Especialistas contestam americano que diz ter hackeado aviões em pleno voo

Direito de imagem video
Image caption Chris Roberts alega que faz “testes” nas redes de aeronaves apenas para melhorar a segurança aérea

O americano Chris Roberts, especialista em segurança online, ganhou as manchetes no mundo todo após dizer que havia conseguido hackear o sistema de bordo de um avião e controlar vários de seus movimentos.

Mais do que isso, diz ter realizado a façanha do conforto de sua poltrona enquanto estava a bordo das aeronaves em questão.

Roberts diz ter invadido o sistema de bordo conectando seu laptop ao sistema de entretenimento de bordo, em um plug no assento do avião.

Leia mais: É possível ‘quebrar’ a internet?

No entanto, outros especialistas em segurança na internet colocaram em xeque a história contada por Roberts.

O consultor em cybersegurança Graham Cluley disse que mesmo que o americano tenha conseguido ter acesso ao sistema de controle da aeronave através do software chamado Vbox (que permite criar um ambiente virtual para instalar um sistema dentro de outro) com o objetivo de construir sua própria versão da rede de controle do avião, é pouco provável que tenha interferido nos sistemas "ao vivo".

"Supondo que isso realmente seja verdade, Roberts talvez tenha conseguido acessar o sistema e os dados do avião sem permissão, mas o mais provável é que ele não tenha enviado nenhum comando em tempo real para atrapalhar o voo."

Exagero?

O professor Alan Woodward, da Universidade de Surrey, na Inglaterra, disse achar difícil acreditar que um passageiro tenha conseguido manipular o sistema de controle do avião por meio de um plug na poltrona.

"Sistemas de voo normalmente são mantidos fisicamente separados, como acontece com qualquer rede importante no que diz respeito à segurança", disse à BBC.

Direito de imagem Thinkstock
Image caption Especialista disse achar difícil de acreditar que um passageiro tenha conseguido manipular o sistema de controle do avião por meio de um plug na poltrona

"O mais provável é que alguém tenha entendido errado a história ou tenha exagerado."

Leia mais: Menina de 7 anos consegue hackear rede wi-fi em dez minutos

Twitter

O FBI interrogou Roberts no mês passado e divulgou um documento confirmando que ele "explorou" os sistemas de entretenimento de bordo de vários aviões de 15 a 20 vezes entre 2011 e 2014 e que ele disse ter conseguido fazer com que o avião fizesse movimentos laterais e para cima.

Antes disso, Roberts insinuou em sua conta do Twitter que poderia fazer com que as máquinas de oxigênio de um voo da companhia United Airlines caíssem.

Durante todo o tempo, ele alega que vem fazendo "testes" como esse para melhorar a segurança aérea.