Brasil e México iniciarão tratativas para acordo comercial amplo

(AFP) Direito de imagem AFP
Image caption Dilma Rousseff diz que acordo permitirá aos dois países dobrar fluxo comercial em poucos anos

A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta terça-feira que Brasil e México começarão a negociar em julho um acordo que, segundo um diplomata brasileiro, buscará a liberalização total do comércio com os mexicanos.

"A nossa corrente de comércio é formada por produtos manufaturados, o que garante maior renda e geração de empregos a nossos povos, mas temos também oportunidade pra avançar muito mais tanto nas relações comerciais como nos investimentos recíprocos que podemos receber uns dos outros", disse a presidente durante visita ao Palácio Nacional, na Cidade do México.

Segundo Dilma, o acordo permitirá aos dois países dobrar suas transações comerciais bilaterais "em poucos anos".

Hoje, de acordo com o Itamaraty, Brasil e México mantêm acordos que reduzem as tarifas de 12% dos produtos negociados entre os dois países, em sua maioria carros e outros itens industrializados. A corrente de comércio (soma das importações e exportações) ─ que, segundo o governo,dobrou nos últimos dez anos ─ somou US$ 9 bilhões (R$ 28 bilhões) em 2014. O México tem saldo favorável de US$ 1,6 bilhão (R$ 4,9 bilhões) na relação.

Em seu discurso, Dilma disse que os dois países buscarão o "equilíbrio" das trocas com a "inclusão de novos setores (...) que hoje estão infelizmente fora" dos acordos de redução tarifária.

Leia mais: Como o México se tornou a 'menina dos olhos' da indústria automobilística global?

Direito de imagem AFP
Image caption Segundo Dilma, acordo permitirá aos dois países dobrar transações comerciais bilaterais "em poucos anos"

Um dos principais pleitos do Brasil é pôr na lista produtos agropecuários. O tema é sensível no México, onde agricultores temem a competição de produtores brasileiros.

Após a fala da presidente, o embaixador Antônio Simões – subsecretário do Itamaraty para América do Sul, Central e Caribe – disse a jornalistas que o acordo "buscará, na medida do possível, a liberalização integral do comércio" com o México.

"A ideia é trabalhar substancialmente com todo o comércio."

Questionado se os dois países negociarão um acordo de livre comércio, como esse tipo de acordo é normalmente conhecido, ele evitou o termo, mas não explicou como as tratativas se diferenciarão da modalidade.

Ele afirmou ainda que o arranjo não tratará apenas de comércio, mas de acertos para a prestação de serviços, propriedade intelectual e compras governamentais. O acordo, diz Simões, é complexo e poderá levar vários meses para ser assinado. Ele ainda terá de ser aprovado pelos Congressos dos dois países para entrar em vigor.

O Mercosul, bloco que o Brasil integra com Argentina, Uruguai, Paraguai e Venezuela, proíbe seus membros de negociar individualmente com outros países acordos que envolvam reduções tarifárias. O bloco, porém, abriu uma exceção ao México e já se comprometeu a negociar um acordo comercial amplo com o país.

Dilma discursou após se reunir com o presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, durante uma visita de Estado ao México.

Leia mais: No México, Dilma buscará alianças para reavivar economia

Comércio bilateral

Direito de imagem AP
Image caption Segundo o governo brasileiro, o México é hoje o quarto maior investidor do Brasil, atrás de União Europeia, EUA e Japão

O objetivo principal da viagem é econômico. Dilma tem buscado no exterior parcerias para estimular a economia nacional, que enfrenta uma recessão.

Na semana passada, ela recebeu em Brasília líderes da China e do Uruguai, e no mês que vem viajará aos Estados Unidos.

Outro resultado da visita de Dilma ao México foi a assinatura de um acordo para facilitar investimentos entre os dois países.

O Brasil até agora só assinou acordos desse tipo com Angola e Moçambique. Diplomatas dizem que o acordo estabelece um canal direto entre os dois governos para resolver problemas envolvendo investimentos, como na concessão de crédito ou de licenças ambientais.

O acordo, segundo Dilma, dará maior segurança aos investidores. Para vigorar, ele também terá de ser aprovado pelo Congresso.

Segundo o governo brasileiro, o México é hoje o quarto maior investidor no Brasil, atrás da União Europeia, dos Estados Unidos e do Japão. Empresas mexicanas já injetaram US$ 23 bilhões (R$ 71 bilhões) na economia brasileira.

Entre as principais companhias mexicanas que atuam no país estão a Mabe (dona das marcas de eletrodomésticos Dako, Continental e GE), a gigante alimentícia Bimbo e a Femsa, que engarrafa a Coca-Cola vendida no Brasil. Também são geridas por mexicanos a fabricante de canos Amanco, as telefônicas Claro e Embratel (administrada pela América Móvil), a NET e a rede de cinema Cinépolis, presente em vários Estados.

Já os investimentos brasileiros no México são mais tímidos e somam US$ 2 bilhões (R$ 6 bilhões), embora estejam crescendo.

A brasileira Braskem está construindo com a mexicana Idesa um polo petroquímico no Estado de Veracruz, e a Gerdau ergue um complexo siderúrgico em Hidalgo. Os dois investimentos totalizam US$ 5,6 bilhões (R$ 17 bilhões).

Dilma e Peña Nieto ainda assinaram acordos nas áreas de aviação civil, pesca, turismo, agricultura e bancos.

Nesta terça, Dilma participaria ainda do encerramento de um seminário entre empresários brasileiros e mexicanos. A presidente volta ao Brasil na quarta-feira, após visitar o Senado mexicano.