Campanha levanta R$ 840 mil para ajudar operário que caminha 34km por dia para trabalhar

James Robertson (Foto: AP) Direito de imagem AP
Image caption Operário caminha 34 quilômetros para chegar ao trabalho e cumpre seus horários há 12 anos

Um operário americano que percorre diariamente 34 quilômetros a pé para ir ao trabalho e voltar para casa já recebeu mais de R$ 840 mil em doações, após sua história ser publicada em um jornal local.

James Robertson tem 56 anos de idade e trabalha em uma fábrica em Rochester Hills, um subúrbio de Detroit, no Estado de Michigan.

Leia mais: Vestida de preto, andarilha misteriosa intriga os Estados Unidos

Ele consegue fazer parte do trajeto de ônibus, mas tem de andar o resto do caminho que não é coberto pelo sistema de transporte.

Sua história foi publicada no domingo pelo jornal Detroit Free Press, que o apelidou de andarilho "olímpico" - o percurso de uma maratona olímpica é de 42 km. Desde então, as doações começaram a chover - houve até ofertas de carros.

Mas o salto veio quando Evan Leedy, um estudante universitário de 19 anos, criou um site de financiamento coletivo com o objetivo de arrecadar US$ 5 mil (R$ 13,7 mil) em quantias que podiam variar entre US$ 1 e US$ 100.

A iniciativa fez um sucesso tão estrondoso que, nesta sexta-feira, o valor levantado já superou US$ 305 mil (R$ 840 mil).

"Você está falando sério?", foi como reagiu Robertson ao ser informado pelo jornal do volume arrecadado só no primeiro dia (US$ 30 mil).

O operário se disse lisonjeado com a atenção e surpreso ao constatar que estranhos possam ser tão generosos.

Direito de imagem Evan Leedy
Image caption Evan Leedy criou site de financiamento para ajudar Robertson

Uma loja de veículos lhe ofereceu um carro novo, enquanto outros doadores ofereceram bicicletas ou se voluntariaram para levá-lo de carro ao trabalho.

Assiduidade padrão

Robertson começou a fazer sua caminhada diária para o trabalho, a fábrica Schain Mold e Engineering, onde atua como montador de carros, quando seu veículo parou de funcionar, há dez anos. Nunca se atrasou em 12 anos de serviço.

"Eu defino o padrão de assiduidade no trabalho com base neste homem", disse o gerente da fábrica, Todd Wilson. "Eu digo: se esse homem consegue chegar aqui, andando todas essas milhas debaixo de neve e chuva... veja, tenho pessoas que moram a dez minutos daqui que dizem que não conseguem chegar."

Leia mais: Corte Europeia rejeita pedido de andarilho britânico para caminhar nu

Ocasionalmente, um funcionário de banco, Blake Pollock, dá caronas a Robertson. Ele costumava passar de carro diariamente pelo operário e uma vez parou para perguntar o que ele estava fazendo.

Depois que o caso ficou famoso, Pollock ofereceu ajuda a Robertson para administrar as doações.

Um esquema federal criado recentemente daria a Robertson o direito de ser apanhado em casa e levado ao seu destino final por um ônibus do sistema de transporte público de Detroit.

Mas o operário recusa a oferta, e diz que prefere que o dinheiro seja usado para beneficiar outras pessoas.

"Preferia que eles aplicassem o dinheiro em um sistema de ônibus 24 horas por dia, não em um ônibus só para mim", disse ele ao Detroit Free Press.