Sem acordo, líderes europeus cancelam reunião sobre crise grega

Direito de imagem AFP
Image caption Se não houver consenso em novo encontro, Atenas pode ser obrigada a abandonar o euro

Os líderes da União Europeia cancelaram uma reunião que aconteceria na manhã deste domingo para discutir um novo pacote de resgate financeiro para a Grécia.

No sábado, nove horas do que foi descrito como “uma discussão muito difícil” terminaram sem nenhum acordo.

Na tarde deste domingo, os ministros das finanças devem se reunir com os líderes da zona do euro em um encontro que, segundo o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, vai durar “até que as negociações sobre a Grécia sejam concluídas”.

Leia mais: A crise grega em números

Sem um acordo, a Grécia pode ser forçada a abandonar o euro.

O correspondente da BBC Jonny Dymond, que está em Bruxelas, disse que é bastante raro se cancelar um encontro da União Europeia tão em cima da hora.

Uma rodada de negocições na véspera terminaram sem acordo e foram descritas como “muito difíceis” pelo líder do Eurogrupo Jeroen Dijsselbloem.

“Tivemos rodadas de conversas profundas sobre as propostas gregas, discutimos questões de credibilidade e confiança e também os entraves financeiros, é claro. Mas não chegamos a nenhum acordo”, disse Dijsselbloem.

Direito de imagem AFP
Image caption Nova proposta grega incluiu medidas de austeridade inicialmente criticadas pelo atual governo e rechaçadas pela maioria da população

E apesar de a retomada das conversas estar marcada para esta tarde e de o presidente do conselho ter dito que se chegará a um consenso, muitos ministros já dizem que esse cenário é distante.

O vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, disse quer “altamente improvável” que uma decisão seja tomada ainda neste domingo sobre um tericeiro pacote de ajuda.

Relatos sobre a reunião de sábado sugeram que ministros alemães estariam preparando um plano que permitira uma saída temporária da Grécia da zona do euro.

O governo grego busca agora uma ajuda de 53 bilhões de euros (US$ 59,5 bilhões) para cobrir suas dívidas até 2018.

Em troca, seriam implementadas muitas das medidas de austeridade inicialmente criticadas pelo atual governo grego e rechaçadas pela maioria da população no referendo.