Naufrágio abala 'viagem dos sonhos' de chineses

Credito: Chinatopix via AP Direito de imagem Chinatopix via AP
Image caption Equipes de resgate em cima do casco do navio, que está de cabeça para baixo

O rio Yangtze, onde um barco com 458 pessoas a bordo naufragou nesta segunda-feira, é o terceiro mais longo do mundo e se tornou, nos últimos anos, uma grande atração para milhões de turistas da China.

Até o momento, foi confirmado que cinco passageiros do Eastern Star morreram. Apenas 15 pessoas foram resgatadas e centenas ainda estão desaparecidas.

O barco está flutuando de cabeça para baixo, em uma parte larga do rio com cerca de 15 metros de profundidade.

Segundo a mídia estatal, equipes de resgate posicionadas no casco do navio ouviram gritos por ajuda vindo de dentro da embarcação. Eles tentam estabelecer contato batendo com um pequeno martelo na esperança de ouvir alguma resposta vinda do interior da embarcação. Depois, conseguiram abrir um buraco no caso, de onde resgataram três pessoas com vida.

Leia mais: Três meses após alerta da ONU, nova tragédia no Mediterrâneo mata 300

A imprensa local afirmou que o aviso sobre o naufrágio foi dados por passageiros que conseguiram nadar até a margem.

Da sua nascente no alto platô tibetano, o rio Yangtze passa por 18 províncias e grandes cidades em seu percurso para o Mar da China Oriental.

Direito de imagem AP
Image caption Imagem de TV mostra equipes de resgate no casco do navio; eles ouviram pedidos de ajuda de passageiros
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Mulher de 65 anos é resgatada do navio
Direito de imagem BBC World Service
Image caption Passageiros estariam a caminho da Hidrelétrica de Três Gargantas

A indústria de turismo doméstico do país, que cresceu na esteira do aumento da renda da classe média, mantém agora dezenas de barcos flutuando pelas águas do Yangtze.

O Eastern Star era um deles.

Leia mais: Busca por avião desaparecido leva a descoberta de naufrágio

Um anúncio na internet oferece uma viagem de 13 dias partindo da cidade de Nanquim para a cidade de Chongqing.

Ainda não foi confirmado se esse é o mesmo itinerário que estava sendo seguido desta vez mas, se for, os passageiros estariam a caminho da hidrelétrica das Três Gargantas, um pouco depois de onde o barco naufragou.

Muitos dos passageiros, de acordo com a mídia estatal chinesa, tem mais de 50 anos e teriam pago US$ 300 (cerca de R$ 950) por um cabine compartilhada da classe econômica.

Direito de imagem BBC World Service
Image caption Cerca de mil policiais participam das operações de resgate

Ainda é muito dinheiro para muitos - não fica muito longe do salário médio mensal da China -, mas atualmente está ao alcance dos (comparativamente) ricos idosos com seus fundos de pensão e carteiras de ações na bolsa nas grandes cidades de Xangai e Nanquim.

Leia mais: Como agir no caso de uma catástrofe

Não há dúvidas de que, para alguns passageiros, essa era a viagem de sua vida.

E a hidrelétrica das Três Gargantas, um local de peregrinação e um imponente símbolo do crescimento econômico da China que atrai cerca de 2 milhões de visitantes por ano, agora tem um papel a desempenhar no resgate.

Os técnicos receberam ordens de reduzir o volume de água que passa pelas gigantes turbinas.

O naufrágio do Eastern Star vai ter repercussões.

Um navio cheio de turistas chineses - de avós e avôs até o mais novo passageiro, com três anos - foi perdido nas águas do rio mais querido do país.

Milhões de comentários já foram postados online - o emoticon com as duas mãozinhas rezando é um dos que mais aparece.