Animais usam truques para 'apimentar' sexo

Direito de imagem Getty
Image caption Certos machos de aranhas aprisionam as fêmeas com seda

Pode ser que ainda não tenhamos descoberto por que exatamente alguns animais fazem sexo ou se eles sentem prazer com a atividade. Mas as aventuras sexuais de algumas espécies poderiam deixar de cabelo em pé até os protagonistas de 50 Tons de Cinza.

Eis aqui uma lista de algumas das práticas sexuais pouco convencionais que já foram observadas na natureza.

'Bondage'

Se tivéssemos que apontar o animal que mais tem tendências a exibir um comportamento sadomasoquista, não haveria dúvidas de que as aranhas estariam na berlinda.

Essas criaturas já têm acesso facilitado ao material mais sexy usado para aprisionar alguém: a seda.

O comportamento de dominação típico de 'bondage' - prática que consiste em amarrar o parceiro - em aranhas da espécie Xysticus cristatus foi descrito pela primeira vez em 1958, pelo cientista W. S. Bristowe, em seu livro The World of Spiders.

Durante o ato sexual, o macho envolve o corpo da fêmea com seda, o que Bristowe chamou de “véu de noiva”.

A fêmea é amarrada a uma superfície, e após o acasalamento, é deixada presa. Ela é quem tem que se libertar sozinha, com uma certa facilidade, o que sugere que ela não resistiu ao ser dominada.

Leia mais: O mistério da homossexualidade em animais

Leia mais: Quem foram afinal os primeiros predadores na Terra?

Brinquedinhos sexuais

Direito de imagem Getty
Image caption Chimpanzés fazem ruídos com os dentes e as mãos para atrair fêmeas

Os chimpanzés são famosos por saberem manejar ferramentas, portanto não deveria ser uma surpresa o fato de também usarem alguns objetos para o sexo.

Os machos de uma colônia na Tanzânia foram observados rasgando folhas de plantas com os dentes com o propósito de atrair as fêmeas.

Eles seguram várias folhas pelo talo e as mordem, tira a tira. O som produzido atrai a atenção das fêmeas no cio.

Sexo oral

Direito de imagem Getty
Image caption Dupla de ursos pardos em cativeiro praticaram sexo oral por dez anos

Cientistas já notaram que vários mamíferos praticam o sexo oral e observaram que os morcegos frugívoros, em particular, se beneficiam de sessões prolongadas de felação.

Mas talvez o caso mais curioso já documentado tenha sido o de uma dupla de ursos pardos machos que viviam em cativeiro na Croácia e que foram flagrados fazendo sexo oral várias vezes ao dia, alternando sempre os papeis de estimulador e receptor.

Segundo os pesquisadores que estudaram esses ursos, como ambos eram órfãos, o comportamento pode ser atribuído a uma tentativa de encontrarem um substituto para os mamilos da mãe. Mas os cientistas também perceberam que o comportamento durou até os ursos terem pelo menos 10 anos, o que sugere que ambos sentiam prazer na atividade.

Leia mais: Qual ser vivo domina a Terra?

Travestismo

Direito de imagem Getty
Image caption Machos de certas aves se 'disfarçam' de fêmeas para acasalar ou para fugir de ataques

É muito comum encontrar fêmeas fingindo serem machos – e vice-versa – entre algumas espécies de peixes, répteis e insetos. Já entre as aves, esse comportamento é bastante raro.

É por isso que as duas únicas espécies de pássaros que gostam de se travestir pelo resto da vida são tão especiais.

O macho do combatente (Philomachus pugnax) foi o primeiro animal que se traveste de fêmea a ser documentado. Alguns deles adotam uma aparência de fêmea para se aproximarem mais das verdadeiras fêmeas e acasalarem.

Já o macho da águia-sapeira (Circus aeruginosus), quando está cuidando do ninho, também se “disfarça” de fêmea para evitar ser atacado por outros machos. Alguns desses machos também observam as verdadeiras fêmeas e se comportam como elas, algo que os cientistas ainda não conseguiram explicar.

Leia mais: Como identificar uma nova forma de vida

Pornografia

Direito de imagem Getty
Image caption Após assistirem vídeo de 'flerte' machos de esgana-gatos liberaram mais esperma

Outros cientistas ficaram surpresos ao descobrirem que os esgana-gatos machos (Gasterosteus aculeatus), uma espécie de peixe, ficam excitados ao assistirem a cenas de sexo.

Uma equipe da Universidade de Friburgo, na Alemanha, separou esses animais em dois grupos e exibiu um vídeo para cada um: o primeiro mostrava um peixe animado por computador cuidando da cria, e a outra animação mostrava peixes “flertando”.

Depois de alguns minutos, uma fêmea foi introduzida no tanque para cruzar com os machos. Os que assistiram ao filme “sexy” ejacularam mais esperma sobre os óvulos da fêmea do que os outros machos.

Em seu habitat natural, os esgana-gatos machos tentam “roubar” as fertilizações de outros machos. Os cientistas acreditam que imagens de flerte provocam uma reação competitiva nos peixes, o que aumenta suas chances de se tornarem pais.

Um estudo separado indicou que macacos rhesus são capazes de “pagar” para ver imagens de traseiros de fêmeas e até fotos de celebridades.

Sexo compulsivo

Direito de imagem Getty
Image caption Um pequeno roedor dos desertos africanos é capaz de acasalar mais de 200 vezes em duas horas

O macho do Meriones shawi, um pequeno roedor nativo dos desertos africanos, vale a menção simplesmente por ser o animal mais sexualmente ativo da natureza: ele é capaz de acasalar 224 vezes em apenas duas horas. Definitivamente, é de deixar Sr. Grey no chinelo.

Leia mais: Voo noturno de milhares de aves migratórias é filmado pela 1ª vez

Leia mais: Como é formado o cheiro da chuva?

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Earth.