Os mistérios da costa de 5 mil km da Croácia

Direito de imagem National Geographic Creative
Image caption Litoral croata se estende por mais de 5 mil quilômetros no Mediterrâneo

A Croácia é provavelmente mais conhecida por seus mais de 5 mil quilômetros de litoral no Mar Adriático, a costa mais recortada do Mediterrâneo.

Mas muitos dos menores vilarejos de praia e ilhas do país acabam à sombra de polos turísticos como Dubrovnik, cidade fortificada que serviu de cenário para o seriado Game of Thrones.

No entanto, os viajantes que quiserem deixar para trás as multidões e a fama ligada a famosos seriados de TV poderão encontrar antigas aldeias piratas, terras ricas em mármore, uma região vinícola perfeita para ser explorada a pé e piscinas naturais secretas para um mergulho inesquecível.

Leia mais: Como é viver ao lado dos maiores parques nacionais do mundo

Leia mais: Sete maravilhas arquitetônicas desconhecidas

Uma ilha, muitos governantes

Direito de imagem National Geographic Creative

Entre os vários enclaves pouco conhecidos da Croácia está a ilha de Lastovo, uma das menos povoadas do Mar Adriático.

Historicamente um vilarejo de piratas, Lastovo foi ocupada por uma grande quantidade de conquistadores e invasores. Os ilírios, os romanos, os avares e os venezianos mandaram aqui em algum momento, assim como a Áustria, a Itália e a antiga Iugoslávia.

Hoje, a ilha é mais apreciada pela arquitetura dos séculos 15 e 16, com destaque para as casas renascentistas.

Leia mais: O sombrio segredo para a felicidade no Butão

Orla mais que pitoresca

Direito de imagem National Geographic Creative

Uma arquitetura ainda mais impressionante pode ser encontrada em Pucisca, na ilha de Brac. A vila abriga construções de estilo mediterrâneo com importantes influências renascentistas e venezianas.

Mas ainda mais incrível é o principal produto de exportação da ilha: um mármore branco de altíssima qualidade usado na construção de alguns dos edifícios mais famosos do mundo, como a Casa Branca.

Aprendizes de todo o planeta vêm a Pucisca para frequentar a renomada escola de escultura Klesarska, onde os visitantes podem espiar os alunos durante as aulas.

Leia mais: O visual surreal do Lago Verde, na Áustria

Vinhedos à beira-mar

Direito de imagem National Geographic Creative

Mais ao sul, na península de Peljesac, outro ofício também brilha em meio a uma bela paisagem de montanhas baixas e terreno coberto de bosques: a produção de vinhos.

Os vinhedos localizados nos arredores de Orebic, uma antiga cidade portuária na costa sul da península, são famosos por abastecerem o famoso vinho tinto da região, Dingac, uma variedade fina da região vinícola da Dalmácia.

Para além de suas terras férteis, Orebic abriga algumas das mais espetaculares trilhas para caminhadas. A montanha de Sveti Ilija, com o pico mais alto da península – 961 metros – oferece lindas vistas sobre a região e a ilha de Korcula, a oeste.

Leia mais: 8 pontes que desafiam a engenharia

Águas límpidas e secretas

Direito de imagem National Geographic Creative

As vistas do topo de qualquer montanha das ilhas da Dalmácia são de tirar o fôlego. Mas mergulhar nas águas azul-turquesa de algumas dessas localidades é uma experiência fascinante.

Kolocep é uma das três ilhas inabitadas que pertencem ao arquipélago de Elafiti, um grupo de pequenas ilhotas a noroeste de Dubrovnik. Seu litoral é recortado por piscinas naturais secretas e enseadas escondidas.

Entre elas estão as estonteantes Cavernas Azuis, onde a água é de um azul-escuro vibrante.

Leia mais: Um roteiro de fé e adrenalina pelas igrejas secretas da Etiópia

Abrigo da flora mediterrânea

Direito de imagem National Geographic Creative

A pequena ilha de Lokrum fica a cerca de 600 metros ao sul de Dubrovnik, ladeada por quilômetros de um litoral rochoso e envolta em uma densa vegetação mediterrânea.

A ilha é famosa por abrigar alguns monumentos conhecidos, como um mosteiro beneditino de 1023 e um castelo construído por franceses. Mas a atração mais interessante é o Jardim Botânico local.

Fundado em 1959, o parque abriga espécies de plantas mediterrâneas como o louro, o carvalho, o pinheiro e o cipreste.

A tradição local da jardinagem data do século 11, quando os beneditinos cultivavam plantas exóticas na ilha.

Hoje, a reserva natural exibe uma enorme variedade de espécies vindas de outras regiões do mundo.

Leia mais: Um passeio pela verdadeira Westeros, de 'Game of Thrones'

Leia mais: Em imagens: O precioso 'Pantanal' africano

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Travel.