Como a linguagem corporal ajuda na entrevista de emprego

Direito de imagem Thinkstock

Samuel Amegavisa está cada dia mais nervoso. Cursando o último ano de Biologia na Universidade de Cape Coast, em Gana, ele agora começa a se preocupar com as entrevistas de emprego que terá pela frente.

“A minha situação é bem simples: nunca fui a uma entrevista de trabalho”, contou o estudante de 23 anos à BBC Capital, fazendo, a seguir, uma pergunta básica, mas que escapa a muitos de nós: “Existe alguma maneira mais recomendável de se sentar antes e durante uma entrevista?”.

Enquanto todos nós sabemos o quanto é importante causar uma boa primeira impressão e investimos em um visual mais adequado, a maneira de se portar é bem menos conhecida.

Que mensagem será que uma pessoa transmite ao entrar pela porta, apertar as mãos e sentar-se? Três especialistas em linguagem corporal dão suas dicas sobre o que fazer – e o que evitar – durante uma entrevista de emprego.

Leia mais: Os segredos para manter seu emprego

Leia mais: Como resistir à tentação de comprar por impulso

Espaço pessoal

O primeiro contato entre um candidato e seu entrevistador é quase sempre um aperto de mão. E como a primeira impressão muitas vezes determina como o restante da entrevista vai caminhar, este é um dos primeiros e mais importantes elementos que deve funcionar, segundo David Alssema, especialista em linguagem corporal e instrutor da Paramount Training & Development em Perth, na Austrália.

“A empatia é construída em semelhanças, portanto o melhor é apertar a mão do entrevistador da mesma maneira como ele aperta a sua”, recomenda Alssema. “Usar a mesma intensidade de cumprimento mostra que você quer ser igual a ele. Já um aperto de mão muito forte pode sinalizar uma atitude de dominação em relação ao encontro.”

Não importa qual a nossa origem cultural, todos nós temos consciência ou, pelo menos alguma percepção inconsciente, de que temos quatro espaços bem definidos à nossa volta: a pública, a social, a pessoal e a íntima.

Para Nick Morgan, professor de oratória e autor do livro Power Cues: The Subtle Science of Leading Groups, Persuading Others and Maximizing Your Personal Impact (“Sinais de Poder: a Sutil Ciência de Liderar, Influenciar e Maximizar seu Impacto Pessoal”), é importante estar sintonizado com essa hierarquia espacial durante uma entrevista.

Leia mais: Como fazer uma apresentação impecável

“As coisas mais importantes que acontecem entre uma pessoa e outra acontecem no espaço pessoal e no espaço íntimo”, explica. “Como o espaço íntimo não está envolvido em uma entrevista de emprego, você precisa entrar no espaço pessoal do entrevistador se quiser que ele passe a vê-lo com bons olhos.”

Enquanto o aperto de mão nos coloca dentro desse espaço pessoal – e é por isso que o fazemos, segundo Morgan – a maneira como uma entrevista de emprego normalmente é montada nos coloca longe do entrevistador.

“Isso facilita que ele transmita sua mensagem, mas dificulta que o candidato deixe uma boa impressão”, afirma o especialista. “Por isso, procure maneiras de entrar taticamente no espaço pessoal do entrevistador”. Um exemplo: mova a sua cadeira um pouco para a frente, ou sente-se do mesmo lado que ele se houver uma mesa redonda.

Uma vez sentado, pense em outros jeitos de diminuir a distância: incline-se para a frente, mas não muito. “Tente fazer isso de maneira lenta e sutil, e não rapidamente ou desastradamente”, avisa Morgan. É um esforço que vale a pena, segundo ele.

“Aumentamos nossa confiança e nossa conexão com as pessoas quando fechamos a distância entre nós, ainda que ligeiramente.”

Leia mais: Os segredos para aprender um novo idioma (rapidamente)

Linguagem ‘aberta’

De acordo com Morgan, é fundamental manter uma linguagem corporal “aberta”.

É possível que o nervosismo natural provocado pela situação faça com que você cruze os braços ou aperte as mãos sem perceber.

“Esses gestos fazem a gente se sentir mais seguro e confortável, mas nos distanciam e desconectam dos outros”, afirma. “Além disso, são sinais de que você não está muito interessado no que o outro está dizendo”.

O contato visual é outro elemento importante. Alssema sugere tentar encarar o entrevistador a mesma quantidade de vezes que ele olhar para os olhos do candidato.

Se houver mais do que um entrevistador na sala, é importante distribuir esse contato visual de maneira igual para cada um. “Responda para cada pessoa individualmente mantendo contato visual com ela quando estiver falando”, diz o consultor.

“Olhar à sua volta pode ser um sinal de tédio, portanto evite”.

As pessoas frequentemente cometem o erro de achar que manter um bom contato visual é nunca tirar os olhos do entrevistador, mas isso também pode ser ruim, segundo Patti Wood, especialista em linguagem corporal e autora de SNAP Making the Most of First Impressions, Body Language and Charisma (“Snap - Como Melhorar Primeiras Impressões, Linguagem Corporal e Carisma”).

“É normal olhar para os lados de vez em quando, enquanto você fala, porque você está acessando informações em seu cérebro”, afirma ela. “Mas não se deixe distrair demais quando o entrevistador estiver falando. Depois de dar uma resposta, lembre-se de manter o contato visual e ouça o entrevistador. Isso sinaliza que você é sério e está envolvido na conversa”, diz Wood.

Leia mais: Como despertar seu espírito de liderança

Não se esqueça de respirar – fundo

Quando ficamos nervosos, começamos a respirar mais aceleradamente. E isso pode arruinar uma entrevista.

“Quando você respira rápida e superficialmente, reduz sua capacidade de pensar com clareza”, diz Wood. “Isso pode fazer você demorar mais e enrolar nas respostas.”

Por isso, tente respirar profundamente com o ar vindo desde a barriga. “Este é um dos segredos para se manter energizado, confiante e com a mente mais alerta”, afirma.

A dica da consultora é tentar adotar esse tipo de respiração toda vez que se sentir ansioso e, principalmente, antes da entrevista.

Leia mais: As vantagens de morar (bem) longe do trabalho

Leia mais: Quatro dicas para fazer seu currículo decolar

Clique aqui para ver outras matérias especiais de economia e negócios

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site da BBC Capital.