Número de novos casos de ebola sobe pela 1ª vez em 2015

(AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Pelo menos 9 mil pessoas ─ a imensa maioria na África Ocidental ─ já morreram na pior epidemia do vírus da história

O número de novos casos de ebola aumentou pela primeira vez desde o início do ano em todos os países da África Ocidental mais fortemente afetados pelo surto do vírus, informou nesta quarta-feira a OMS (Organização Mundial da Saúde).

A alta foi verificada na última semana de janeiro.

Segundo a OMS, Serra Leoa registrou 80 dos 124 novos casos da doença, a Guiné, 39, e a Libéria, cinco.

Pelo menos 9 mil pessoas já morreram vítimas de ebola desde dezembro de 2013.

Leia mais: 'Anjo dos órfãos' na Libéria, freira brasileira relata que ebola 'é pior que guerra'

David Nabarro, enviado especial da ONU para o ebola, afirmou que o pequeno incremento nos novos casos da doença é preocupante e serve como alerta de que o combate à epidemia não pode ser menosprezado.

"Estamos em um bom caminho, o número está caindo, mas temos de nos manter atentos porque ainda há focos de infecção", disse ele.

Há apenas uma semana, a OMS anunciou o balanço mais baixo de novos casos desde junho de 2014, criando esperanças de que um ponto de inflexão no combate à doença havia sido alcançado.

Mas, segundo a agência da ONU, a desconfiança da população sobre os agentes humanitários, especialmente na Guiné, e práticas locais pouco seguras ainda continuam a reduzir os esforços para conter o vírus.

De acordo com a OMS, 11 novos casos da doença teriam sido registrados por causa de um único enterro ocorrido no leste da Guiné, na fronteira com a Costa Rica, para onde uma equipe já foi destacada.

Em meio ao pior surto de ebola da história, os funerais tornaram-se um dos principais focos de contágio da doença, especialmente no momento em que amigos ou familiares tocam os corpos dos mortos.

A OMS enfatizou a necessidade de se aumentar os esforços no combate ao ebola antes do início do período de chuvas, entre abril e maio, quando as fortes tempestades podem bloquear estradas e dificultaram a locomoção de agentes de saúde.