Como saber se empresas espiam seus e-mails

Thinkstock Direito de imagem Thinkstock
Image caption Emails "espiões" permitem que informações sobre usuários sejam repassadas a empresas

Eis uma dúvida frequente: meus e-mails estão sendo espionados?

A verdade é que muitos dos e-mails que recebemos reúnem informações sobre nossos hábitos, mesmo que não tenhamos dado nenhuma permissão ou sido informados disso.

Entre estes e-mails "espiões" estão mensagens publicitárias, boletins recebidos sem nunca terem sido solicitados e notificações de todo tipo.

Leia mais: Em nome da produtividade, empresas começam a banir e-mail

Leia mais: Dez truques para usar todo o potencial do seu Gmail

Como funciona?

Empresas como Yesware, Bananatag ou Streak são responsáveis pela gestão de relacionamentos com clientes de outras empresas. Atuam para fortalecer a relação com os atuais clientes ou expandir a base.

Você nunca deve ter ouvido falar delas, mas elas provavelmente sabem algo de você.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Procedimento não é ilegal, mas usuários reclamam de não terem conhecimento da prática

Uma das táticas que elas usam é o e-mail. As mensagens que enviam contêm uma imagem transparente para o usuário. Quando o e-mail é aberto, esta etiqueta envia ao servidor uma série de dados.

Basicamente, informam quando a mensagem foi aberta, por qual dispositivo, a que hora e local.

Os dados indicam a taxa de abertura das mensagens, informações para que o e-mail se adapte ao dispositivo, e sobre os melhores horários para que as mensagens sejam enviadas.

Com tudo isso, as empresas refinam ainda mais suas estratégias de marketing.

Leia mais: O e-mail está em vias de extinção?

É ilegal?

O procedimento é mais comum do que se imagina. Na verdade, o Google tem uma página na qual guia os anunciantes sobre o processo.

Portanto, está longe de ser ilegal.

Isso não quer dizer que não preocupe alguns e, em todo caso, é realizada sem o conhecimento ou consentimento de potenciais clientes.

Como evitar

Quando o engenheiro americano Sonny Tulyaganov soube dessa prática mais ou menos frequente, ficou surpreso.

Não tanto pela importância dos dados obtidos pelas empresas, mas porque as ações eram feitas sem que ele, como usuário, percebesse.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Programas de email têm opções para evitar o recebimento de spams

Tulyaganov, então, decidiu rastrear os rastreadores. E o resultado foi o Ugly Mail (Email feio, em tradução literal), uma extensão do navegador Chrome que permite saber quais e-mails recebidos são "bisbilhoteiros".

O sistema é simples: uma vez instalado, o código identifica e-mails que incluem as imagens transparentes de rastreio.

Estes e-mails aparecem na caixa marcados com o ícone de um olho. Assim, pelo menos, é possível saber que, ao abri-los, informações serão enviadas.

A ferramenta, no entanto, tem suas limitações. Funciona apenas para e-mails do Gmail e está disponível somente para o Chrome. Mas Tulyaganov anunciou estar trabalhando em versões para Safari e Firefox.

Leia mais: As primeiras frases enviadas por Twitter, e-mail e torpedo

Outras ferramentas

O Ugly Mail não é o único mecanismo para evitar a espionagem através de e-mails. O PixelBlock, outra extensão do Chrome, bloqueia diretamente as mensagens intrusas.

Apesar disso, a medida mais básica é manter ativos os filtros para e-mails indesejados.

Usuários de programas mais conhecidos, como Windows Live Mail, Microsoft Outlook, Thunderbird, Mail (para Mac) e Evolution (para Linux), contam com controles avançados contra spams.

O mesmo ocorre com os serviços do Hotmail, Yahoo, Gmail, entre outros.

Notícias relacionadas