Escolha de presidente da Fifa põe Europa contra Ásia, África e Caribe

Direito de imagem
Image caption Blatter promete 'credibilidade, transparência, e 'fair play''; o príncipe Ali diz querer 'tirar o foco da polêmica administrativa e voltá-lo para o futebol'

As 209 federações da Fifa iniciarão nesta sexta-feira (12h no horário do Brasil) em Zurique a votação para escolher seu novo presidente, em meio ao maior escândalo da história da organização.

O favorito Sepp Blatter está concorrendo para se reeleger para um quinto mandato. Seu único rival é o príncipe jordaniano Ali bin al-Hussein.

Leia mais: Por que Blatter continua à frente da Fifa?

Leia mais: O rival de Blatter e suas chances na eleição da Fifa

A votação ocorre dois dias após sete dirigentes terem sido presos em Zurique em uma operação deflagrada por investigação do Departamento de Justiça dos EUA de alegações de corrupção entre a entidade, empresas de marketing esportivo e transmissoras.

O Brasil será representado pelos presidentes da Federação Goiana de Futebol, André Pitta, e da Federação Cearense de Futebol, Mauro Carmélio, já que o presidente da CBF, Marco Polo del Nero, abandonou subitamente o congresso da entidade em Zurique, na manhã de quinta-feira, e retornou ao Rio de Janeiro, onde desembarcou na manhã desta sexta.

Segundo a assessoria da Fifa, Del Nero não explicou os motivos de seu retorno antecipado.

Mas o que pode acontecer exatamente na eleição? Quais são os resultados esperados?

Qual a plataforma dos dois candidatos?

De acordo com o perfil de Blatter no site da Fifa, "suas principais aspirações são credibilidade, transparência, e 'fair play'". Sua filosofia é "futebol para todos, todos para o futebol".

Já o príncipe Ali afirma que seu objetivo é "tirar o foco sobre a polêmica administrativa e redirecioná-lo ao futebol" e fazer da Fifa uma organização mais justa e transparente.

Direito de imagem Getty

Como é a votação em si?

Em uma votação secreta, todos as 209 associações de futebol da Fifa têm direito a um voto. A votação ocorre por ordem alfabética – então é um processo demorado.

No primeiro turno, se algum dos candidatos conquistar dois terços dos votos (um total de 140 votos se todos participarem), ele é eleito.

Se nenhum tiver esses dois terços, a votação terá um segundo turno, em que um deles precisará da maioria simples dos votos para ganhar.

Direito de imagem AFP

Quem pode votar?

Nem todos as federações da Fifa são ligadas a nações com status de país, mas mesmo assim todos têm direito a voto com o mesmo peso. Um exemplo disso é Montserrat, um território britânico no Caribe com 4.900 habitantes, que tem a mesma voz que a Índia, com sua população de mais de 1,2 bilhão de habitantes.

Direito de imagem Reuters

Como eles devem votar?

É nesse ponto que a situação fica mais nebulosa. Mesmo sendo uma votação secreta, muitas das associações de futebol – na qual os membros estão agrupados – já revelaram seus votos.

Michel Platini, presidente da Uefa (a federação europeia de futebol), disse que uma grande maioria das 53 associações da Europa vão apoiar o príncipe Ali.

A Confederação de Futebol Africana (CAF), com seus 54 membros, e a Confederação de Futebol Asiática (AFC), com seus 46 membros, afirmaram que vão apoiar Blatter.

Mas a Austrália, que é da AFC, disse que vai votar no príncipe.

Blatter, tradicionalmente, tem o apoio da federação da América do Norte (Concacaf), cujo o presidente, Jeffrey Webb, está entre os presos da operação em Zurique.

Ainda não se sabe como os membros da América do Sul e da Oceania vão votar.

Direito de imagem Getty

Os membros podem se abster de votar?

Sim - e seis deles fizeram isso nas últimas eleições presidenciais, em 2011. A Federação Inglesa de Futebol se absteve depois que o único rival de Blatter, Mohammed bin Hammam, abandonou a disputa após ser suspenso por alegações de envolvimento com suborno.

Blatter foi reeleito após receber 186 dos 203 votos.

Direito de imagem Getty

Os países podem se opor de outras maneiras?

Sim, e a Federação Inglesa de Futebol tentou fazê-lo em 2011. Eles pediram que a votação fosse adiada por conta de alegações de corrupção, mas apenas outros 16 países apoiaram a iniciativa. A eleição prosseguiu.

Ainda não se sabe se algum gesto similar será realizado nesta sexta-feira. O presidente da Uefa, Michel Platini, pediu a demissão de Blatter na quinta-feira, mas este se recusou a fazê-lo.

A organização também pediu que a votação fosse adiada, mas o pleito não foi apoiado pela AFC nem pela CAF.

A BBC apurou que a Uefa pode convocar uma reunião geral extraordinária caso Blatter vença nesta sexta-feira. Se 20% dos membros da Fifa concordarem com a moção, a reunião precisará ser realizada nos próximos três meses.