Ativista é presa após remover bandeira confederada de prédio do governo nos EUA

Direito de imagem AP
Image caption Ativista escalou nove metros de altura para retirar a bandeira

Uma mulher negra escalou o mastro que mantém a bandeira dos Estados Confederados no prédio do governo da Carolina do Sul, nos Estados Unidos, para tirá-la de lá.

A bandeira é considerada polêmica porque, para muitos, representa a herança da divisão de raças nos Estados Unidos.

Em meio a uma campanha para a retirada da bandeira no Estado, a ativista Bree Newsome subiu nove metros de altura para alcançar o símbolo utilizado pelos Estados do Sul durante a Guerra Civil e retirá-lo dali. A polícia chegou a pedir para que ela desistisse da missão, mas ela não obedeceu e acabou detida logo depois junto com um outro homem que a acompanhava.

Leia mais: Por que a bandeira dos Estados Confederados causa tanta polêmica nos EUA?

Brittany Ann Myuarim Newsome tem 30 anos e é da cidade de Raleigh, na Carolina do Norte. Segundo a polícia, os dois foram acusados de vandalizar o monumento.

A bandeira foi recolocada no mesmo local, em frente ao edifício oficial do governo da Carolina do Sul.

Polêmica

A campanha para que a bandeira dos Estados Confederados deixasse de ser utilizada na Carolina do Sul ganhou força após ela ter aparecido em fotos do atirador Dylann Roof, acusado de matar nove pessoas em uma histórica igreja da comunidade negra na cidade de Charleston. O crime teria sido motivado por ódio racial.

Direito de imagem AP
Image caption Bree Newsome foi presa, e a bandeira foi recolocada no lugar

Muitos a veem como símbolo do racismo que ainda paira sobre os Estados Unidos.

Desde que as fotos de Roof surgiram, a pressão popular aumentou para a retirada da bandeira do memorial que fica em frente à sede do governo da Carolina do Sul. A campanha foi espalhada pelas redes sociais com a hashtag #TakeItDown (retire, numa tradução livre).

O porta-voz da Casa Branca, Eric Schultz, disse que, para o presidente Barack Obama, a bandeira dos Estados Confederados "pertence ao museu".

Um novo protesto pela retirada da bandeira deve acontecer ainda neste sábado.