viajar hoje (terça-feira), não viaje".

Em linha com a declaração de Cuomo, de Blasio pediu a moradores que ficassem fora do caminho dos 2,3 mil limpa-neves.

Proibições similares para veículos não-emergenciais foram implementadas em Connecticut e Massachusetts.