Envolvido em escândalo da Fifa 'torrou' doação polêmica

Jack Warner Direito de imagem Getty
Image caption Warner negou as acusações e prometeu fazer denúncias sobre atividades irregulares na Fifa

Documentos obtidos por uma investigação da BBC mostram que o ex-vice-presidente da Fifa, Jack Warner, usou para uma série de pagamentos pessoais uma polêmica doação de US$ 10 milhões enviada pela entidade máxima do futebol à Concacaf - órgão esportivo que reúne os países das Américas Central e do Norte, bem como o Caribe e que tem 46 filiados.

A investigação revela que Warner, durante anos também o presidente da Concacaf, desviou o dinheiro originalmente enviado a título de ajuda financeira para o desenvolvimento de projetos esportivos para crianças de adolescentes. Os US$ 10 milhões foram repassados em 2008 pela Fifa a pedido da África do Sul, e o FBI, a polícia federal americana, suspeita que o montante tenha sido pago originalmente como uma "recompensa" pelo apoio da região à campanha dos sul-africanos para sediar a Copa do Mundo de 2010.

Leia mais: Escândalo sobre sede olímpica de 2002 traz lições à Fifa

A suspeita cresceu neste domingo com o vazamento de uma comunicação por email entre a Fifa e o governo sul-africano combinando detalhes sobre o pagamento feito à Concacaf.

'Legado'

Warner, de 72 anos, natural de Trinidad e Tobago, faz parte da lista de investigados pelas autoridades americanas pelo suposto envolvimento no escândalo de corrupção envolvendo a Fifa. Há duas semanas, sete dirigentes da Fifa, incluindo o ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin, foram presos em Zurique, na Suíça, acusados de receber propina.

O trinitário, que nega as acusações, teve a extradição pedida pelas autoridades americanas e chegou a ser preso, mas foi libertado sob fiança por "razões de saúde" e tem circulado livremente pela capital, Porto Espanha.

Direito de imagem Reuters
Image caption Warner posa ao lado de Pelé e Nelson Mandela durante evento promovendo a Copa do Mundo de 2010

O escândalo causou também o pedido de renúncia do presidente da Fifa, o suíço Sepp Blatter, na semana passada, poucos dias depois de ser eleito para um quinto mandato à frente da entidade que comandava desde 1998.

Leia mais: Quem é o primeiro homem da Fifa a admitir corrupção

Os documentos obtidos pela BBC sugerem que Warner "esbanjou" a verba em pagamentos de faturas de cartões de crédito, empréstimos bancários e fez um pagamento de mais de US$ 4 milhões à rede de supermercados de Trinidad JTA. Os detalhes da investigação foram enviados pela BBC para o ministro do Esporte do país, Brent Sancho, que prometeu levar o dirigente à Justiça.

"Warner terá de responder por seu atos", prometeu Sancho, ex-jogador da seleção do país.

Direito de imagem AFP
Image caption Blazer disse às autoridades ter recebido propina para votar nos sul-africanos

"Estou arrasado por essa notícia. Este dinheiro deveria ter sido investido no futebol, no desenvolvimento do esporte para as crianças".

Nos últimos dias, a Federação de Futebol da África do Sul negou que tenha subornado delegados da Fifa em troca de votos para a Copa do Mundo, Justificou o repasse de verbas para a Concacaf como parte de um projeto para um projeto de legado envolvendo descendentes de escravos africanos.

No entanto, uma unidade especial de investigação de crimes financeiros do país abriu um inquérito para apurar as denúncias de suborno. E o ex-dirigente da Fifa Chuck Blazer, que serviu de informante para as autoridades americanas depois de ser preso como parte da investigação do FBI, alega ter recebido dinheiro para votar na campanha sul-africana.

Notícias relacionadas