Oscar politizado expõe temas quentes da sociedade americana

Patricia Arquette | Foto: AFP Direito de imagem AFP
Image caption Arquette reacendeu debate sobre desigualdade salarial após revelação de e-mails de executivos da Sony

Em uma noite sem grandes surpresas entre os ganhadores, a entrega do Oscar 2015 ficou marcada por discursos políticos de atrizes, atores e diretores.

Temas como desigualdade de gênero, desigualdade racial e o tratamento dado a imigrantes mexicanos nos Estados Unidos esquentaram a cerimônia e as redes sociais.

No que foi visto como principal momento da noite, a atriz Patricia Arquette, ganhadora do Oscar de "Melhor Atriz Coadjuvante" por Boyhood, fez um discurso pedindo a equiparação de direitos e de salários entre mulheres e homens.

"Para todas as mulheres que tiveram filhos, para cada uma das cidadãs e pagadoras de impostos desta nação, nós lutamos pelos direitos de todos. É o nosso momento de ter igualdade de direitos de uma vez por todas para as mulheres nos Estados Unidos" disse Arquette.

O discurso arrancou aplausos entusiasmados de celebridades como Meryl Streep e Jennifer Lopez e veio no momento em que Hollywood debate a representatividade feminina nas premiações e a diferença entre o que ganham atores e atrizes.

A controvérsia ganhou mais fôlego no final do ano passado, após o vazamento de e-mails de altos executivos do estúdio Sony, que revelaram que as atrizes Jennifer Lawrence e Amy Adams – ambas ganhadoras de Oscars – receberam uma porcentagem menor da bilheteria do filme Trapaça do que seus colegas do sexo masculino.

Após receber a estatueta, Arquette afirmou que "mesmo que às vezes nós acreditemos que aqui nos Estados Unidos os direitos sejam iguais, sob a superfície há muitas questões em jogo que afetam as mulheres".

"É chegada a hora de que todas as mulheres da América, todos os homens que amam mulheres, todos os gays e todos os negros pelos quais lutamos também lutem por nós."

O tema da equiparação de salários tem conquistado terreno em diversos países, encampado por instituições supranacionais como a Organização Internacional do Trabalho e o Fundo Monetário Internacional.

Leia mais: Mais escolarizadas, mulheres ainda ganham menos e têm dificuldades de subir na carreira

Leia mais: 830 milhões de mulheres não têm direitos garantidos no trabalho, diz OIT

'Somos mais que vestidos'

Chegando ao teatro Dolby, onde aconteceu a cerimônia do Oscar, a atriz Reese Witherspoon, indicada ao Oscar de melhor atriz por Livre, falou sobre a campanha #AskHerMore, que procura estimular jornalistas a fazer perguntas mais interessantes às atrizes, para além das questões sobre suas roupas e rituais de beleza.

"Essa campanha é para mostrar que nós somos mais do que os nossos vestidos", disse.

"Estamos muito felizes de poder estar aqui e falar sobre o trabalho que fazemos. É difícil ser uma mulher em Hollywood ou em qualquer indústria."

Leia mais: Atrizes se rebelam contra o machismo no tapete vermelho do Oscar 2015

Direito de imagem AFP
Image caption John Legend disse que batalha de Martin Luther King Jr. por direitos civis é atual nos EUA

A baixa representatividade dos negros na premiação também foi alvo da ironia do mestre de cerimônias Neil Patrick Harris.

"Hoje celebramos os melhores e mais brancos de Hollywood – opa, mais talentosos", disse.

Essa controvérsia começou logo com o anúncio dos indicados ao Oscar, em 15 de janeiro. Comentaristas criticaram o fato de que todos os 20 atores e atrizes indicados eram brancos, mesmo que o filme Selma, com elenco majoritariamente negro, tenha sido indicado à categoria principal, de melhor filme.

O filme venceu seu único Oscar na categoria 'Melhor Canção' com Glory, e os músicos Common e John Legend aproveitaram para destacar questão da desigualdade racial em seu discurso.

Selma trata da caminhada intermunicipal pelos direitos civis dos negros liderada por Martin Luther King Jr. em 1965. O ator britânico David Oyelowo, que interpreta Luther King Jr., foi uma das celebridades que choraram durante o apresentação da canção vencedora.

"Escrevemos essa canção para um filme baseado em eventos que aconteceram há 50 anos, mas dizemos que Selma é agora, porque a luta por justiça é agora", disse Legend ao receber a estatueta.

"Vivemos no país com a maior população carcerária do mundo. Há mais homens negros na prisão hoje do que vítimas da escravidão em 1850."

Falando à impresa, Legend afirmou que o encarceiramento afeta "desproporcionalmente" a negros e pardos no país. "Quando pensamos sobre igualdade, liberdade e justiça, sabemos que há muito trabalho a fazer."

O discurso de Legend também ganhou significado especial em meio a protestos contra as mortes recentes de jovens e adultos negros desarmados nos Estados Unidos e contra a violência policial contra negros no país.

Leia mais: Brancos e negros ainda vivem separados nos EUA?

Leia mais: 'Genocídio' de jovens negros é alvo de nova campanha da Anistia no Brasil

Discriminação

Direito de imagem AFP
Image caption Diretor disse esperar que nova geração de imigrantes mexicanos seja tratada com dignididade

Com o caso da violenta morte de um grupo de estudantes no México ainda fresco na memória, o diretor mexicano Alejandro Gonzalez Iñarritu, vencedor do Oscar por Birdman, dedicou seu prêmio aos mexicanos.

"Aos meus conterrâneos mexicanos, os que vivem no México, espero que possamos construir o governo que merecemos. E aos que vivem neste país, que são parte da mais nova geração de imigrantes, espero que possam ser tratados com a mesma dignidade e respeito dos que vieram antes e construíram essa grande nação de imigrantes", afirmou.

No final de 2014, o presidente americano Barack Obama também anunciou a maior reforma no sistema de imigração dos Estados Unidos, que pode legalizar cerca de cinco milhões de imigrantes e causou grande polêmica no país.

Leia mais: Obama desafia Congresso e anuncia ampla reforma de imigração

A discriminação contra homossexuais também foi tema de um dos discursos mais comentados da noite. Ao vencer o Oscar de melhor roteiro adaptado por O Jogo da Imitação, Graham Moore disse ter tentado suicídio aos 16 anos por "se sentir estranho".

"Eu quero dedicar este momento àquele garoto que não sente que pertence a lugar algum. Você se encaixa. Continue sendo estranho. Continue sendo diferente e, quando for a sua vez de subir nesse palco, passe a mesma mensagem adiante."

Direito de imagem Getty
Image caption "Tive 45 segundos da minha vida para estar na TV e queria dizer algo importante", afirmou roteirita de O Jogo da Imitação

Moore lembrou a perseguição a homossexuais que provocou o suicídio do matemático britânico Alan Turing, que ajudou a quebrar o código secreto militar alemão e acabou ajudando os aliados à vitória na Segunda Guerra Mundial, além de ter criado o que hoje se considera o primeiro modelo de computador.

Turing foi condenado por homossexualidade, segundo a lei britânica da época, e obrigado a submeter-se a um tratamento hormonal para a redução da libido. Ele cometeu suicídio em 1954, aos 41 anos.

"Alan Turing nunca pode subir a um palco como este e ver pessoas tão incrivelmente bonitas. E eu posso. Isso é a coisa mais injusta de que já ouvi falar", disse o roteirista.

Leia mais: Condenado por homossexualidade, homem que quebrou código nazista recebe perdão

Juliane Moore, escolhida "melhor atriz" por interpretar uma mulher vítima do Mal de Alzheimer em Para Sempre Alice, também afirmou que pacientes com a doença costumam ser "invisíveis".

"Muitas pessoas com essa doença se sentem isoladas e marginalizadas e uma das coisas maravilhosas do cinema é que ele nos faz sentir vistos, e não sozinhos. As pessoas com Alzheimer merecem ser vistas, para que possamos achar a cura", disse.