Quem é Loretta Lynch, a secretária de Justiça que escancarou a corrupção na Fifa

Credito: AP Direito de imagem AP
Image caption Lynch é a primeira mulher negra a ocupar o cargo de secretária de Justiça

"Ninguém é grande demais para a cadeia. Ninguém está acima da lei."

Pouco mais de um mês após pronunciar essas palavras ao ser nomeada secretária de Justiça dos Estados Unidos, Loretta Lynch - a primeira mulher negra no cargo - coordenou a operação que prendeu oito cartolas da Fifa e foi considerada o maior escândalo da história do futebol.

Filha de um pastor protestante, Lynch nasceu quando as leis de segregação racial ainda eram vigentes nos Estados Unidos, formou-se em Direito em Harvard e ocupa hoje o principal cargo do Departamento de Justiça americano.

Ela atuava como procuradora-chefe federal no Brooklyn antes da promoção. Segundo o New York Times, Lynch supervisionou as investigações desde o início.

A decisão de dar o "ok" para a operação ir em frente e de pedir à polícia suíça que executasse as prisões foi dela.

Direito de imagem Reuters
Image caption Lynch dá entrevista sobre operação que prendeu cartolas da Fifa

Oito dirigentes da Fifa foram presos na quarta-feira - entre eles o ex-presidente da CBF José Maria Marin.

Leia mais: José Maria Marin está entre dirigentes da Fifa presos na Suíça

Leia mais: Entenda o escândalo de corrupção na Fifa

Lynch nasceu na Carolina do Norte em 1959. À época, os negros dos Estados do sul dos EUA ainda era submetidos a leis de segregação entre brancos e negros.

Apesar disso, seu pai, o reverendo Lorenzo Lynch, um pastor protestante, acreditava que a lei poderia ser uma força para a mudança. E, quando a futura secretária de Justiça era pequena, ele costumava levá-la aos tribunais locais.

"Quando eu era criança, as pessoas nos diziam para ficar longe dos tribunais", disse Lorenzo à BBC. "Mas eu achava que era uma instituição positiva, e queria que ela tivesse uma visão diferente", completou.

As leis de segregação foram derrubadas no meio dos anos 1960, mas o racismo permaneceu.

Leia mais: Fifa é alvo de denúncias há mais de duas décadas; veja histórico

A mãe de Lynch, Lorine, lembra que as professoras da filha tinham dificuldade em aceitar sua inteligência.

Direito de imagem AP
Image caption Lynch foi nomeada em momento de tensão racial nos EUA

Quando ela estava na 2ª série - tinha 7 ou 8 anos - ela teve que fazer uma prova outra vez porque tinha ido bem demais na primeira.

"As professoras acharam que algo estava errado, porque ela era afroamericana e os alunos brancos tinham tirado notas mais baixas", disse Lorine à BBC.

Na segunda prova, ela tirou uma nota maior ainda.

Carreira

Nada disso afetou as aspirações de Lynch. Durante toda a infância, ela sonhava em estudar em Harvard, onde estudou Literatura Inglesa antes de fazer Direito.

Ela levou a sério a universidade. "Na faculdade, as pessoas costumam usar jeans, roupas despojadas, mas eu não lembro de uma vez em que Loretta estivesse desarrumada. Eu costumava implicar com ela perguntando se ela não tinha nenhuma roupa de brincar", conta a advogada Karen Freeman-Wilson, que estudou com ela.

Trigêmeas

Os escritórios de advocacia de Nova York ainda eram muito masculinos e muito brancos quando ela começou a trabalhar no Cahill Gordon and Reindel, no meio dos anos 1980.

Havia outras duas mulheres negras entre os associados e elas mesmas se referiam a elas como "as trigêmeas" - porque as recepcionistas do local, apesar de saber o nome de todos os 250 homens, não conseguiam diferenciá-las.

Direito de imagem AFP
Image caption Lynch foi indicada por Obama em novembro, mas Senado só aprovou indicação em abril

Seu primeiro grande caso - em 1999, pouco depois de ser nomeada pelo então presidente Bill Clinton para a procuradoria do Distrito Leste de Nova York - lembra os que provocaram protestos recentemente nos EUA.

O haitiano Abner Louim foi preso após uma briga fora de uma boate e acusado de bater em um policial.

A polícia depois admitiu que a acusação era falsa e que Louim foi espancado.

Calma sob pressão

Durante o julgamento, um dos policiais envolvidos alegou que namorava uma negra e que isso mostraria ser pouco provável que ele tivesse violado os direitos de um negro.

Alan Vinegrad, que trabalhou com Lynch no caso, diz que ela acusou o agente de "se esconder atrás da cor da pele de sua namorada".

Foi ousado, mas feito de um jeito "calmo e comedido", segundo ele.

Ao longo da carreira, ela esteve envolvida em processos contra terroristas e mafiosos, além de políticos acusado de corrupção - dos dois partidos dos EUA -, policiais que cometeram abusos contra prisioneiros e bancos acusados de fraude.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Cartolas da Fifa foram presos nesta quarta-feira

A capacidade de Lynch de se manter calma foi um dos pontos altos durante o longo processo de aprovação no Senado - ela foi indicada pelo presidente Barack Obama em novembro, mas sua nomeação só foi aprovada pelo Senado em abril. A demora teve relação com uma briga partidária - mas a Casa também foi acusada de racismo.

"Muitos de nós olhamos o tratamento que ela recebeu e não nos sentimos bem, não sentimos que estava sendo justo", disse a amiga Karen Freeman-Wilson.

"Mas a reação dela foi 'Tudo bem, vamos manter nossa cabeça e olhos no prêmio'", completa.

Fifa

Nesta quarta-feira, exatamente um mês após assumir o cargo, Lynch ganhou as manchetes de todo o mundo com a prisões dos dirigentes da Fifa.

"O indiciamento sugere que a corrupção é desenfreada, sistêmica e tem raízes profundas tanto no exterior como aqui nos Estados Unidos”, disse ela.

"Essa corrupção começou há pelo menos duas gerações de executivos do futebol que, supostamente, abusaram de suas posições de confiança para obter milhões de dólares em subornos e propina."

O esquema, segundo ela, prejudicou profundamente uma vasta gama de vítimas, de ligas jovens de futebol a países em desenvolvimento que deveriam se beneficiar dos recursos gerados pelo esporte.

"As ações de hoje (quarta-feira) deixam claro que o Departamento de Justiça pretende acabar com qualquer prática de corrupção, acabar com as más condutas e trazer malfeitores à Justiça", disse Lynch, acrescentando que quer trabalhar em conjunto com outros países para alcançar este objetivo.