Por dentro da mente de um ladrão

Direito de imagem Getty
Image caption Para psicóloga, ladrões possuem mecanismos mentais complexos

No início, tudo parece fácil até demais. Eu entro pelo portão de trás, cruzo o jardim e abro a porta da casa. Tudo isso sem ser notado.

A primeira coisa que agarro é a TV de tela plana – mas acabo derrubando-a no chão. Coloco em uma sacola um laptop e um celular. Minha cúmplice, Claire Nee, faz uma cara impaciente. Ela aponta para um casaco pendurado em uma cadeira. No bolso estão uma carteira com cartões de crédito e chaves. Ela também me indica um tablet deixado sobre a poltrona e os passaportes em uma gaveta.

Não tenho que me preocupar com a polícia. A casa que estamos roubando não é real – fica em uma tela de computador e faz parte de um programa de realidade virtual.

Trata-se da mais nova ferramenta que Nee, psicóloga forense da Universidade de Portsmouth, na Grã-Bretanha, vem usando para tentar “entrar na mente” de ladrões.

Leia mais: Como saber se seu wi-fi está sendo roubado (e o que fazer)

Leia mais: Como encontrar um celular perdido ou roubado?

Talento complexo

Direito de imagem University Amsterdam
Image caption Para estudar comportamento de criminosos, pesquisadores desenvolveram simulador

“No passado, esses criminosos eram considerados impulsivos, sem critérios, oportunistas. Eles não eram tidos como muito inteligentes, porque em geral são pessoas sem muita instrução”, afirma ela.

Isso é um erro. Nee descobriu que ladrões possuem recursos cognitivos complexos, com habilidades automáticas e avançadas – tanto quanto um campeão de xadrez ou de tênis. E se quisermos evitar crimes no futuro, temos que começar a apreciar esse talento.

Nee começou sua pesquisa em prisões, onde entrevistou criminosos sobre seus delitos. Aos poucos, ela foi testando a memória deles com entrevistas e questionários, além de mostrar fotos e plantas de casas para tentar fazer com que eles se lembrassem de suas estratégias.

A equipe da psicóloga teve algumas surpresas. Como parte de seus mais recentes experimentos, Nee convidou um grupo de estudantes e de criminosos que cumpriam sentença por furto para uma “safe house” da polícia para saber como eles se comportariam na propriedade.

A porta de trás foi destrancada, mas os pesquisadores que filmavam o incidente se surpreenderam ao ver um par de ladrões entrando pela janela acima deles.

Mais tarde, Nee esqueceu que tinha deixado sua bolsa no térreo. “Agora tenho um vídeo de um dos homens revistando minhas coisas e encontrando todo o meu dinheiro”, conta.

Leia mais: Como 'batedores' de carteira enganam suas vítimas

Piloto automático

Direito de imagem Getty
Image caption Surpreender o ladrão com elementos fora do lugar pode fazê-lo desistir do roubo

Nee deve ter adivinhado que ele iria diretamente para o dinheiro. Por meio de suas experiências, ela demonstrou que muitos ladrões funcionam em uma espécie de “piloto automático” que permite que eles explorem uma oportunidade rapidamente.

O furto, na realidade, começa muito antes do dia em que é executado. Um ladrão passa a identificar potenciais oportunidades em suas atividades diárias quando começa a precisar de dinheiro.

Esse tipo de criminoso é surpreendentemente adaptável, no entanto, e pode rapidamente mudar de ideia no próprio dia se perceber que outro alvo está mais acessível.

Uma vez dentro de uma casa, o “piloto automático” se revela essencial para evitar que o ladrão perca a concentração.

Leia mais: Como preservar sua privacidade no mundo digital

O simulador de Nee foi usado para pedir aos mesmos criminosos que exploraram a “safe house” para demonstrar o decorrer do crime. Apesar do cenário artificial, ela descobriu que eles encaram a tarefa com seriedade e exibem o mesmo comportamento que tiveram na casa de verdade.

Eu mesmo confesso que, no início, duvidava um pouco da afirmação de Nee de que esses criminosos precisam de bastante habilidade. Mas minha experiência no simulador me mostrou como eu parecia mais uma criança hiperativa em uma caça ao tesouro.

Minha confusão contrasta fortemente com o comportamento dos verdadeiros ladrões na simulação, que a psicóloga desenvolveu com o professor de computação Martin White, da Universidade de Sussex.

Os criminosos mais experientes praticamente percorreram a mesma rota pela casa, indo primeiro para os quartos no andar de cima e depois para a sala, no térreo. No caminho, eles facilmente notam o casaco e vasculham seus bolsos. Eles também buscam roupas de grife, joias e outros pequenos artigos de valor, deixando de lado os aparelhos eletrônicos que logo podem caducar.

Em uma média de 4 minutos dentro da casa, os ladrões profissionais acumularam cerca de 1 mil libras (R$ 4,9 mil), muito mais do que o grupo de controle formado por estudantes sem problemas com a polícia.

'Instinto natural'

Incrivelmente, a maior parte do processo de pensamento envolvido na busca parece ocorrer a um nível subconsciente, o que dá ao ladrão um espaço mental maior para lidar com o risco de ser flagrado. “Podia roubar de olhos fechados”, contou um dos presidiários. “A busca se torna um instinto natural. Concentrar-se no que está ocorrendo ao seu redor e onde encontrar itens de valor se torna rotina. A maior parte da concentração está no risco de alguém aparecer.”

Com esse comportamento rápido, sistemático e não consciente, Nee comparou o furto a outras atividades que requerem uma habilidade específica, como a música, o xadrez e o tênis. As estrelas dessas atividades costumam dizer que entram em um “estado de fluidez” semelhante, pelo qual a maioria das decisões mais cruciais acontecem fora da consciência.

E assim como essas outras especialidades, o roubo depende de um complexo esquema psicológico. Para um enxadrista, as estratégias estudadas podem ser evocadas durante uma partida; para um ladrão, é uma compreensão quase enciclopédica do layout de uma casa e da localização provável dos objetos de valor, assim como as rotas de fuga.

Leia mais: De onde vem a maldade?

Combate ao crime

A teoria de Nee pode parecer um tanto abstrata, mas ela tem a expectativa de trazer sugestões práticas para combater o crime. Segundo ela, um truque seria impor algo inesperado, que não pertença ao roteiro normal de um crime, tirando o ladrão daquele estado de piloto automático. “Isso provavelmente o faria abandonar o roubo”, afirma a psicóloga.

Tocar uma gravação de passos ou até algo mais simples como o barulho de uma máquina de lavar podem ser suficientes para perturbar o ladrão. Da mesma maneira, uma casa que é organizada de maneira diferente também confundiria o mapa mental do criminoso. “Você precisa ser inovador porque os ladrões vão se acostumar com qualquer tática ao longo do tempo”, afirma Nee.

Além disso, atrapalhar o piloto automático do ladrão também pode ajudá-lo a deixar o mundo do crime. Segundo a pesquisadora, sinais que sugerem um potencial roubo – como uma janela aberta, por exemplo – podem ativar o sistema de recompensas do cérebro, dificultando a resistência.

“Cometer um crime é uma sequência de eventos. Um ladrão pode não estar ciente de suas primeiras decisões mas, ao se aproximar da cena do potencial delito, o sistema de recompensas começa a dominar mais e mais”, afirma.

Portanto, um trabalho de reabilitação poderia treinar esses indivíduos a evitar esses sinais e lutar contra a tentação.

Nee agora está trabalhando com Jean-Louis Van Gelder, do Instituto para o Estudo do Crime e da Aplicação da Lei da Holanda, para analisar como as emoções se comportam durante um crime.

Por enquanto, há algumas medidas simples que todos nós podemos adotar. Além de trancar as portas e janelas, Nee acredita que uma das melhores estratégias é sempre fingir que tem alguém em casa a todo momento – quase todos os ladrões que ela entrevistou contam que fariam qualquer coisa para evitar um encontro frente a frente com suas vítimas.

Leia mais: Os segredos do poder de manipulação

Leia a versão original desta reportagem em inglês no site BBC Future.