Cientistas criam teste que revela uso de drogas a partir de impressões digitais

Foto: Thinkstock Direito de imagem THINKSTOCK

Cientistas britânicos aplicaram um método rápido e não-invasivo para revelar o uso de drogas: através da coleta das impressões digitais.

A análise detecta a presença de duas substâncias químicas produzidas no momento em que a cocaína é quebrada no corpo: a benzoilecgonina e a metilecgonina.

O estudo, de pesquisadores da Universidade de Surrey, foi detalhado na publicação científica Analyst, da Real Sociedade de Química britânica.

Segundo eles, o teste pode ser útil em prisões, clínicas para o tratamento de viciados e até verificações de rotina no ambiente de trabalho.

O método é muito mais difícil de trapacear que os atuais exames de saliva, urina e sangue, já que a identidade da pessoa testada está embutida na amostra.

Leia mais: 'Irei para o céu', disse brasileiro executado na Indonésia em encontro final

A grande dificuldade, porém, é o tamanho do equipamento necessário (equivalente ao de uma máquina de lavar) e o seu alto custo (quase R$ 1,9 milhão).

'Caçada' química

As duas substâncias químicas são produzidas quando a cocaína é quebrada pelo corpo, e podem ser liberadas em pequenas quantidades no suor, escrevem os cientistas.

Elas seriam deixadas no papel usado para coletar as digitais.

Leia mais: Acapulco: De paraíso tropical a inferno das drogas

Nos experimentos, cientistas examinaram essas amostras usando um espectrômetro de massa, que detecta substâncias a partir da medição de sua massa atômica e análise de sua estrutura química.

No artigo, a equipe sugere que os resultados são semelhantes aos de um exame de sangue convencional.

"Estes resultados oferecem oportunidades animadoras para o uso de digitais como novo meio de amostragem para detecção segura e não invasiva (de uso de drogas)", escreve a equipe.

"A técnica da espectometria de massa usada aqui oferece um alto grau de seletividade e usa apenas uma pequena área da impressão digital, permitindo repetição e maior volume de análises a partir de uma única amostra."

Leia mais: Maconha mais potente triplica risco de psicose, diz estudo

Prós e contras

A coautora da pesquisa, Melanie Bailey, professora de ciência forense e analítica da Universidade de Surrey, disse à BBC que o método pode ser uma boa alternativa em indústrias onde o teste de exame de drogas é rotineiro – por exemplo, atividades que envolvem direção e operação de maquinário pesado.

Apesar do tamanho e do custo do espectrômetro de massa, disse a acadêmica, existem produtos mais baratos no mercado, que "levantam a possibilidade animadora de um dia tornar este teste portável".

Para Bailey, o teste pode ser realizado em centros de reabiliTação de usuários de drogas e, se houver uma versão mais portável, até em postos de fronteira e operações de policiamento de estradas.