Grécia apresentará proposta para resolver impasse com credores, diz ministro

Manifestante pró-zona do euro diante do Parlamento grego nesta segunda-feira (EPA) Direito de imagem EPA
Image caption Negociações vivem impasse há cinco meses, e a Grécia corre risco de sair da zona do euro

A Grécia definiu medidas que, segundo seu ministro da Economia, Infraestrutura e Turismo, devem colocar fim ao impasse envolvendo a crise da dívida do país europeu.

Em entrevista à BBC nesta segunda-feira, o ministro Giorgios Stathakis disse que as medidas sugeridas - ainda não anunciadas oficialmente - incluem novos impostos sobre empresas e sobre fortunas.

Segundo estimativas da Grécia, as medidas permitiriam uma arrecadação de 8 bilhões de euros ao longo de dois anos.

Ministros da zona do euro veem a proposta com otimismo cauteloso, afirmando que um acordo envolvendo a dívida grega poderá ser alcançado "em questão de dias".

A Grécia enfrenta o vencimento iminente de US$ 1,6 bilhão tomados em empréstimo com o Fundo Monetário Internacional; se não pagar até 30 de junho, será decretada moratória de sua dívida, sob o risco de o país sair da zona do euro - e até mesmo da União Europeia.

A crise grega é tema de negociações em curso atualmente em uma reunião emergencial em Bruxelas.

Para Stathakis, as novas propostas ajudarão a equilibrar as contas do governo e porão fim ao impasse nas negociações com os credores.

Leia mais: A Grécia vai conseguir evitar a moratória?

Leia mais: Cresce o risco de um calote grego. E o Brasil com isso?

Leia mais: Grécia recorre a jeitinho para continuar funcionando enquanto dinheiro acaba

"(Tentaremos) remover o fardo dos impostos de pensionistas e assalariados (direcionando-o) para empresas e fortunas", disse à BBC.

A proposta prevê também o aumento do imposto de valor agregado (VAT na sigla em inglês) sobre alguns itens.

'Propostas reais'

O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, disse que as propostas gregas foram as "primeiras propostas reais (apresentadas) em muitas semanas".

Já o presidente francês, François Hollande, que também participa do encontro, disse que houve avanços nas negociações, mas advertiu que "nem tudo foi resolvido". "O trabalho feito nas últimas horas mostram que todas as partes estão comprometidas para encontrar uma solução", completou.

Segundo a chanceler alemã, Angela Merkel, houve "algum progresso" nas negociações por um acordo, mas muito trabalho ainda precisa ser feito. "A proposta feita pela Grécia hoje teve algum progresso. Mas ficou claro nas nossas discussões que muito ainda precisa ser feito e o tempo está cada vez mais curto", afirmou.

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, mostrou-se otimista. "Estou convencido de que chegaremos a um acordo final ao longo desta semana."

As negociações vivem cinco meses de impasse. FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu têm se recusado a liberar o último lote (de 7,2 bilhões de euros) do pacote de resgate até que a Grécia se comprometa a reformas econômicas - que incluem medidas impopulares de austeridade, como cortes no pagamentos a pensionistas e em salários no setor público, rejeitadas pelo governo esquerdista do partido Syriza.

Jeroen Dijsselbloem, líder do Eurogrupo - que reúne os ministros de Finanças da zona do euro - e organizador da reunião emergencial, disse que as propostas gregas são "amplas", mas agregou que ainda é preciso saber se elas serão suficientes, "em termos fiscais", para ajudar o país a equilibrar suas contas.

Ao mesmo tempo, tropas de choque foram posicionadas nos arredores do Parlamento grego, para prevenir eventuais confrontos entre manifestantes contrários a medidas de austeridade e grupos pró-euro que se reúnem no local.