Em caso raro, DNA leva pai estuprador à cadeia no Afeganistão

BBC
Image caption A mulher sofreu uma série de abortos em mais de 10 anos

Um tribunal no Afeganistão emitiu um parecer histórico ao usar amostras de DNA para condenar um homem pelo estupro repetido de sua filha.

A vítima, que não pode ser identificada para que sua segurança seja preservada, foi violentada durante mais de 10 anos e teve dois filhos com o pai.

A violência contra mulheres no Afeganistão é endêmica e vítimas de crimes sexuais são frequentemente presas por "crimes morais".

Incesto

No ano passado, quando o julgamento de seu pai foi suspenso por conta do pedido da corte por amostras de DNA, a reportagem da BBC encontrou a vítima pela primeira vez.

Ela estava grávida e tinha no colo uma menina de quatro anos.

"Essa é minha filha e também filha do meu pai", contou a mulher.

Leia mais: Indiana posta videos de estupro no YouTube para expor criminosos

"Minha filha é o resultado de ter sido estuprada por meu pai. Ela é minha filha e minha irmã ao mesmo tempo".

Image caption No início, mesmo parentes da mulher fizeram pouco caso da história

De acordo com a vítima, os abusos começaram quando ela tinha apenas 12 anos. O pai tinha vivido oito anos no exterior, no Irã.

"Esperava que meu pai fosse me tratar como meus tios tratavam meus primos. Por anos fui privada de contato com ele".

Ela conta que o pai a tocava nas partes íntimas.

"Reclamei com a minha avó, mas ela me disse que todos os pais acariciam suas filhas".

Leia mais: Após estupro coletivo, indiana é submetida a 'ritual purificador' com pedra de 10kg na cabeça

Até que, numa noite, ela foi violentada pela primeira vez.

Abortos

Quando ficou grávida a primeira vez, o pai mudou a família para uma outra Província afegã. O bebê nasceu, mas foi levado embora pelo pai.

Nos anos seguintes ela sofreu vários estupros, passando por múltiplos episódios de gravidez e abortos. Mas uma das crianças sobreviveu.

"Fiquei com o bebê e não o abortei", contou ela.

Direito de imagem Reuters
Image caption Crimes sexuais no Afeganistão não raramente terminam com culpabilidade de vítimas femininas

"Era a chance que tinha de provar as acusações contra meu pai. Era minha única prova".

Com ajuda de sua mãe, a mulher finalmente conseguiu colocar fim aos abusos. O último ataque, ela conta, aconteceu em julho do ano passado.

"Minha mãe e eu contamos toda a história para líderes religiosos e comunitários e para a polícia. Fomos aconselhados a informá-los se isso acontecesse mais uma vez".

Leia mais: Por que não é crime estuprar a esposa na Índia

Na mesma noite, o pai mandou a mulher sair de casa e tentou violentar a filha mais uma vez. Foi preso quando a mulher voltou com a polícia e líderes tribais.

Teste

A prisão ainda não foi o fim do drama da filha. No julgamento, o pai negou as acusações e ainda disse que filha tinha relacionamentos com uma série de outros homens.

Image caption A mulher teve dois filhos com pai

O juiz suspendeu os procedimentos e pediu exames de DNA. O problema é que no Afeganistão não há laboratórios que realizam testes genéticos. Grupos de defesa dos direitos das mulheres, porém, conseguiram, depois de um ano de lobby, que uma empresa americana fizesse os testes. De graça.

"Se não fizéssemos o teste, minha cliente teria sido punida de acordo com as leis afegãs", explica Ruhulla, advogada da mulher.

Quando os resultados voltaram, ficou provado o ataque sexual do pai. Ele foi condenado à morte - entrou com um um recurso.

Leia mais: Britânico vence batalha legal com ex-mulher e publica memórias sobre abuso sexual

O uso de DNA como prova é extremamente incomum em casos judiciais no Afeganistão.

Mesmo que o pai seja executado, a vítima permanece com medo.

"Estou preocupado com o futuro dos meus filhos. O que direi para eles quando forem mais velhos e me perguntarem sobre o pai deles?"