Líbia vive caos com 2 governos, 1.700 milícias e avanço do Estado Islâmico

Reuters Direito de imagem BBC World Service
Image caption As forças da coalizão Amanhecer controlam Trípoli

Em 2011, Muamar Khadafi, que governava a Líbia havia 42 anos, foi tirado do poder depois de um levante popular com a ajuda das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan).

Importantes líderes do Ocidente viajaram para a Líbia na ocasião e comemoraram o triunfo do que chamaram de "Líbia livre".

Hoje, o país do norte da África está longe da paz e marcado por longos conflitos: desde 2011 ocorrem confrontos e violência entre facções.

Na terça-feira, um ataque contra um hotel de luxo na capital, Trípoli, deixou nove mortos e 12 feridos, uma amostra da violência que prevalece no país.

Segundo testesmunhas, quatro ou cinco homens armados invadiram o hotel Corinthia, complexo usado por empresários, diplomatas, jornalistas estrangeiros e políticos líbios.

Os responsáveis pelo ataque teriam gritado "Deus é grande" enquanto disparavam suas armas no saguão do hotel contra civis e seguranças.

Leia mais: A revolução foi pior para a Líbia do que Khadafi?

Um grupo que se autodenomina Estado Islâmico da Província de Trípoli assumiu a responsabilidade pelo ataque em uma mensagem postada no Twitter.

Analistas viram o episódio com preocupação, temendo que ele seria um indício de que extremistas islâmicos, que já controlam grandes áreas da Síria e Iraque, estariam agora estendendo sua influência para o norte da África.

Dois governos

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Líderes ocidentais, como Sarkozy e Cameron, se apressaram para celebrar o novo governo da Líbia

O governo não reconhecido de Trípoli afirmou que o atentado foi uma tentativa de assassinar seu primeiro-ministro, que estava no hotel no momento do ataque.

A Líbia é governada por dois governos rivais - e tem dois primeiro-ministros.

"(A Líbia) Tem um primeiro-ministro que representa o governo reconhecido pela comunidade internacional, no leste do país. E tem outro primeiro-ministro, que acredito que estava no hotel na terça-feira, que não é reconhecido pela comunidade internacional e que governa no oeste, sob a bandeira (da coalizão) 'Amanhecer'", disse Ian Pannell, correspondente internacional da BBC.

O Amanhecer é uma coalizão de milícias islâmicas que, em agosto de 2014, tomou o aeroporto de Trípoli e proclamou seu próprio governo na capital.

Esta ação culminou cinco semanas de confrontos que eclodiram no bojo das eleições de junho de 2014. A coalizão não aceitou o resultado da votação.

Milícias

Enquanto isto, o Parlamento oficial, que se estabeleceu na cidade oriental de Tobruk, denunciou o ataque como ilegal, chamou a coalizão Amanhecer de "organização terrorista" e declarou um estado de guerra contra o grupo.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Khadafi governou a Líbia durante 42 anos e foi retirado do poder em 2011

E, desta forma, a Líbia está com dois governos rivais, um em Trípoli e outro em Tobruk, cada um lutando para ganhar o apoio das milhares de milícias que lutam no país e deixando como resultado um país profundamente dividido.

"Nada está sob controle. Este é o problema", disse o correspondente da BBC Farouk Chothia.

Leia mais: Documentário revela segredos mórbidos de Khadafi

"Há muitos grupos armados, uns 1,7 mil, com muitos objetivos diferentes. São milícias baseadas em cidades diferentes, cada uma lutando suas próprias batalhas", acrescentou.

"Durante o levante (de 2011) qualquer um que tivesse uma arma poderia exigir respeito. Hoje, alguns nem querem uma mudança no país. E parecem mais determinados do que nunca a impor sua vontade."

"Também há uma divisão ideológica: alguns são islamistas, outros separatistas e outros são liberais", afirmou o correspondente.

Segundo Chothia, as divisões regionais, éticas e locais "estão criando uma mistura venenosa e explosiva. Alguns temem que a Líbia mergulhará em uma guerra civil".

Estado Islâmico

O ataque de terça-feira aprofundou os temores de que movimentos islâmicos radicais como Estado Islâmico e Ansar al Sharia estão expandindo sua influência no norte da África.

Ansar al Sharia, que afirma ser a milícia islâmica mais perigosa do país, já controla a segunda cidade da Líbia, Bengasi.

E, segundo Farouk Chothia, há informações de que o grupo já fez alianças com o autodenominado Estado Islâmico.

"Alguns analistas dizem que o grupo inclui homens que participaram de combates na Síria, mas isto não foi confirmado", disse o correspondente.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Milhares de milícias estão espalhadas por muitas cidades da Líbia

"Também há outro grupo, o chamado Conselho da Shura de Jovens Islâmicos, a mais importante das milícias afiliadas ao Estado Islâmico na Líbia, que está baseado em Derna, na costa nordeste do país."

"Em outubro, seus membros declararam Derna a primeira cidade líbia que se unia ao califato global que o Estados Islâmico prometeu formar", afirmou Chothia.

Mohamed Eljarh, especialista líbio do Atlantic Council, um centro de estudos em Washington, acredita que a situação na Líbia mostra que a democracia nunca conseguiu se consolidar no país.

"Na Líbia existe uma crise de legitimidade e os únicos que estão dispostos a aceitar um processo democrático são os que estão ganhando. As pessoas vão aceitar um Estado de direito quando as leis estiverem a seu favor", disse à BBC o acadêmico - atualmente baseado em Tobruk.

Leia mais: Divisões e frustrações marcam a Líbia pós-revolução

"É por isso que temos dois governos lutando por legitimidade, temos dois Parlamentos e dois primeiro-ministros. Isto criou um espaço para que prosperem os grupos armados e para que tenham um papel cada vez mais influente."

O que é muito preocupante, é que há dois grupos terroristas, Estado Islâmico e Ansar al Sharia, e ambos estão se aproveitando da situação do país", acrescentou Eljarh.

Mediação

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Estima-se que existam cerca de 1,7 mil grupos armados no país, com objetivos diferentes

Em 2014, a ONU e a União Europeia lançaram um esforço de mediação com negociações de paz em Genebra, com poucos resultados até agora.

Os críticos afirmam que é um esforço "fraco e tardio" e responsabilizam o Ocidente por apoiar a revolução e "depois abandonar o país à sua própria sorte".

"Herdamos uma Líbia sem nenhuma instituição, sem Constituição, sem experiência sobre como administrar um país. E a comunidade internacional simplesmente se retirou", afirmou Guma El-Gamaty, que em 2011 foi coordenador do governo britânico no Conselho Nacional de Transição da Líbia.

"Isto foi um erro. Mas agora, terão de voltar, pois não podem mais ignorar a Líbia", acrescentou.