Oito consequências surpreendentes dos 'apagões' em Gana

Foto: AP Direito de imagem AP
Image caption Manifestantes protestam contra a crise em Acra carregando um gerador - aparelho que se popularizou no país

A população de Gana, na África, tem sofrido com apagões constantes durante os últimos três anos – o maior período de crise energética já enfrentado por um país. Além das perdas econômicas e do transtorno no dia a dia da população, a crise também trouxe algumas consequências inesperadas para o país. Confira:

Zumbido irritante

Ao caminhar pelo centro de Acra, capital de Gana, é possível ouvir um zumbido semelhante ao de um mosquito em seu ouvido.

Mas a origem do som são os geradores utilizados pelas lojas e escritórios. Os mais caros são silenciosos, mas a maior parte dos estabelecimentos só consegue comprar os mais baratos.

O barulho também o persegue na hora de dormir se você, como eu, não tiver um gerador, mas seu vizinho, sim. Além de sofrer com o calor, você também é impedido de dormir pelo ruído.

Leia mais: Após troca, Copenhague leiloa lâmpadas de rua 'retrô'

Mudança no nome do presidente

Direito de imagem BBC World Service
Image caption O presidente reconhece o apelido de "Dumsor", que recebeu em meio à crise, e até brinca com ele

Sempre que há uma crise em Gana e o presidente não consegue solucioná-la, ele ganha um apelido.

Desta vez, o presidente John Mahama está sendo chamado de Senhor "Dumsor", que é uma gíria para "apagão".

A palavra é formada por duas palavras do idioma Twi (um dos dialetos falados no país) – "dum" e "sor", que significam, respectivamente, "ligado" e "desligado".

O presidente Mahama já reconheceu seu apelido publicamente e até faz piada com ele.

Leia mais: Quando teremos carros movidos a energia solar?

Partos à luz de celulares

Alguns hospitais não tem dinheiro para usar geradores constantemente.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Funcionários de hospitais têm utilizado celulares para iluminar salas de parto à noite

Então quando as luzes se apagam, parteiras usam lanternas e até a luz dos seus celulares para ajudar mães a dar à luz seus bebês.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Por causa da crise, a primeira coisa que muitos bebês vêem ao nascer é o celular

Leia mais: Empresa promete 'revolução' com baterias para residências

Mais tempo com a família

Direito de imagem BBC World Service
Image caption A falta de energia impediu a transmissão de jogos de futebol e limitou o tempo passado na internet

Uma amiga me disse que, desde que tornou-se impossível assistir futebol na TV, ela parece mais atraente aos olhos de seu marido.

Agora, diz ela, "nós jogamos nosso próprio jogo". E sim, isso é um eufemismo.

Uma vez que as baterias dos celulares e laptops acabam, as famílias no país passam mais tempo conversando, ao invés de ficarem grudados nas redes sociais.

Leia mais: Como a Costa Rica conseguiu produzir toda sua eletricidade de forma limpa

Uma alimentação melhor

Direito de imagem BBC World Service
Image caption População tem consumido mais alimentos frescos porque geladeiras se tornaram quase inúteis

Até as pessoas que têm geradores em casa geralmente os desligam à meia-noite. Isso significa que não é possível congelar comida, ou mesmo mantê-la na geladeira.

Para mim, isso é algo positivo. Costumávamos fazer cozido e uma sopa leve em quantidade e congelá-los para comermos durante a semana.

Mas agora que nossa geladeira se tornou um armário, tudo o que comemos é feito na hora.

Leia mais: Britânicos projetam lagoas artificiais geradoras de energia

Diminuição das contas

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Sobra mais dinheiro no bolso... desde que não seja preciso comprar combustível para o gerador

As contas de energia das casas também caíram pela metade, naturalmente, com a constante falta de luz.

Além disso, é comum que as pessoas em Gana usem medidores pré-pagos de eletricidade.

Por isso, foi possível sentir rapidamente o barateamento das despesas.

Mais tempo no carro

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Carros ficam ligados por mais tempo à noite para que donos se refresquem no ar-condicionado

Algumas pessoas adquiriram o hábito de se refrescar e ouvir rádio em seus carros antes de ir dormir.

Por causa disso, as baterias dos veículos ficam ligadas com o ar-condicionado no nível máximo por pelo menos duas horas, para aplacar o calor.

Alguns chegam a dormir em seus carros quando o clima fica insuportável.

Protestos inesperados

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Atriz e rapper famosos no país protestam contra o governo por causa do prolongamento da crise

A atriz Yvonne Nelson e o rapper Sarkodie, populares no país, são os que mais se manifestam sobre a crise energética. Nelson está pedindo que as pessoas tuítem para o presidente e cobrem soluções e Sarkodie fez uma música sobre os apagões. Os dois se uniram para organizar uma vigília em protesto contra a situação.

Mas não é comum que celebridades se envolvam na política ganense e, por isso, Nelson e Sarkodie também foram criticados.

Um ex-assistente do presidente, Alhaji Halidu Haruna, comparou as críticas dos artistas com "prostituição". A comparação, no entanto, repercutiu negativamente para Haruna e ele teve que se desculpar.

E algumas consequências não tão surpreendentes:

  • Aumento da demanda por energia solar;
  • Aumento das importações de geradores;
  • Estudantes sofrendo com o calor em salas de aula;
  • Mais pontos de recarga de telefones celulares sendo abertos nas cidades;
  • Empresas demitindo funcionários por causa da queda da produtividade;
  • Mais aplicativos de celulares criados... para fazer contagem regressiva até o próximo racionamento de energia.