CBF sobre saída de Blatter: ‘Nada segura o que chegou a seu tempo’; veja reações

Direito de imagem Reuters
Image caption Joseph Blatter assumiu a presidência da Fifa em 1998 e permaneceu por quatro mandatos; ele foi reeleito para o quinto, mas renunciou

O anúncio da renúncia de Joseph Blatter, pouco depois de ser eleito ao seu quinto mandato no comando da Fifa, surpreendeu os dirigentes da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Blatter - que estava sob pressão para renunciar desde que uma investigação do Departamento de Estado dos EUA apontou indícios de corrupção na Fifa - deverá ficar no cargo até seu substituto ser escolhido em um congresso extraordinário, previsto para entre dezembro deste ano e março do ano que vem.

Já a CBF, que também passa por um momento conturbado com a prisão de seu ex-presidente, José Maria Marin, em meio aos escândalos de corrupção, não confirmou seu apoio à reeleição do suíço na última sexta-feira, mas mostrou otimismo com o indício de "renovação" na gestão do futebol mundial.

"Acho que o Victor Hugo (autor francês) diz aquela frase, 'Nada segura aquilo que seu tempo chegou'. E o que chegou é uma grande mobilização do futebol, uma demanda que exige gestão e transparência", disse o secretário-geral da CBF, Walter Feldman, à BBC Brasil. "É importante que a sociedade tenha confiança na forma como aquilo está sendo gerido."

Segundo Feldman, a CBF recebeu com surpresa a renúncia de Blatter após 17 anos no comando da Fifa. O secretário ressaltou, porém, as intenções da nova gestão da CBF em "modernizar" o futebol brasileiro e indicou que a mudança na Fifa pode ser benéfica nesse sentido.

Leia mais: Persistente e avesso a críticas, Blatter põe fim a sua erra como 'chefão' da Fifa

Leia mais: O escândalo na Fifa vai mufar o futebol latino-americano?

"Recebemos a notícia com muita surpresa. Mas nós estamos aqui num forte movimento de renovação das práticas e gestão do futebol e se isso contribuir pra essa necessidade de modernização, ela é bem-vinda."

Questionado se tem algum receio de que a investigação da Fifa prejudique a imagem da CBF, Feldman negou. "Acho que o novo nasce da experiência dos acertos e equívocos do passado. Quando identificamos o erro do (José Maria) Marin, ele foi afastado. Essa gestão tem compromisso com transparência e modernidade."

Outras reações

O ex-jogador e atual senador Romário, um dos grandes críticos da Fifa e da CBF, já havia se manifestado sobre a renúncia de Marin, que chamou de "melhor notícia dos últimos tempos".

"A renúncia de Joseph Blatter ao cargo de presidente da Fifa representa o início de uma nova era para o futebol mundial. Todos os gestores corruptos das confederações, mundo afora, sentirão sua queda como um tsunami. Espero, agora, que as águas desta grande onda sejam suficientes para varrer toda a corrupção liderada pela entidade maior do futebol", disse nesta terça Romário nas redes sociais.

Romário liderou a instalação de uma nova CPI no Senado (cujos trabalhos ainda não começaram) para investigar irregularidades na gestão do futebol brasileiro.

"Sorte do futebol. A crise neste momento é mais do que bem-vinda. Temos uma ótima oportunidade de fazer uma limpeza efetiva no futebol em todo o mundo. Prisão para os corruptos e que se apresentem grandes ídolos, bons gestores esportivos, amantes do futebol, todos aqueles que podem contribuir com este novo momento", prosseguiu Romário.

Leia mais: Popularização do futebol nos EUA é pano de fundo para 'Fifagate'

Leia mais: Investigação da Fifa dá força a 3 iniciativas que prometem mudar futebol brasileiro

O ex-jogador português Luis Figo, que chegou a se candidatar à presidência da Fifa, mas renunciou antes do pleito, disse que "a mudança está finalmente chegando".

"É um ótimo dia para Fifa e para o futebol. Agora nós deveríamos, de forma responsável e tranquila, encontrar uma solução consensual para começar uma nova era de transparência e democracia na Fifa", escreveu em sua página do Facebook.

O presidente da Federação Inglesa de Futebol (FA), Greg Dyke, comemorou a notícia pelo site oficial da entidade. "Damos boas-vindas ao anúncio de hoje (terça). E acreditamos que é uma boa notícia para o mundo do futebol. A mudança na cúpula da Fifa é o primeiro passo necessário para gerar uma real reforma na organização."

Patrocinadora da Fifa, a Coca-Cola também se manifestou sobre o acontecimento. "Respeitamos a decisão de Blatter. O anúncio de hoje é um passo positivo para o bem do esporte, do futebol e dos torcedores. Acreditamos que essa decisão vai ajudar a Fifa a se transformar rapidamente em uma instituição do século 21."

O jornalista esportivo Juca Kfouri, também um grande crítico da Fifa, fez uma brincadeira com o apoio declarado na segunda-feira de Pelé à continuidade de Blatter na presidência. "Parece que o apoio do Rei Pelé foi demais e Joseph Blatter não suportou: pulou fora no navio", escreveu em seu blog.

"Blatter" é nesta terça-feira o termo mais mencionado no Twitter, e a repercussão da renúncia dele tem sido grande em todo o mundo.