Poder, ostras e etnias: por que Washington está na moda

Direito de imagem Getty
Image caption Cerejeiras japonesas forram o National Mall e o Memorial Park na primavera

Houve um tempo em que Washington, a capital dos Estados Unidos, era uma cidade que ficava às moscas durante à noite – isso sem falar que era um dos lugares mais perigosos do país.

Poucos políticos ou executivos passeavam pela cidade depois do expediente, a não ser que morassem em bairros elegantes como Georgetown, Dupont Circle e Adams Morgan.

Duas décadas depois, "DC", como os americanos gostam de chamar sua capital, é um dos destinos recomendados pelo guia Lonely Planet para 2015, enquanto o jornal The New York Times descreveu a cidade como "o novo Brooklyn", em referência ao bairro de Nova York que se tornou moda.

Washington está em pleno renascimento, conforme uma nova geração deixa os sonolentos subúrbios para encher o centro urbano de vida.

Leia mais: Por que Atlanta atrai as grandes corporações

Leia mais: O sombrio segredo para a felicidade no Butão

Epicentro mundial

Direito de imagem AP
Image caption Casa Branca é um dos símbolos da cidade, mas outros monumentos também valem a visita

A capital americana sempre atraiu pessoas viajando a trabalho, mas hoje em dia esse tipo de visitante é capaz de passar mais tempo na cidade. "É um lugar muito bonito, com espaço, uma bela arquitetura, muitos parques e muitas árvores", descreve o empresário australiano Raj Patel, de 28 anos, que instalou ali uma start-up de telecomunicações. "Ela me lembra mais Sydney do que Nova York."

Apesar da gentrificação (como é conhecido o processo em que uma região ou bairro é valorizado - seja por reformas, obras ou pela localização - provocando aumento no preço de propriedades e alugueis e afetando a população de baixa renda local), Washington continua sendo o que sempre foi: um viveiro de funcionários federais bem-remunerados e políticos muitas vezes vistos com suspeita pelo americano comum.

É também o epicentro da política mundial, abrigando as sedes de instituições globais como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional.

Acrescente a essa mistura mais de 175 embaixadas, uma bem-sucedida indústria de convenções e várias grandes corporações, como a Pepco Holdings e o Carlyle Group, e fica fácil entender por que essa cidade de sonhadores e demagogos é um dos destinos de negócios mais movimentados da América do Norte.

Leia mais: As pistas de pouso mais radicais do mundo

Mistura de etnias

Direito de imagem Mark Johanson
Image caption Uma reluzente passarela liga as alas leste e oeste da National Gallery de Washington

Washington também é uma das cidades mais diversificadas em um país que já está bastante diversificado.

Dick Nabors, presidente da Associação de Viagens de Negócios de Baltimore e Washington, acredita que a mistura vibrante de etnias da capital é um dos motivos pelo qual os locais são tão simpáticos com os visitantes estrangeiros.

Mas tanto turistas quanto quem viaja a negócios precisam estar cientes de que se trata de uma metrópole que se move rapidamente. "Quando cheguei aqui vindo de San Diego (na Califórnia), tive um choque cultural", admite Nabors. "Tudo aqui é negócio. Tudo aqui tem um foco. Tudo acontece a uma velocidade impressionante e não para."

Leia mais: Será que as mulheres finalmente entraram na mira de Hollywood?

Encontros do poder

Direito de imagem Old Ebbitt Grill
Image caption O Old Ebbitt Grill é famoso por suas ostras e por ser palco de encontros entre poderosos

O Old Ebbitt Grill é o bar e restaurante mais antigo da capital e, como fica a poucos passos da Casa Branca, já serviu de cenário para festas cheias de celebridades e para escândalos políticos.

O cardápio é gigantesco e vai de sopas à maior seleção de ostras da cidade – que, aliás, são servidas pela metade do preço fora do horário de pico.

Uma das novidades na cena noturna é o Birch & Barley, um paraíso para os amantes de cerveja localizado no agitado bairro de Logan Circle: estão no menu 550 cervejas artesanais diferentes.

Apenas em 2014, mais de 1,8 mil quartos de hotel foram criados, segundo a empresa de marketing Destination DC.

Uma obra-prima do estilo Belas Artes, o The Willard é uma instituição local que data de mais de um século – com uma série de reformas ao longo dos anos.

O maior ícone da Pennsylvania Avenue hoje é o InterContinental Historic Hotel, cuja principal atração é o Round Robin & Scotch Bar, ponto de encontro da elite política e social de Washington desde os tempos de Abraham Lincoln.

Para quem prefere luxo com menos ostentação, o AKA White House exibe uma decoração minimalista e traz uma incrível vista da cidade do alto de sua cobertura.

Leia mais: A forma de fazer reunião que conquistou Zuckerberg e Obama

Cultura e verde

Direito de imagem Mark Johanson
Image caption O Museu Nacional de História Natural é um dos 17 que circundam o National Mall

O National Mall é um boulevard onde gerações e gerações de cidadãos se juntaram para fazer protestos que marcaram a história do país.

A área é cercada pelos 17 museus gratuitos da Smithsonian Institution, cobrindo assuntos de arte norte-americana à exploração espacial.

Para captar o clima de poder que paira sobre a cidade, uma caminhada leva do National Mall às principais atrações de DC. Em um grande cruzamento estão o Capitólio e a Suprema Corte, a leste, o Memorial de Lincoln e monumentos a vítimas de combates, a oeste, a Casa Branca, ao norte, e os Memoriais de Thomas Jefferson, Franklin D. Roosevelt e Martin Luther King, ao sul.

O Washington Monument, obelisco mais alto do mundo – e a edificação mais alta da cidade –, reina no centro entre eles.

Leia mais: Percorrendo os cenários de 'Jogos Vorazes' na Carolina do Norte

Clique aqui para ver outras matérias especiais de economia e negócios

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Capital.