5 curiosidades reveladas pelas cartas 'secretas' do príncipe Charles

Getty Direito de imagem Getty
Image caption Cartas revelam as principais preocupações do príncipe Charles

Após uma longa batalha na Justiça, iniciada pelo jornal britânico The Guardian em 2005, foram reveladas, nesta semana, as cartas que o príncipe Charles escrevia ao governo, dando sua opinião sobre vários assuntos ou pedindo apoio a causas que ele via como importantes.

A Justiça decidiu que o governo estava errado ao decidir vetar a liberação das cartas a imprensa.

As 27 cartas, escritas à mão, foram endereçadas a sete departamentos do governo entre 2004 e 2005, quando o país era governado pelos trabalhistas, comandados pelo premiê Tony Blair.

O governo pedia que as missivas fossem mantidas em segredo, argumentando que elas poderiam lançar dúvidas sobre a neutralidade política do futuro rei (uma expectativa que recai sobre os monarcas britânicos).

Veja abaixo algumas curiosidades sobre as cartas, conhecidas como "os memorandos da aranha negra" - uma brincadeira com a caligrafia do príncipe e a tinta preta de muitas das correspondências.

1 - O príncipe "antiquado"

Em uma das cartas Charles se descreve como alguém com "uma visão muito antiquada (!)", ao abordar o que vê como "deficiência no ensino de história e inglês", que ele mesmo teria identificado nos cursos oferecidos a professores pelo Prince's Teaching Institute (Instituto de Ensino do Príncipe).

Na carta, ao ex-ministro da Educação Charles Clarke, o príncipe diz ter se deparado com a visão "de que os professores não devem atuar como corpos de conhecimento", mas como "facilitadores" ou "treinadores", uma noção que, segundo Charles, seria "difícil de entender".

Leia mais: Cartas privadas de príncipe Charles são divulgadas após batalha legal

2 - Soldados sem recursos

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Os helicópteros britânicos Lynx estavam nas cartas de Charles para Tony Blair

Em outra carta, enviada ao então primeiro-ministro, o príncipe disse que o país estava pedindo às Forças Armadas para fazer um trabalho "desafiante" (se referindo aos soldados enviados a guerras no Iraque e Afeganistão), porém "sem os recursos necessários".

Charles se referia ao problema do mau funcionamento dos helicópteros britânicos Lynx, usados na guerra do Iraque e que não funcionavam bem nas altas temperaturas.

"Temo que este é só mais um exemplo de que pedimos às Forças Armadas para executar trabalhos extremamente desafiantes, particularmente no Iraque, sem os recursos necessários", escreve ele.

Um mês depois de receber a carta, Blair respondeu ao príncipe afirmando que achou suas afirmações "construtivas, um chamado à reflexão". Além disso, o ex-primeiro-ministro garantia que as limitações dos helicópteros tinham sido reconhecidas pelo Ministério da Defesa.

3 - Antártida, território britânico

Direito de imagem BBC World Service
Image caption O príncipe queria que a Grã-Bretanha ajudasse na conservação do legado de Shakleton e Scott

O príncipe Charles também queria que a ex-ministra da Cultura Tessa Jowell permitisse a liberação de fundos para serem usados na preservação de locais de valor histórico no território que a Grã-Bretanha reivindica na Antártida.

Depois de uma conversa com a primeira-ministra da Nova Zelândia, Helen Clark, em 2005, Charles queria que a Grã-Bretanha ajudasse na conservação das cabanas construídas pelos exploradores Ernest Shackleton e Robert Falcon Scott em suas expedições ao Polo Sul.

Mas as verbas do Departamento de Cultura, Meios de Comunicação e Esportes não podem ser usadas em outros países, por isso o príncipe escreveu que "havia algo chamado 'O Governo do Território Antártico Britânico' que devia significar que há algum território para ser 'governado'" naquela região.

Nesta carta, o príncipe pediu a aplicação de "um pouco de flexibilidade criativa na aplicação destas regras".

4 - Preocupação com peixes e albatrozes

Charles também mostrou preocupação com temas ambientais. Um exemplo é o "lobby" que fez pela merluza-negra, uma espécie de bacalhau de águas geladas, comum no Atlântico Sul, por que a falta da espécie poderia ameaçar aves marinhas como o albatroz.

Em uma carta enviada ao ministro do Meio Ambiente Elliot Morley em 21 de outubro de 2004, o príncipe elogia os esforços do governo para combater a "pirataria e a pesca ilegal".

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Charles se preocupa com a situação da merluza negra

"Particularmente espero que a pesca ilegal da merluza-negra esteja no topo de sua lista de prioridades porque, até que o comércio seja proibido, há poucas esperanças para os pobres albatrozes", escreveu.

5 - Supermercados X agricultores

Em fevereiro de 2005, Charles voltou a escrever para o então primeiro-ministro Tony Blair, para se queixar da "posição dominante" das grandes redes de supermercados britânicas e o efeito negativo disso sobre os preços, que afetariam pequenos produtores e agricultores locais.

Para ele, este é o "maior problema que afeta os agricultores e a segurança da cadeia alimentar".

Leia mais: Radicalização dos jovens é 'alarmante', diz príncipe Charles