Exposição sobre raro ícone gay bate recorde de público na Turquia

Image caption Em mais de 40 anos de carreira, Muren compôs mais de 330 músicas e também foi uma estrela de cinema, participando de 18 filmes

Zeki Muren é talvez o nome mais conhecido da música turca dentro e fora de seu país.

Mas uma exposição em Istambul lança luz também sobre sua importância cultural como primeiro ícone gay da Turquia.

Ele chega a ser visto como herói, dado o conservadorismo da sociedade do país; foi comparado a David Bowie e Liberace por sua ousadia no palco.

Mas sua morte, em 1996, causou comoção nacional e dezenas de milhares de pessoas foram às ruas para seu funeral.

Intitulada "Zeki Muren, Aqui Estou", o mesmo nome do último grande hit do cantor, a exibição atraiu mais de 50 mil pessoas em menos de dois meses - um recorde para eventos deste tipo na mais famosa cidade turca.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo

Fotos e objetos ligados a memória de Muren, em especial as roupas que o próprio cantor desenhava, fazem parte da exposição.

Apesar do sucesso, Muren teve problemas com o conservadorismo na Turquia e por diversas vezes foi ameaçado pelos que não aprovavam sua identidade sexual ou seu vestuário mais espalhafatoso.

Leia mais: A arte homoerótica que desafiou o preconceito nos EUA

Image caption Muren enfrentou a ira dos setores mais conservadores da sociedade turca por conta de sua ousadia em canções e no vestuário
Image caption Em menos de dois meses, mais de 50 mil pessoas visitaram a exibição em Istambul